UAI

Danilo Gentili diz que sofreu perseguição política de Bolsonaro

O apresentador expôs em seu perfil no Twitter casos que aconteceram durante 2022 e que são apontados por ele como 'censura' do ex-presidente da República

Danilo Gentili e Bolsonaro Divulgação/SBT
Douglas Lima - Especial para o Uai clock 03/01/2023 17:36
compartilhe icone facebook icone twitter icone whatsapp SIGA NO google-news

apresentador Danilo Gentili, de 43 anos de idade, usou seu perfil no Twitter na última segunda-feira (02/01), para fazer sua própria retrospectiva de 2022, ano que, segundo o comunicador, foi "deprimente". Entre os eventos citados, ele declara que sofreu perseguição do ex-presidente da República Jair Messias Bolsonaro (PL), a quem ele acusa de ter "tentado desgastar" sua imagem por meio de censura.

Leia Mais

Vale destacar, que nesse ano que se encerrou, Gentili entrou em uma polêmica por conta do seu filme Como se tornar o pior aluno da escola (2017), que sofreu tentativas de censura do governo sob a justificativa de apologia à pedofilia.

 

"Foi mais um ano sofrendo pressão de mais um governo tentando desgastar a minha imagem e tentando fazer eu perder a minha carreira. Porém, hoje, mais uma vez, eu assisti muitas das pessoas que pediram a minha cabeça perdendo as delas. E continuo aqui, firme e forte", declarou o humorista.

 

Em sua tread na rede social do passarinho, o piadista também comemorou o recorde de 80º processo judicial e o título de ser o "comediante mais processado do Brasil".

 

Vale destacar, que não foi a primeira vez que o comediante criticou a postura do clã presidencial nas redes sociais, principalmente após a derrotado do candidato do Partido Liberal. O contratado do SBT já detonou o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PL-SP) por ficar "chorando" na internet, e ironizou o parlamentar, após ele ir ao Qatar, para acompanhar a Seleção Brasileira na Copa do Mundo, enquanto incentivava os militantes bolsonaristas a protestarem nas ruas. Os manifestantes estão pedindo o que seria uma intervenção militar, que fere a Constituição Brasileira por se tratar de um ato golpista. O movimento espalhado pelo Brasil ganhou caráter de vigília na frente de quartéis e tiros de guerra, com a aglomeração de centenas de apoiadores. 

Relembre a acusação de pedofilia contra Danilo Gentili

Em março de 2022, o apresentador Danilo Gentili se tornou alvo de ataques de bolsonaristas que o acusaram de fazer apologia à pedofilia no filme Como se tornar o pior aluno da escola (2017). Na ocasião, o ator Fábio Porchat também se tornou alvo das acusações.

 

Como se tornar o pior aluno da escola é um longa-metragem baseado no livro de mesmo nome, escrito por Gentili. A obra aborda temas com objetivo de fazer críticas ao politicamente correto. Na época de seu lançamento, a obra fictícia que tem classificação indicativa para 14 anos, já tinha sido alvo de críticas por conta de uma cena de cunho sexual que envolve Porchat.

 

Na história, Bernardo (Bruno Munhoz) e Pedro (Daniel Pimentel), dois adolescentes que decidem seguir um diário diferente, que ensina como instalar o caos na escola onde estuda. Os jovens aprontam várias pegadinhas no ambiente estudantil.

 

Na produção, Fábio Porchat interpreta Cristiano, um pedófilo que tenta abusar dos meninos, mas não consegue. "Vamos esquecer isso tudo, deixar isso de lado? A gente esquece o que aconteceu e, em troca, vocês batem uma punheta pro tio. É super normal, vocês tem que abrir a cabeça de vocês. Uma juventude retrógrada", sugere o personagem, que também coloca a mão de um dos garotos em seu pênis na cena polêmica em questão.

 

Posteriormente, o Ministério da Justiça e Segurança Pública determinou a suspensão da disponibilização, exibição e oferta do filme nas plataformas de streaming Netflix, Telecine, Globoplay, YouTube, Apple e Amazon. A determinação foi derrubada a partir de um pedido do Ministério Público Federal e a Associação Brasileira de Imprensa, que alegavam que a censura era um cerceamento da liberdade de expressão. Vale destacar, que a censura à produção foi a primeira de um filme desde o final da ditadura militar.

 

Depois da determinação, o ministério também mudou a classificação indicativa do filme — agora apenas para maiores de 18 anos por conter, segundo a pasta, "coação sexual, estupro, ato de pedofilia e situação sexual complexa".

 

Confira, abaixo, o trailer de Como se tornar o pior aluno da escola:

compartilhe icone facebook icone twitter icone whatsapp