Foliões chamam Bolsonaro de miliciano no bloco Unidos do Barro Preto

Bolsonaro foi alvo de muitos protestos e xingamentos, em meio ao repertório com sucessos de Chico Science, Nação Zumbi, maracatu

por Flávia Ayer 04/03/2019 17:20
Ver galeria . 33 Fotos Unidos do Barro Preto optaram por uma estética
Unidos do Barro Preto optaram por uma estética "pós-apocalíptica", um sinal dos tempos. Há urubus, plantas pantanosas, lixo tecnológico. O grupo evitou utilizar lama, em respeito às vítimas de Brumadinho. Foliões também aproveitaram para criticar o presidente Jair Bolsonaro. (foto: Gladyston Rodrigues/EM/DA Press )


Urubus, material atômico, bichos peçonhentos, plantas pantanosas, lixo eletrônico, carcaças... O que parecia o fim do mundo era o desfile do bloco Unidos do Barro Preto, na Região Centro-Sul de BH, que viveu ontem uma era pós-apocalipse. É verdade que o final dos tempos chegou cheio de alegria, ao som do mangue beat, mas carregado de críticas sociais e políticas. Em seu nono ano, o bloco optou pela primeira vez em não sair com os corpos cobertos de barro, em respeito às vítimas do rompimento da barragem da Vale, em Brumadinho.

No lugar do barro, que é uma referência ao mangue e ao bairro belo-horizontino onde o bloco foi fundado, em 2011, o Unidos do Barro Preto elegeu uma estética "pós-apocalíptica". O caos é a leitura dos foliões para o momento atual. "As pessoas estão sentindo falta do barro, mas ficamos com muito receio do que isso poderia sugerir. Lama, nesse caso, não é fantasia. Estamos falando de pessoas", explica um dos integrantes Celso Biamonti.

Fred Bottrel/EM/D.A Press
Bandeira de Minas Gerais foi dependurada em um dos carros de som com frase que parodia o slogan do governo de Jair Bolsonaro (foto: Fred Bottrel/EM/D.A Press)


Uma bandeira de Minas Gerais foi dependurada em um dos carros de som com frase que parodia o slogan do governo de Jair Bolsonaro (PSL) – Brasil acima de tudo, Deus acima de todos – e ainda exige a responsabilização da mineradora Vale. “Grana acima de tudo, lama acima de todos: Vale assassina”. Bolsonaro foi alvo de muitos protestos e xingamentos, em meio ao repertório com sucessos de Chico Science, Nação Zumbi, maracatu.



Com a bateria toda sentada do asfalto, o grupo puxou a marchinha adaptada: "Doutor, eu não me engano, o Bolsonaro é miliciano", cantaram. O público foi ao delírio. Contra o atual governo, um folião, gay, só pediu à reportagem para que alertasse foliões em BH para mudar o xingamento, em respeito à população LGBT. '”Vai tomar no c*' não é xingamento”, alertou.

['__class__', '__cmp__', '__contains__', '__delattr__', '__delitem__', '__dict__', '__doc__', '__eq__', '__format__', '__ge__', '__getattribute__', '__getitem__', '__gt__', '__hash__', '__init__', '__iter__', '__le__', '__len__', '__lt__', '__module__', '__ne__', '__new__', '__reduce__', '__reduce_ex__', '__repr__', '__setattr__', '__setitem__', '__sizeof__', '__str__', '__subclasshook__', '__weakref__', 'clear', 'copy', 'fromkeys', 'get', 'has_key', 'items', 'iteritems', 'iterkeys', 'itervalues', 'keys', 'pop', 'popitem', 'request', 'setdefault', 'update', 'values', 'viewitems', 'viewkeys', 'viewvalues']

MAIS SOBRE CARNAVAL