Editora lança livros dedicados a estudos de gênero e diversidade sexual

Coleção Argos, da Autêntica, chega com três títulos: Argonautas, Foucault e a teoria queer e Flor de açafrão

22/09/2017 15:07

 

Adnan Abidi/Reuters - 30/11/14
Participante da Parada Queer de Nova Délhi segura cartaz com o arco-íris, símbolo da diversidade sexual (foto: Adnan Abidi/Reuters - 30/11/14)

Gênero e sexualidade são temas que estão na moda. Estão presentes nos debates da novela exibida no horário nobre, nas páginas dos principais jornais, não tem mais como escapar. Essa visibilidade recente assume várias formas e sentidos, muitos debates são qualificados e auxiliam a desconstruir os padrões que produzem as desigualdades existentes em nossa sociedade. Mas nem sempre é assim, por todo o país fervilham movimentações para amordaçar profissionais da educação. Sob a figura da criança em perigo, pais enviam cartas agressivas a colégios demandando que professores não ensinem sobre gênero e sexualidade nas escolas. É mais uma rodada de pânico moral, que de tempos em tempos retorna utilizando as mesmas figuras da criança em perigo e da sexualidade ameaçadora. É nesse caldo efervescente de debate na academia, na mídia e até em nossos parlamentos que a Editora Autêntica cria a coleção Argos, dedicada à publicação de livros sobre estudos de gênero e teoria queer e que inicia com três títulos: Argonautas, de Maggie Nelson, Foucault e a teoria queer, de Tamsin Spargo, e Flor de açafrão: takes, cuts, close-ups, de nossa Guacira Lopes Louro.

Queer é simultaneamente um insulto, um grito de guerra, um elo de solidariedade, um campo de estudo e um ethos. É uma palavra inglesa de difícil tradução, que pode ser traduzida como estranho ou anormal,. Além disso, é utilizada principalmente como um insulto direcionado para lésbicas, gays, bissexuais, travestis, transexuais e qualquer outra pessoa que não aparente ser “normal” nos padrões hegemônicos de gênero e sexualidade. Esse insulto foi apropriado por grupos de ativistas que passaram a utilizá-lo de maneira positiva, conferindo um caráter político, como algo que cria um elo entre diversos sujeitos marginalizados. O termo também passou a ser apropriado por pesquisadoras e pesquisadores que buscavam construir uma maneira distinta de pensar sobre nossos corpos, nossos gêneros e nossas sexualidades, construindo saberes a partir da margem, que recusam a divisão binária entre homem e mulher, hétero e homo, academia e ativismo.

Estranhando o queer, estranhando Foucault


Não é mesmo fácil entender o que é o queer, pois este resiste a classificações e definições fixas. O livro da escritora inglesa Tamsin Spargo é provavelmente um dos melhores pontos de partida para os estudos queer em língua portuguesa. O primeiro dos três ensaios que compõem a obra oferece uma introdução compreensível, bem como uma reflexão densa sobre a influência de Michel Foucault (1926-1984), filósofo francês e uma das principais influências teóricas para as teorias queer. Esse texto já circulava em português como um livro independente publicado em 2006 pela Editora UFJF, versão que hoje já não se encontra facilmente. Além de trazer esse rico ensaio novamente à circulação, o diferencial desta versão da Autêntica são os dois textos que se seguem: Ágape e êxtase, de autoria de Tamsin Spargo, e um pósfacio escrito pelo professor brasileiro Richard Miskolci.

O segundo ensaio de Spargo contribui para pensarmos sobre a vida das pessoas que ousam conjugar uma vida religiosa com experiências dissidentes de gênero e sexualidade. A professora percebe que há uma permanência da influência da religiosidade em nossas sociedades, mesmo quando grande parte dos teóricos sociais do século 20 anunciaram o declínio da influência das metanarrativas e previram uma secularização que nunca ocorreu em nossas sociedades. A maioria dos acadêmicos não está lidando de forma adequada com essa influência da religiosidade no mundo e na vida das pessoas, mas acredita que é possível avançar nesse projeto unindo contribuições da teoria queer com algumas pitadas de correntes teológicas pós-seculares.

Já Richard Miskolci, professor de sociologia da Universidade Federal de São Carlos (Ufscar) e um dos precursores da teoria queer no Brasil, em sua contribuição faz um retorno ao livro de Foucault que mais marcou os estudos queer, o primeiro volume da História da sexualidade (HSI). Richard nos brinda com uma sucinta apresentação do contexto histórico, das lutas sociais e da produção acadêmica sobre sexualidade que circundava Foucault na época da escrita e publicação de HSI. Como grande conhecedor da produção acadêmica sobre sexualidade, Richard é capaz de comparar a obra foucaultiana a de seus contemporâneos, demonstrando o que diferencia HSI de outros trabalhos, o que explicaria parte da sua forte influência até os dias atuais, 40 anos após a publicação.

Estranhando o afeto, o parentesco e a maternidade

O livro Argonautas, de Maggie Nelson, vem causando um burburinho desde que foi publicado em 2015 e já ganhou alguns prêmios, como o National Book Critics Circle Award. Minha primeira impressão do livro não foi das melhores. Ao pegar qualquer livro, um dos meus primeiros impulsos é ir ao sumário e passar rapidamente o olho na forma como o texto está organizado e nos títulos de cada parte. Qual não foi minha surpresa ao perceber que Argonautas não tem sumário. Tenho que confessar, sou um daqueles acadêmicos chatos que gostam de textos bem-organizados, com divisões claras entre os assuntos e identificação compreensiva do que encontrarei em cada parte. Respirei fundo e fui direto ao primeiro parágrafo, uma descrição de uma cena de sexo anal que parece tirada da literatura punk. “Deve ser um daqueles livros pretensiosos, que querem parecer ousados e profundos por esfregar sexo explícito na nossa cara, mas que não passam de clichês”, pensei.

A impressão ruim não persistiu por muitas páginas. O texto se desenrola de uma forma muito livre e rápida. Maggie Nelson se recusa a estabelecer uma fronteira clara entre o texto literário, o relato autobiográfico e a teoria, de maneira a honrar a tradição já consolidada no feminismo por Audre Lorde, Gloria Anzaldúa e Paul Preciado, o último com o qual Nelson dialoga diretamente em algumas passagens.

Sem pretensões de criar uma suposta unidade no texto ou de anunciar uma grande teoria que revolucionará os estudos de gênero e queer – coisas que a própria autora explicitamente diz não desejar –, arrisco dizer que os temas do afeto e do cuidado costuram o livro, com o parentesco e a maternidade sendo o contexto no qual esses temas emergem. É um testemunho de sua vida em comum com seu parceiro, Harry Dodge, uma pessoa transmasculina que não se encaixa muito bem no binarismo que separa estritamente homem ou mulher, das transformações que passaram juntos: ele transicionando seu gênero com o uso da testosterona, ela com a tentativa de se engravidar de Iggy. Nelson vai narrando os seus dias, as mudanças em seu corpo e no de Harry e diversas situações cotidianas. À medida que alguns temas emergem, convoca para auxiliar na reflexão alguns textos acadêmicos de Foucault, Julia Kristeva, Winnicott, Judith Butler, Eve Sedgwick, Zizek e outras. A forma como se engaja com esses textos é bastante livre, o que não a impede de ir ao coração da argumentação filosófica e desenvolver fortes críticas. “Mas por que dizer ‘foda-se’ para essa Criança quando deveríamos dizê-lo para as forças específicas que impulsionam sua imagem, rastejando atrás dela? O futurismo reprodutor não precisa de mais discípulos. Mas se entregar ao apelo punk do No future também não basta”, afirma Maggie Nelson ao criticar o polêmico livro No future, de Lee Edelman.

É um livro versátil e que serve a distintos públicos, de quem busca um relato autobiográfico gostoso de se ler a quem busca uma reflexão acadêmica. A escrita de Nelson permite essas diferentes formas de engajamento facilmente.

Estranhando o destino e a agência


O terceiro livro da coleção Argos é de autoria de Guacira Lopes Louro e não poderia ser de outra forma. Guacira é uma velha conhecida, uma das pioneiras nos estudos queer no Brasil, tendo publicado fartamente sobre o assunto desde a década de 1990. É uma espécie de professora de uma geração. Foi por meio de seus escritos que grande parte das pessoas que hoje se inspiram no queer tiveram seus primeiros contatos e puderam navegar em busca de outras referências. Mesmo hoje, com a expansão e diversificação do campo de estudos queer no Brasil, Guacira ainda é uma presença forte.

Flor de açafrão é uma coletânea de nove ensaios curtos sobre filmes e literatura, alguns já publicados anteriormente e outros que derivam de falas e palestras. Para quem está acostumado com a escrita de Guacira, os ensaios mantêm a leveza do seu estilo tradicional, mas pode se assustar com a pouca presença explícita de referenciais teóricos, como Judith Butler e Foucault, onipresentes nos outros textos da autora. Aqui, essas referências aparecem em pequenas pitadas para auxiliar o processo de tecer os fios deixados pelas obras analisadas. Os ensaios são independentes e não existe sequência de leitura obrigatória, liberando o leitor para construir sua trajetória a partir de seus próprios interesses.

A opção por avaliar produtos culturais não faz deste livro menos importante ou mero diletantismo. Mesmo obras ficcionais são produtos de nossa sociedade, carregam as marcas das relações de poder e das desigualdades que estruturam a nossa vida e, desta maneira, dizem algo sobre nós. Os fios que Guacira puxa para analisar são vários, as expressões da masculinidade nos filmes de caubói, a construção da feminilidade numa personagem travesti, as famílias com pais homossexuais e transexuais, entre outros. Todavia, acredito que o fio comum que atravessa a forma como a autora lê as distintas obras é uma preocupação com o destino e com a agência: estaríamos condenados a viver uma vida na qual não há escapatória além de realizar um destino imposto pela sociedade ou haveria possibilidades, mesmo que pequenas, de agência e fuga? Os ensaios são uma celebração, nada ingênua, das microrresistências, dos deslizes do esperado que ocorrem em um instante fugaz e que podem alterar uma vida, como “um fósforo queimando dentro de uma flor de açafrão”.

Assim como o livro de Maggie Nelson, Flor de açafrão é uma obra versátil que pode interessar a diversos públicos, dentro e fora da academia. A simplicidade da escrita de Guacira, conjugada com a complexidade dos debates realizados, pode servir até para desmistificar alguns mitos sobre os estudos de gênero e queer no Brasil. Não se trata de uma agenda de destruição da família, de conversão de pessoas em travestis ou homossexuais, como é propagado pelo espantalho criado pelos fundamentalistas sob o nome de “ideologia de gênero”. Trata-se muito antes de um debate fundamental sobre a ampliação de possibilidades de habitar esse mundo para criar algo menos violento; o que é denunciado são os fechamentos, os destinos únicos e imutáveis, esses realmente não interessam ao queer.

* Thiago Coacci é advogado, doutorando em ciências políticas pela UFMG e dedica seus estudos aos movimentos sociais, políticas públicas e direitos das pessoas LGBT.



ARGONAUTAS
De Maggie Nelson
Autêntica
160 páginas
R$ 44,90



FOUCAULT E 
A TEORIA QUEER

De Tamsin Spargo
Autêntica
96 páginas

R$ 39,80



FLOR DE AÇAFRÃO: 
TAKES, CUTS, CLOSE-UPS

De Guacira Lopes Louro
Autêntica
128 páginas
39,80

['__class__', '__cmp__', '__contains__', '__delattr__', '__delitem__', '__dict__', '__doc__', '__eq__', '__format__', '__ge__', '__getattribute__', '__getitem__', '__gt__', '__hash__', '__init__', '__iter__', '__le__', '__len__', '__lt__', '__module__', '__ne__', '__new__', '__reduce__', '__reduce_ex__', '__repr__', '__setattr__', '__setitem__', '__sizeof__', '__str__', '__subclasshook__', '__weakref__', 'clear', 'copy', 'fromkeys', 'get', 'has_key', 'items', 'iteritems', 'iterkeys', 'itervalues', 'keys', 'pop', 'popitem', 'request', 'setdefault', 'update', 'values', 'viewitems', 'viewkeys', 'viewvalues']