Tradicional parada da BR 040, Oca do Milho abre ponto de venda em BH

Especializada em quitutes feitos a partir do milho, loja vende pamonha, mingau, picolé, bolos e suco

por Mariana Peixoto 29/12/2017 08:48

Juarez Rodrigues/EM/D.A PRESS
A loja da Savassi foi aberta como um piloto no propósito de franquear a marca. (foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A PRESS)

Pamonha! Pamonha! Pamonha! Quem nunca foi perturbado pelo carro de som anunciando, sem o menor pudor, o quitute de milho verde?

Pois o comércio informal está com um sério concorrente na praça. Tradicional parada da BR 040 em Caetanópolis (distante 100 quilômetros de BH), a Oca do Milho ganhou sua primeira loja na cidade, no coração da Savassi.

Todas as delícias produzidas com milho estão à venda na lanchonete: mingau (R$ 6,50 o pote de 200g e R$ 7,50 o de 250g); suco (R$ 7,50 a garrafinha de 300ml); bolos (de R$ 3,50 a R$ 14,75), sorvete (R$ 4,60, o potinho de 250ml; R$ 7, o de 500ml, e R$ 3 o picolé). E para quem adora milho quentinho, mas tem preguiça da bagunça causada pela espiga, a Oca traz o chamado milho no pote (R$ 6). É o milho, já amanteigado e temperado, pronto para comer.

 

 

Claro que o carro-chefe está presente em diferentes versões. São quatro as opções de pamonha (R$ 7,50 a unidade): doce com queijo (a mais pedida); sal com queijo, sal com frango e sal com lombo. Prontas para comer na loja ou congeladas para levar para casa (4 minutos no micro-ondas ou 15 na água fervendo, que é o ideal). No congelador, a pamonha pode ficar por até seis meses.


POCKET É igualzinha à pamonha do interior, ainda que venha embalada num plástico próprio, e não na palha. Tanto que ganhou o nome de pamonha pocket. “Criamos essa embalagem própria, que não muda em nada o gosto. É mais rápida de ser preparada. Uma pessoa leva dois anos e meio para aprender a empalhar uma pamonha”, conta Luana de Paula Magalhães, que está à frente da loja da Savassi.

Ela é a filha única do casal Carlos José de Paula e Marly Fernandes Magalhães de Paula. A família é de Patos de Minas, no Alto Paranaíba, chamada de “capital do milho”. Há 20 anos, o casal abriu em Pirapora a primeira Oca do Milho. “A gente brinca que foi para lá quebrado e saiu de lá moído”, comenta Luana. A receita da pamonha vem da família.

O empreendimento não deu certo e, um ano mais tarde, a família Magalhães de Paula decidiu mudar de lugar. Os três foram para Caetanópolis e inauguraram ali duas lojas. Na mesma altura da BR 040 (KM 478), só que uma em cada sentido da rodovia.

Juarez Rodrigues/EM/D.A PRESS
Carro-chefe da loja, a pamonha é servida em quatro versões - doce com queijo; sal com queijo, sal com frango e sal com lombo. (foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A PRESS)
 

Depois que se formou em engenharia de produção na Universidade Federal de Ouro Preto, coube a Luana a missão de ampliar o processo produtivo. A loja da Savassi, inaugurada há 15 dias, é um empreendimento-piloto para franquias.

Toda a produção é feita em Caetanópolis – a área de produção mais as três lojas contam com 78 funcionários. Mensalmente, são produzidas em torno de 24 mil pamonhas. Depois dela, o mais procurado é o suco.

O cardápio da lanchonete oferece ainda algumas opções sem milho. Salgados em tamanhos generosos: empadas, coxinhas, pastel frito e pão de queijo (de R$ 3,50 a R$ 6,50).

A abertura da loja em BH também veio de uma demanda que os proprietários perceberam. “Oitenta por cento dos nossos clientes em Caetanópolis moram em Belo Horizonte. Tem gente que saía de BH só para ir na nossa loja”, conta Luana. Bem, ninguém precisa mais ir tão longe.

OCA DO MILHO
Rua Alagoas, 1.130, Savassi, (31) 3654-0252. Segunda a sexta, das 9h às 19h30; sábados, das 9h às 18h.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE GASTRONOMIA