Novelas tentam representar a cultura culinária do cotidiano dos brasileiros

Em Amor à Vida, o personagem Félix caiu em desgraça e foi vender cachorro-quente nas ruas

por Patrícia Crespo 05/01/2014 09:49

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Leandro Couri/EM/D.A Press
(foto: Leandro Couri/EM/D.A Press)
Reza a lenda, que o sanduíche foi “inventado” no século 18 por John Montagu, jogador de cartas inveterado, que para não perder tempo com o roncar do estômago, pediu a um criado que lhe trouxesse um pedaço de carne acomodado entre duas fatias de pão (para não engordurar as mãos). Como ele era o quarto conde de Sandwich, o título nomeou o petisco.

Se foi um inglês o criador do prático alimento, foi um alemão quem inventou o cachorro-quente, sanduíche que, em popularidade, talvez só perca para o hambúrguer. Difícil é saber qual alemão, já que há pelo menos três versões dessa história. Todas, porém, garantem que cachorro-quente designava, a princípio, a salsicha tipo frankfurt usada no petisco.

Há quem diga que foi um açougueiro de Frankfurt, na Alemanha, quem apelidou as tais salsichas inspirado em seu cachorro bassê. Outros afirmam que foi o imigrante alemão Charles Feltman, que em 1880 vendia comida quente nas ruas de Nova York. Para oferecer um produto diferenciado, ele teve a brilhante idéia de pôr, entre duas fatias de pão, salsicha mostarda e chucrute. Já a terceira versão atribui a criação do sanduíche à dupla formada pelo alemão Anton Feuchtwanger, vendedor ambulante de salsichas, e seu cunhado padeiro, em Saint Louis, localizada no estado americano do Missouri, no início do século 20.

Se uma dessas histórias é verdadeira ou se todas pertencem à categoria das lendas, não importa: seja quem for o responsável pela descoberta, certamente era um gênio. Prático, fácil de comer, até mesmo andando, o hot-dog tornou-se um símbolo da cultura americana. Ganhou os cinco continentes – e as novelas: pois não é que o personagem Félix, do folhetim 'Amor à vida', quando caiu em desgraça ganhou uns bons trocados vendendo o popular sanduíche, anunciado nas ruas com trejeitos exagerados, para chamar a atenção da clientela.

À medida que foi se espalhando pelo mundo afora, o cachorro-quente se adaptou às preferências e à cultura de cada lugar. No Brasil, a receita clássica inclui um bem temperado molho de tomate caseiro para molhar o pão. No entanto, como a maioria dos brasileiros hoje come na rua de segunda a sexta-feira, na hora de incrementar o sanduíche o que vale é a praticidade: ketchup, maionese, batata-palha, milho, requeijão cremoso, queijo e até ervilha entram na mistura.

Hot dogs com toques gourmets já fazem parte de cardápis de boas casas de sanduíches. Ao velho pão com salsicha, podemos encontrar por aí sugestões inovadoras e criativas como a que proponho hoje para nossos leitores.

Leandro Couri/EM/D.A Press
(foto: Leandro Couri/EM/D.A Press)
RECEITA:

Hot dog goumet

Ingredientes:

4 pães para cachorro quente, 4 salsicha tipo frankfurter Berna, cebola roxa, 100g geléia de tomates com pimenta, 100g de molho pesto

Modo de fazer:

Em uma frigideira grelhe as salsichas com as cebolas, virando-as seguidamente até ficarem douradas e com aparência de fritas.

Abra o pão no sentido do comprimento e deposite dentro a salsicha e as cebolas. Distribua em cima os molhos nas quantidades desejadas.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE GASTRONOMIA