Juliette critica veto de Bolsonaro: 'Pobreza menstrual deve ser tratada'

'Quando pessoas que menstruam não têm acesso a absorvente, elas não têm acesso à saúde, à educação', diz paraibana

Divulgação/TV Globo/Montagem
Jair Bolsonaro e Juliette (foto: Divulgação/TV Globo/Montagem)

Na última quinta-feira (07/10), ex-BBB   Juliette Freire  se manifestou sobre a rejeição do presidente  Jair Bolsonaro  à distribuição gratuita de absorvente menstrual para mulheres de baixa renda.

 

Sucesso na internet, a famosa expôs sua opinião e disse que as pessoas que não tem acesso ao absorvente, também não tem acesso à educação saúde e principalmente, à dignidade.

 

No twitter , Juliette não hesitou em demonstrar sua insatisfação. "Quando pessoas que menstruam não têm acesso a absorvente, elas não têm acesso à saúde, à educação e a ter sua dignidade enquanto ser humano. Cobremos que o veto do presidente seja BARRADO. Em um país feito para todos, pobreza menstrual deve ser tratada com seriedade", escreveu ela.

Quem também não concordou com a postura do chefe de Estado foi a apresentadora Cátia Fonseca . Ela não se segurou ao reagir à notícia de que o poder executivo vetou um artigo de lei.Para ela, era imprescindível a aprovação do artigo.

 

"A gente tem que ficar de olho no que os nossos governantes fazem. Vou dar um exemplo: nosso Governo Federal, olha o que fizeram, o fim da picada", disse desabafando. 

 

A distribuição beneficiava estudantes de baixa renda matriculadas em escolas da rede pública de ensino, mulheres em situação de rua ou em situação de vulnerabilidade social extrema, mulheres apreendidas e presidiárias, recolhidas em unidades do sistema penal e mulheres internadas em unidades para cumprimento de medida socioeducativa, segundo o Portal UOL

 

Além disso, Bolsonaro vetou o trecho que incluía absorventes nas cestas básicas distribuídas pelo Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional. 

Erro ao renderizar o portlet: 0000 - Main - Vitrine

Erro: