Apresentador da MTV acusa PM's de racismo em abordagem

'Se você é pessoa negra nesse país, você não é respeitado', desabafa Spartakus Santiago

Reprodução/Instagram
Spartakus Santiago (foto: Reprodução/Instagram)

Nesta segunda-feira (04/10), o apresentador da  MTV Brasil  e youtuber  Spartakus Santiago , de 27 anos, fez uma transmissão ao vivo em seu instagram acusando dois policiais militares de racismo.  

 

O youtuber foi abordado no bairro de Santana, na Zona Norte de São Paulo. No desabafo, ele disse que tinha saído para caminhar apenas com o celular e o fone de ouvido e estava parado próximo ao viaduto. Os PM's alegaram "atitude suspeita" para a abordagem. Já o apresentador entendeu que houve racismo. Um dos policiais mostrados nas imagens do apresentador durante a transmissão também é negro.

 

"Esses dois policiais vieram apontando a arma pra mim, me tratando como se fosse um bandido", afirmou o youtuber na transmissão ao vivo. "Trataram como atitude suspeita porque fiquei 10 minutos parado mexendo no celular", acrescentou.

 

"Se você é pessoa negra nesse país, você não é respeitado, você é tratado como bandido. Chegaram com duas armas apontadas para mim, como se eu fosse um criminoso", pontuou.

Depois de cerca de dez minutos de abordagem, um dos policiais informou a Spartakus que ele estava "liberado". "O senhor está liberado, conforme o sargento orientou a gente aqui", afirmou o policial. 

 

Em nota, a PM informou que "a abordagem ocorreu conforme os protocolos vigentes na Instituição. O influencer Spartakus Santiago em nenhum momento foi ofendido ou agredido pelos policiais militares. Como ele não portava documentos foi necessário consultar o COPOM para confirmar sua identificação", informou a corporação.

 

"As fiscalizações e abordagens realizadas pelos policiais militares seguem protocolos rigorosos e amparados pela legislação brasileira, constituem-se importante ferramenta de trabalho policial e, em grande parte, foram responsáveis pelas quase 5 mil armas e 131 toneladas de drogas apreendidas de janeiro a agosto deste ano. Comprovado que não há nada de ilícito ou irregular com a pessoa abordada ela é imediatamente liberada, tal qual aconteceu no caso e pode ser observado nas imagens do vídeo", disse a Secretaria de Estado de Segurança Pública. 

Erro ao renderizar o portlet: 0000 - Main - Vitrine

Erro: