Uso de antibióticos de forma prolongada eleva risco de câncer de cólon

Mais um estudo científico reforça a associação entre o uso de antibióticos e risco aumentado de câncer de cólon


pixabay
(foto: pixabay)

O consumo de alimentos ultraprocessados, embutidos e enlatados, o excesso de consumo de carne vermelha, o tabaco e a obesidade estão no topo da lista de fatores de risco para o desenvolvimento do câncer de cólon, além da deficiência na ingestão de alimentos ricos em fibras, como frutas, verduras e cereais e água.

Mais recentemente, outros fatores de risco também foram propostos, incluindo alterações na microbiota intestinal, que ocorrem principalmente pelo uso de antibióticos de forma prolongada.

E os dados mais recente que vêm de um estudo populacional sueco reforçam esta ligação. O estudo, liderado por Sophia Harlid, PhD, Departamento de Ciências da Radiação, Oncologia, Universidade de Umeå, Umeå, Suécia, foi publicado on-line em 1º de setembro no Journal of the National Cancer Institute.

Os investigadores analisaram dados de mais de 40 mil pacientes com câncer colorretal e 200 mil pessoas controle sem câncer.
Eles descobriram que o uso moderado de antibióticos aumentou o risco de câncer de cólon proximal em 9% e que o uso muito alto de antibióticos aumentou o risco em 17%.

Em contraste, o risco de câncer retal foi reduzido em 4% com o uso moderado e 9% com o uso muito alto, mas esta associação foi restrita às mulheres.

O uso de antibióticos foi categorizado como sem uso (nenhum uso relatado de antibióticos durante o período do estudo), baixo (uso durante um período de 1-10 dias), moderado (11-60 dias), alto (61-180 dias) e muito alto (> 180 dias).

Os resultados complementam as descobertas de um estudo recente da Escócia, que descobriu que uma história de uso de antibióticos entre indivíduos com menos de 50 anos parecia aumentar o risco de desenvolver câncer de cólon, mas não câncer retal em 49%.

Os novos dados da Suécia reforçam as evidências anteriores e fornecem novos dados sobre a carcinogênese específica do local, bem como suporte indireto para o papel da microbiota intestinal.
 
A descoberta de um risco aumentado de câncer no cólon proximal, mas não mais ao longo do trato alimentar é consistente com um alto impacto microbiano no cólon proximal e uma concentração decrescente de ácidos graxos de cadeia curta ao longo do cólon. Isso resulta em maior atividade bacteriana, formação de biofilme e fermentação na região proximal em comparação com o cólon distal e reto. 

Uma análise adicional mostrou que o uso de quinolonas e sulfonamidas e/ou trimetoprima foi associado a um risco aumentado de câncer de cólon proximal, enquanto o uso de nitrofurantoínas, macrolídeos e/ou lincosamidas e metronidazol e/ou tinidazol foi inversamente associado ao câncer retal.

Os dados sobre o uso de antibióticos foram extraídos do Registro Sueco de Medicamentos Prescritos. Outras variáveis, como fatores socioeconômicos e utilização de saúde, foram obtidas no Swedish Inpatient Register e no Longitudinal Integration Database for Health Insurance and Labor Market Studies.

A equipe identificou 40.545 pacientes com casos de câncer colorretal; havia 202.720 pessoas de controle. Pouco mais da metade (52,9%) dos participantes eram homens; a média de idade no diagnóstico do câncer foi de 72 anos. Entre os casos, 36,4% eram cânceres de cólon proximal, 29,3% eram cânceres de cólon distal e 33,0% eram cânceres retais.

Finalmente, foi observada uma ligeira relação inversa entre câncer retal e uso de antibióticos. Entretanto, essa associação foi encontrada apenas em mulheres, enquanto as outras associações foram observadas em homens e mulheres.

Podemos concluir que a associação positiva entre o uso de antibióticos e o câncer de cólon fornece uma justificativa potencial para a redução das prescrições de antibióticos na prática clínica e de seu uso de forma mais judiciosa e sempre no menor período de tempo possível.
Erro ao renderizar o portlet: 0000 - Main - Vitrine

Erro: