Vídeo mostra que crianças não sabem desenhar alimentos saudáveis

Estudo desenvolvido na Universidade de Nova York mostra que 94,9% das famílias avaliam equivocadamente o status corporal das crianças em idade pré-escolar, entre 2 e 5 anos

12/06/2015 15:48

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.

Reprodução Youtube
Elas conseguem desenhar a comida preferida, mas quando chega a hora dos legumes e das frutas... (foto: Reprodução Youtube )
É fácil criticar. E é bem difícil encarar os próprios problemas. Se, em uma mesma semana, vimos uma enxurrada de julgamentos à merenda saudável da filha de Bela Gil - que muitos consideraram um exagero de zelo, outros até maldade com a criança e alguns ponderaram que não é para qualquer um encher a geladeira de produtos orgânicos (geralmente mais caro que os com agrotóxico) -, quase ninguém sequer notou um estudo publicado no Childhood obesity e também divulgado pelo Saúde Plena que mostrou que os pais subestimam o sobrepeso e a obesidade nos filhos. Para as duas situações, uma única explicação pode ser sugerida: as famílias reconhecerem o problema da alimentação de suas crianças pode significar que elas não cuidam bem delas.

Segundo a Organização Mundial da Saúde, um terço das crianças e dos adolescentes já está obesa. No Brasil, 15% dos indivíduos dos 10 aos 19 anos encontram-se acima do peso e, na faixa de 5 a 9, a gordura corporal em demasia chega a atingir 38,8% da população.

Um vídeo realizado por uma empresa de plano de saúde e divulgado nesta quinta-feira (11/06) quer chamar a atenção para  a epidemia de obesidade infantil. Nas imagens as crianças são convidadas a desenharem o que mais gostam de comer e, na sequência, é pedido a elas que desenhem alguns legumes: beterraba, couve-flor, chuchu, abobrinha, rúcula e inhame. Até os pais e as mães das crianças são surpreendidos pelo resultado. Assista:



Estudo citado no início do texto, desenvolvido pelo Departamento de Saúde Populacional da Universidade de Nova York, constatou que, atualmente, 94,9% das famílias avaliam erroneamente o status corporal das crianças em idade pré-escolar (2 a 5 anos), afirmando que estão no peso normal quando, na verdade, se encaixam nos padrões de sobrepeso/obesidade. Esse percentual é 30% maior que o verificado no período anterior. E esta não a primeira vez que uma pesquisa constata, estatisticamente, que os cuidadores tendem a subestimar o peso das crianças.

 

Leia também: Crianças obesas, quem se importa? 

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SAÚDE PLENA