Coca e Pepsi lutam contra a obesidade, mas com segundas intenções

Ong 'Save The Children' recebeu U$ 5 milhões das gigantes dos refrigerantes

por AFP - Agence France-Presse 19/10/2016 12:48

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Reprodução Internet
Os dois gigantes da bebida fizeram de 2011 a 2015 generosas doações a 96 associações americanas que lutam contra epidemias de saúde pública como obesidade, diabetes e doenças cardiovasculares (foto: Reprodução Internet)
Coca-Cola e Pepsico financiam com milhões de dólares influentes ONGs e entidades de saúde pública que lutam contra a obesidade para melhorar sua imagem e transformá-la em aliadas contra os impostos sobre as bebidas açucaradas, afirmam os acadêmicos americanos.



Os dois gigantes da bebida fizeram de 2011 a 2015 generosas doações a 96 associações americanas que lutam contra epidemias de saúde pública como obesidade, diabetes e doenças cardiovasculares, adiantou o estudo realizado por Daniel Aaron e Michael Siegel, da Universidade de Boston.



A maioria dos recursos foram para organizações não governamentais, mas também para entidades vinculadas ao governo federal, assim como para o Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos (CDC).



As doações se tornaram maiores nos últimos anos, com intensas campanhas de sensibilização contra os riscos representados pelas obesidade e pela necessidade de reduzir o consumo de refrigerantes, considerados pelos cientistas um fator favorável à obesidade e ao diabetes.



A Coca-Cola revelou recentemente ter destinado desde 2010 mais de 120 milhões de dólares ao financiamento de estudos científicos e a associações de luta contra a obesidade.



De acordo com o Center for Responsive Politics, uma organização independente, PepsiCo destina desde 2011 uma média de 3 milhões de dólares para lobbying. 



Desviar a atenção

Esse lobbying faz parte de uma estratégia de mercado dirigida a melhorar sua imagem com o público, afirmaram os dois acadêmicos.



"É para dizer 'vejam, nós publicamos os problemas de saúde pública' e ao mesmo tempo desviam a atenção do fato de que seus produtos contribuem para a epidemia da obesidade", disse Michael Siegel.



Cerca de 35% dos adultos americanos são obesos e 69% tem sobrepeso, segundo números oficiais de 2012. Os gastos de saúde ligados à obesidade correspondem a um quinto das despesas totais de saúde dos Estados Unidos, de acordo com as mesma fontes.



"Ao dizer 'nós somos sócios de muitas organizações de saúde pública' a indústria de refrigerantes dá a impressão de que também é parte da solução", acrescentou Michael Siegel.

Para o nutricionista Keith-Thomas Ayoob, "não importa tanto a origem dos fundos", mas, sim, sua utilização.



"O que me interessa saber é se essas doações beneficiaram os consumidores, se os ajudam a administrar melhor a diabetes", disse.



Aaron e Siegel observaram que o lobbying intenso da Coca-Cola e da PepsiCo para eliminar toda a legislação contra as bebidas açucaradas põe as ONGs financiadas em uma posição de conflito de interesses.



É o caso de Save The Children, para a qual a Coca-Cola e a PepsiCo doaram cinco milhões de dólares em 2009. Um ano mais tarde, essa ONG abandonou seu pedido para a criação de um imposto às bebidas açucaradas, aconselhado pela Organização Mundial de Saúde para lutar contra a obesidade e a diabetes. Contactada pela reportagem, a organização afirmou que tem se dedicado à educação das crianças e não quis informar se recebe dinheiro dos produtores de bebidas. 



A Academia de Nutrição e Dietética (AND) e a associação NAACP, que defende os direitos dos negros, se opuseram em 2012 a um projeto do ex-prefeito de Nova York, Michael Bloomberg, de reduzir o tamanho das latas das bebidas, depois de ter recebido fundos da Coca e da PepsiCo.



A AND, que rompeu seus vínculos com as duas companhias, declarou ter aceitado dinheiro "para chegar a um público amplo com mensagens para uma alimentação saudável".


A NAACP não respondeu às perguntas da reportagem.

Rhona Applebaum, encarregada de saúde da Coca, teve que se demitir no final de 2015 depois das revelações de que a empresa influenciava mensagens da ONG da luta contra a obesidade Global Energy Balance Network, da qual a Coca-Cola era um generoso doador. 



"Sim, nós podemos divergir (...) sobre os impostos e políticas regressivas e discriminatórias contra nossos produtos, mas nossas ações nas comunidades (...) contribuem para responder ao complexo desafio que é a obesidade", defendeu ABA, o grupo de lobbying da indústria das bebidas e do qual a Coca-Cola e a PepsiCo são membros.



Contatada, a Coca-Cola repassou a demanda para a ABA, enquanto a PepsiCo preferiu não se manifestar.

A ABA prometeu gastar milhões de dólares em campanhas publicitárias em San Francisco e Oakland, especialmente, onde os moradores deverão se pronunciar nas eleições de novembro a respeito do imposto sobre bebidas.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SAÚDE PLENA