Alimentos como feijão e pão preto evitam menopausa antes dos 45 anos

Estudo mostra que ingestão diária de 3 a 4 porções de alimentos como feijão e pão preto reduz risco de encerramento do ciclo reprodutivo antes dos 45 anos

por Paloma Oliveto 08/07/2017 09:51
Última etapa do ciclo reprodutivo, a menopausa é esperada por volta dos 52 anos, embora possa acontecer, naturalmente, um pouco antes. Contudo, quando o fim do período fértil anuncia-se entre os 40 e os 45 anos, considera-se que a mulher entrou precocemente nessa fase. As causas são desconhecidas, mas sugere-se que fatores ambientais, de estilo de vida e genéticos (esses, menos frequentes) estejam por trás de um problema que afeta de 5% a 10% do mundo ocidental.


Agora, uma pesquisa da Universidade de Massachusetts em Amherst e da Faculdade de Saúde Pública Harvard T.H.Chan, ambas nos EUA, encontrou uma associação entre o consumo de proteínas vegetais e o prolongamento da função reprodutiva. No estudo, publicado no American Journal of Epidemiology e realizado com 85.682 norte-americanas, as cientistas Maegan Boutot e Elizabeth Bertone-Johnson constataram que mulheres que ingeriam de três a quatro porções diárias de fontes proteicas vegetais, como pão integral e feijões, tinham 16% menos risco de entrar na menopausa antes dos 45 anos.

Boutot e Bertone-Johnson explicam que a literatura científica evidencia que um consumo elevado de proteína vegetal, em animais, está relacionado ao retardo da menopausa. Em uma dessas pesquisas, 61 fêmeas de macacos receberam uma dieta rica em proteína animal (caseína e albumina) ou vegetal (soja com isoflavonas). Depois de 32 meses de tratamento, os ovários daquelas que consumiram a soja tinham significativamente mais folículos que os das demais.

Investigações prévias com humanos também sugerem essa associação. Citado pelas autoras no artigo, um estudo conduzido com 1.130 japonesas de 35 a 54 anos indicou que a ingestão de vegetais verdes e amarelos estava inversamente associada à incidência da menopausa ao longo de seis anos de acompanhamento. Essa foi a mesma constatação de uma pesquisa alemã realizada com 5,5 mil mulheres, à qual as autoras também fazem referência. Por fim, elas mencionam um estudo sobre composição dietética e infertilidade realizado nos Estados Unidos com mais de 1 mil participantes. O resultado foi que aquelas com consumo excessivo de proteína animal tinham mais risco de se tornaram inférteis antes do tempo, enquanto que a substituição de 5% desse nutriente pelo de origem vegetal reduzia a chance em 50%.

Agora, as pesquisadoras usaram informações do Estudo de Saúde de Enfermeiras — um grande banco de dados norte-americano sobre diversos aspectos da saúde de trabalhadoras da área que tem servido de base para pesquisas epidemiológicas — para confirmar essa associação. As mais de 85 mil mulheres foram acompanhadas ao longo de 11 anos, com questionários frequentes nos quais deviam informar hábitos alimentares e se já haviam entrado na menopausa. Depois de ajustar os fatores de risco, como tabagismo, sedentarismo e índice de massa corporal, as cientistas descobriram que as que consumiam 6,5% das calorias diárias de proteína vegetal tinham 16% menos risco de entrar precocemente na menopausa do que aquelas cuja ingestão desse nutriente chegava no máximo a 3,9% das calorias.

As investigadoras, em seguida, examinaram quais alimentos ricos em proteína estavam mais associados ao risco reduzido de menopausa precoce. Elas testaram como uma porção diária de carne vermelha, ave, frutos do mar, ovos, soja/tofu, ervilhas, feijões/lentilha, amendoim, nozes, manteiga de amendoim, macarrão, pão preto e cereal matinal poderiam influenciar nessa questão. Os alimentos que aparentemente têm mais potencial protetivo foram os três últimos. Carnes de qualquer tipo não aumentaram o risco, mas também não ofereceram nenhuma proteção contra a menopausa precoce.

“Uma compreensão melhor sobre como a ingestão de proteína vegetal está relacionada ao envelhecimento do ovário pode identificar formas de as mulheres modificarem seu risco de menopausa precoce e das condições de saúde associadas”, diz Maegan Boutot, primeira autora do estudo e pesquisadora da Universidade de Massachusetts em Amherst. (Leia Três perguntas para) Embora menos prejudicial do que a menopausa que ocorre antes dos 30 anos, a que surge entre os 40 e os 45 anos tem consequências como aumento do risco cardiovascular e de osteoporose, entre outros. Sem contar, claro, com a infertilidade.

A empresária Eliane Januzze, de 41, postergou a gestação devido à dificuldade em conciliar o trabalho com o MBA. Aos 37, foi surpreendida com alterações no fluxo menstrual e ondas de calor. “Depois de um ano, meu médico admitiu que eu estava na perimenopausa. Mas, como esses sintomas podem aparecer até 10 anos antes da menopausa, não fiquei muito preocupada. Ele me passou anticoncepcional, mas as pílulas me deixaram deprimida e com muita insônia”, relata. Em janeiro passado, Eliane completou um ano sem menstruar. Ou seja, encerrou, definitivamente, o período fértil. “Eu pensava em ter um filho depois dos 40, mas isso não vai acontecer, pelo menos não biologicamente. O que mais me incomoda é ser uma mulher jovem, mas com sintomas que atrapalham muito a qualidade de vida. Estou sempre cansada e tenho muita dor de cabeça”, diz a empresária.

Influência dos hábitos


A nutricionista e professora da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de Brasília (UnB) Livia Penna destaca a importância do artigo de Maegan Boutot e Elizabeth Bertone-Johnson, principalmente por elas terem acompanhado, por muito tempo, um número expressivo de mulheres. “Trabalhos com animais já tinham feito a associação da proteína vegetal com o tempo de funcionamento dos ovários, mas esse é o primeiro que vejo com humanos”, diz a professora e autora do livro Maturescência, poder e cura da mulher na menopausa. “Esse estudo traz mais luz ao conhecimento sobre o que leva à menopausa precoce, um problema que não tem a ver com hereditariedade nem com a idade em que a mulher menstruou pela primeira vez. É um conhecimento que vou levar para meus cursos, porque pode ajudar muitas mulheres com 40 anos que queriam ter filhos, mas já estão entrando na menopausa”, conta Livia Penna, que ministra, periodicamente, o workshop Menopausa com saúde.

Também nutricionista, Daniel Novais, membro do Conselho Regional de Nutricionistas da 1ª Região (DF), diz que essa é mais uma evidência da associação entre o estilo de vida e a menopausa. Ele lembra que, além do fator protetivo sugerido pelo estudo norte-americano, já se sabe que o que se come influencia nos sintomas que tanto incomodam as mulheres. “O ganho de massa magra é importante para o controle hormonal e o controle dos sintomas da menopausa. Para ter massa magra é preciso fazer exercícios e consumir proteínas”, diz. Para Novais, as de origem animal são tão válidas quanto as vegetais. “É importante lembrar que a gordura visceral, essa que se concentra no abdômen, precisa ser reduzida porque ela baixa a produção dos hormônios femininos”, ensina.

Três perguntas para...

Maegan Boutot

Principal autora do estudo e pesquisadora da Universidade de Massachusetts em Amherst, quando a pesquisa foi realizada

Há alguma explicação para a associação entre consumo de proteína vegetal e menor incidência de menopausa precoce?
Há apenas explicações hipotéticas para essa associação. No nosso artigo, propomos que dietas aterogênicas, ou aquelas que podem levar ao endurecimento e ao bloqueio das artérias, afetam negativamente o sistema reprodutivo ao diminuir o fluxo sanguíneo para dentro das artérias ovarianas. Mulheres que comem mais proteínas vegetais podem ficar protegidas ou, ao menos, menos propensas a experienciar esses efeitos cardiovasculares negativos no sistema reprodutivo, já que fontes de proteína vegetal contêm propriedades antiaterogênicas. A proteína vegetal também é menos aterogênica que a animal, em modelos animais. Contudo, não temos evidência suficiente para dizer que esse é o mecanismo causal por trás da nossa associação.

Como a sociedade ocidental consome grandes quantidades de carne, podemos esperar um aumento no número de mulheres que passarão pela menopausa precoce?

Eu não diria que devemos esperar um aumento. Nós descobrimos que não há associação entre consumo de proteína animal e menopausa precoce. Hipoteticamente, como as fontes de proteína vegetarianas e veganas estão se tornando mais populares, ao menos nos Estados Unidos, nós podemos ver um decréscimo na incidência da menopausa precoce, mas não posso afirmar com certeza.

As isoflavonas da soja podem contribuir para a incidência menor de menopausa precoce em mulheres que consomem mais proteínas vegetais?

Elas podem desempenhar um papel, mas é difícil dizer. As mulheres no nosso estudo não tendiam a consumir muita soja. A maior parte da proteína vegetal vinha de massas, pão preto e cereal matinal. Em modelos estatísticos que investigam a relação da soja com a menopausa precoce, nossos resultados foram insignificantes. Isso pode ser porque o consumo de soja na nossa população era muito baixo para se detectar uma relação, ou pode significar que não há uma relação. São necessários mais estudos. Já se sugeriu que as isoflavonas da soja protegem a função ovariana ao reduzir a inflamação e o estresse oxidativo, mas é difícil dizer qual seria essa causa dentro da nossa população estudada, já que consumiam pouca soja.

VÍDEOS RECOMENDADOS