Resenha literária: O interesse pelas coisas reúne 15 contos de Eduardo Villela

Em seu livro de estreia, o carioca mostra que o acaso ou a consciência do narrador questionam o cotidiano

por Tadeu Sarmento 14/07/2017 10:23
À primeira vista, os 15 contos que compõem O interesse pelas coisas, de Eduardo Villela, tratam de aspectos banais da vida (matéria-prima preferida de nove entre 10 contistas). Porém, a opção pelo simples na escolha da maioria dos seus temas e, sobretudo, a aposta na simplicidade no seu modo de contar as histórias revelam mais de Villela: um domínio eficiente do guidom das narrativas e um desejo genuíno de, de fato, comunicar-se com o leitor. São contos no geral convincentes, que combinam certo tom de honestidade e compaixão, permeado por doses clandestinas de humor, retratando as frestas da vida cotidiana, através das quais o inusitado pode, sem mais nem menos, escapar.

Esse inusitado pode ser tanto um policial que se aferra a uma lembrança de infância para não sucumbir diante de um cotidiano de violência quanto uma garota curiosa em descobrir a secreta profissão do pai, passando por um rapper anônimo transitando entre os estudos, o tráfico de drogas e um estranho quadro de Robert Johnson, ou um músico que só compõe inspirado no movimento de lutadores de UFC.

No fundo, Villela trabalha com uma ideia reincidente: a de que todos estamos protegidos pelas rotinas da vida até que os movimentos do acaso alcancem nossos pés, ou até que a percepção do absurdo dessas rotinas assalte subitamente nossas consciências. É o caso do melhor conto do livro, Os primeiros dias, em que um trainee recém-ingresso em uma empresa de telecomunicações, estranha o fato de passar os dias no novo emprego sem trabalhar e sem ninguém se importar com isso. No texto, a referência a Camus não é à toa.

O livro perde um pouco a pegada em Genética, que põe abaixo um ótimo argumento em favor de uma brevidade direcionada para um desfecho fácil, mas recupera-se em Um bom motivo, na qual a agilidade dos diálogos imprime nova velocidade à leitura, seguindo relativamente bem do hilário Devaneio de poeta (em que o protagonista dá vazão à sua veia poética preenchendo formulários virtuais) em diante. Em A Guerra da Córsega (um conto incomum dentro do universo da obra, com um pé na ficção científica e na distopia), as disputas comerciais e territoriais entre os países são resolvidas não entre guerras, mas por meio de partidas de futebol ou vôlei mediadas pela ONU. Tudo narrado em um tom corriqueiro, quase jornalístico.

Mas é no conto que intitula o livro que o narrador de Villela constrói uma interessante teoria sobre o ato de escrever, ao partir do sentimento de inadequação que todo escritor mantém em relação ao mundo para chegar até a ideia de que as palavras tecem uma falsa sensação de controle sobre um mundo que, por sua vez, rejeita qualquer espécie de deslocamento.

O autor chega a comparar as palavras à “corda de um vaqueiro”, no sentido de que tentam (em vão) capturar aquilo que é arredio a qualquer confinamento; algo que recusa se afixar, pois é transitório o suficiente para não se deixar manusear através da força ou das operações da razão. A própria realidade, enfim.

Porém, partindo das palavras em direção às coisas e, depois, das coisas rumo às palavras, chegamos à conclusão de que todo interesse requer atenção, e que ninguém é mais atento ao mundo que o escritor.

Contudo, ao contrário de cientistas e filósofos, o escritor olha para as coisas sem a intenção de compreendê-las ou interpretá-las, mas na esperança de subitamente ver um relâmpago iluminar tudo de sentido e depois se apagar para sempre. São alguns desses relâmpagos que podemos flagrar retratados aqui e ali ao longo da leitura d’ O interesse pelas coisas, de Eduardo Villela. Vale a pena esperar por eles.



* Tadeu Sarmento é escritor, autor de Associação Robert Walser para sósias anônimos (2015) e E se Deus for um de nós (Confraria do Vento), entre outros


• O INTERESSE PELAS COISAS
• De Eduardo Villela
• Editora Moinhos  
• 112 páginas  
• R$ 34

['__class__', '__cmp__', '__contains__', '__delattr__', '__delitem__', '__dict__', '__doc__', '__eq__', '__format__', '__ge__', '__getattribute__', '__getitem__', '__gt__', '__hash__', '__init__', '__iter__', '__le__', '__len__', '__lt__', '__module__', '__ne__', '__new__', '__reduce__', '__reduce_ex__', '__repr__', '__setattr__', '__setitem__', '__sizeof__', '__str__', '__subclasshook__', '__weakref__', 'clear', 'copy', 'fromkeys', 'get', 'has_key', 'items', 'iteritems', 'iterkeys', 'itervalues', 'keys', 'pop', 'popitem', 'request', 'setdefault', 'update', 'values', 'viewitems', 'viewkeys', 'viewvalues']