Bacalhau reina absoluto no cardápio da Semana Santa

por Eduardo Tristão Girão 02/04/2010 07:00
Pedro Motta/Esp. EM/D.A Press
Chef Clécio Campos, do Atlantico, prepara o risoto de bacalhau e o bacalhau à portuguesa (foto: Pedro Motta/Esp. EM/D.A Press)
Todo mundo sabe que é possível comer bacalhau o ano todo, a qualquer hora, em bares ou restaurantes de Belo Horizonte. Porém, é nesta época – quaresma e semana santa – que pipocam aqui e ali receitas extras, ou seja, criações que estão fora do cardápio e foram desenvolvidas especialmente para atender ao apetite sazonal da freguesia pelo nobre peixe que vem dos mares nórdicos. Para se ter uma ideia, agora até menu degustação de pratos com bacalhau existe, além de pedidas que mesclam ingredientes do dia a dia, como chuchu, e combinações incomuns com queijo e cogumelos. Mas se você é dono de paladar mais tradicional, não se preocupe, pois o que não falta por aí são os bons e velhos clássicos portugueses. Este é o terceiro ano em que o chef Ivo Faria promove temporada de bacalhau no Restaurante Vecchio Sogno. A seleção de três entradas e sete pratos principais que têm o peixe como ingrediente principal, apesar de inédita, não é totalmente novidade. O que chama a atenção este ano é o menu degustação que desenvolveu em torno do ingrediente. “Esse é o produto que mais se destaca nessa época, já é tradição. Quis agradar àqueles que gostam mesmo de bacalhau, para comê-lo do início ao fim da refeição”, diz o chef. Só não está na sobremesa, é claro. Confira as opções de restaurantes para ir na Semana Santa Ele começa com casquinha de bacalhau com cogumelo shiitake e basílico gratinada com molho à la creme (redução de queijo e creme de leite) e continua com cartucho de bacalhau (espécie de massa de rolinho primavera) servido com polenta, molho feito com a pele e as espinhas do peixe e chuchu crocante. O prato principal é o bacalhau do Manoel, criado com a ajuda do cozinheiro Zezinho: posta empanada com farinha japonesa panko, frita em azeite e servida com batata rösti recheada com alho-poró refogado e molho de alcaparras. Para encerrar trilogia de doces de inspiração lusitana. O preço, por pessoa, é de R$ 112 (não inclui bebidas). “Pode parecer que não, mas a quaresma é uma época complicada. A venda acaba sendo menor, pois há clientes que param de beber, de comer sobremesa e de comer carne. A gente tem de fazer algo diferente”, conta Ivo. É por isso que não descuidou dos pratos da temporada especial, entre os quais se destacam a posta de bacalhau grelhada sobre purê de quinoa e tempura de aspargos (R$ 84, individual), o bacalhau com batata salteada, brócolis, molho de feijão branco, alho frito e mini folhas (R$ 84, individual) e o nhoque de salsa (cuja massa é, na verdade, de profiterole) ao molho de bacalhau, camarão, tomate, azeitona e basílico (R$ 65, individual). “Fica levinho”, garante. CONFIRA RECEITAS Salada de tortelini com bacalhau Bacalhau do Eça Bacalhau à moda Salmão ao pesto Você conhece o verdadeiro sentido da abstinência à carne?

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE GASTRONOMIA