Jantar com sabor de ano-novo

Restaurantes da cidade preparam cardápios diferenciados para servir na passagem de 2008 para 2009

26/12/2008 07:00
Fotos: Pedro Motta/Esp. EM/d. a press
Misto de frutos do mar assado e risoto de açafrão do Restaurante Aurora (foto: Fotos: Pedro Motta/Esp. EM/d. a press)
Nada de fogos, música alta ou multidões. Alguns belo-horizontinos que vão passar o réveillon na cidade celebram a chegada de 2009 no conforto de um restaurante, degustando pratos da alta cozinha e tomando vinhos selecionados, ao som suave de um trio de jazz e bossa nova. Chefs deixarão de executar o cardápio do dia-a-dia para apresentar à freguesia seleção de receitas elaboradas especialmente para a ocasião. É um verdadeiro festival de ingredientes finos, como foie gras, trufas, açafrão e caviar. Vários restaurantes se prepararam para a data e alguns já estão com mais da metade das mesas reservadas.

“Desde o primeiro ano do restaurante, fazemos o jantar de réveillon. É uma tradição. Temos clientes que passam a virada conosco há oito, nove anos. É sagrado”, diz o chef Ivo Faria, proprietário do Vecchio Sogno. Segundo ele, ao contrário dos anos anteriores, quando a maioria das reservas era feita de última hora, este ano a procura começou com até três meses de antecedência. “É um público que vem com amigos, para uma descontração gostosa. Querem jantar num lugar agradável e com bom cardápio, mas sem bagunça”, afirma.

Pouco antes da meia-noite, conta Ivo, todos os fregueses ficam de pé para ouvir o Hino Nacional. Na hora da virada, há brinde e confraternização geral. “Aí, cada um continua o seu jantar”, explica. Ele diz “continua” porque o jantar – um menu degustação, na verdade – é extenso, com cerca de 10 etapas. Começa com couvert da casa e prossegue com duas entradas. A primeira, Ivo aprendeu com Patrick Gauthier, chef do parisiense La Madeleine, que esteve no Festival de Gastronomia de Tiradentes este ano: carpaccio de lagostim com creme de caviar e molho de lima. “Vou incluir essa entrada no cardápio da casa”, revela.

A segunda entrada e o primeiro prato também privilegiam frutos do mar: atum malpassado ao molho de abacaxi com sagu de beterraba e purê de batata ao wasabi; e massa em forma de borboleta recheada com palmito pupunha e burrata (queijo cremoso de búfala) ao molho de camarão com tomate fresco. “O molho de abacaxi tem gengibre e toque leve de curry verde e hortelã. Fica picante e refrescante. Já a massa, é bem mediterrânea”, explica o chef. Em seguida, sorbet de maçã verde com calvados (destilado de maçã), para “limpar” o paladar.

A parte final do menu conta com codorna recheada com legumes e carne da coxa da ave, trufada, sobre risoto de castanha portuguesa ao vinho do porto; e lombo de cordeiro em crosta de foie gras ao molho rôti com caponata de vegetais, frutas secas e pinoli. “Certo dia, precisei aproveitar umas pontas de foie gras e testei nessa crosta. Ficou maravilhosa. Acrescentei ervas e mostarda de cremona”, revela. Para sobremesa, dolce sogno: cilindro de chocolate com creme de queijo, servido com massa de farinha de amêndoa, cereja fresca e calda de amarena.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE GASTRONOMIA