Bar Amici dá lugar para Osteria Degli Angeli

Restaurante aposta nas massas italianas

04/07/2008 04:00
Pedro David/Esp.EM/D. A Press
Ravióli de lagostinha, prato do restaurante do Anchieta (foto: Pedro David/Esp.EM/D. A Press)
Espécie de “esquina dos aflitos”, o cruzamento das ruas Francisco Deslandes e Vitório Marçola, no Anchieta, tem sido cenário de verdadeira ciranda de bares e restaurantes. Casas são abertas no entorno, funcionam por determinado tempo, fecham inesperadamente e são reabertas pelos mesmos donos, mas com proposta diferente. O primeiro caso foi o do Bar Geral, com temática esportiva, inaugurado oportunamente em fevereiro de 2006, para a Copa do Mundo da Alemanha, e reinaugurado um ano depois como pizzaria, chamada Vinicius e com ambiente que remete à bossa nova. Também foi assim com o Rancho da Traíra (ex-Espetinhos Mimi) e com o Chalé Itália (ex-Pizzaria Zona Sul). Agora é a vez da Osteria Degli Angeli, ex-Bar Amici.

Os proprietários são os mesmos, o italiano Nicola Raimondi e sua mulher, Dulcinéa de Oliveira. Saem os petiscos e cervejas, entram as massas e os vinhos. Do antigo cardápio do bar, que funcionou de setembro passado até o final de maio, ficaram apenas dois petiscos. A decoração permaneceu inalterada (tijolos, ladrilho hidráulico e peças do artesanato mineiro), com a diferença de que agora a ambientação é complementada com luz de velas. As mesas de dentro, de madeira e em estilo rústico, ganharam faixas de tecido verde e vermelho; as de fora têm toalhas xadrez com as cores da bandeira da Itália. A entrada da casa agora conta com dois sofás e mesa baixa, espécie de sala de estar (ou de espera).

“Aqui na região há muitos botecos. Toda esquina te oferece uma pizza ou uma picanha. Massa, por aqui, acho que só existe o Un’altra Volta”, afirma Nicola, que nasceu em Milão, morou por 18 anos em São Paulo e, antes de se dedicar à área gastronômica, trabalhava no ramo de moda e tecidos. A propósito, o concorrente Un’altra Volta é, curiosamente, a reencarnação de outra casa, o Divina Massa. “Não sei o que deu errado com o bar, talvez o visual, mais sofisticado. Talvez as pessoas prefiram bares mais largados. Não conhecia o público daqui. É bem diferente do de São Paulo”, afirma.

Rodízio

O cardápio foi elaborado por ele e pela mulher. Dulcinéa cuida pessoalmente de várias preparações da casa. A execução dos pratos está a cargo de equipe recém-contratada, totalmente diferente da que trabalhava no bar. As massas se dividem entre industrializadas (espaguete, fetuccine, linguini, penne, rigatoni e fusilli, todas de grano duro) e artesanais, feitas no local com diferentes proporções de ovos, variando em função do tipo (ravióli, rondelli e lasanha). A cozinha produz os próprios nhoques (de batata e semolina), cujo preço varia entre R$ 20 e R$ 24 (individual). Há pães feitos especialmente para a casa.

“Os donos de restaurantes italianos estão loucos. Os preços das massas estão lá em cima. Pagar R$ 45 por por um penne ao pesto é um absurdo”, esbraveja Nicola. No caso das massas de grano duro (individuais), os preços oscilam entre R$ 14 (ao sugo) e R$ 28 (frutos do mar), passando por pesto (R$ 17), quatro queijos (R$ 17), bolonhesa (R$ 16) e funghi secchi (R$ 26). Às terças e quartas, o rodízio de oito massas sai por R$ 18,90 – crianças de até 12 anos pagam metade. Entre as massas recheadas, destaque para os raviólis de lagostim (R$ 29, individual) e de salmão (R$ 27, individual), a lasanha de berinjela com mussarela de búfala e molho à bolonhesa (R$ 24, individual) e para o rondelli de ricota e espinafre (R$ 23, individual).

Há, ainda, risotos, como o de frutos do mar (R$ 32, individual) e o de tinta de lula (R$ 28, individual) e duas pedidas tipicamente italianas: penne ao sugo com almôndegas (R$ 23, individual) e ossobuco com risoto de açafrão (R$ 33, individual). A seção final lista pratos variados, como filé ao molho de champignon com arroz à piemontesa e legumes (R$ 21, individual), salmão com purê de batata e damasco ao molho de mostarda, mel e hortelã (R$ 32, individual) e truta ao molho de alcaparras, champignon e camarões com batatas coradas (R$ 36, individual). O tiramisù, sobremesa quase obrigatória em restaurantes italianos, sai por R$ 11. A carta de vinhos tem cerca de 40 rótulos (entre R$ 24 e R$ 85, garrafa).

OSTERIA DEGLI ANGELI - Avenida Francisco Deslandes, 156, Anchieta, (31) 3281-7965. Aberto de terça a sexta, das 19h à 0h; sábado, das 12h à 0h; domingo, das 12h às 18h.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE GASTRONOMIA