Especialistas recomendam uso de DIU como método contraceptivo para adolescentes

Academia Americana de Pediatria divulgou um documento no qual recomenda o uso do dispositivo e de implantes hormonais intradérmicos a garotas que já iniciaram a vida sexual como forma mais eficaz de prevenir uma gravidez indesejada

por Carolina Samorano 13/11/2014 09:30

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Conhecido como melhor amigo de mulheres maduras interessadas em controlar a fertilidade, o DIU — dispositivo intrauterino —, a despeito de controvérsias, caminha para estreitar laços também com adolescentes de vida sexual ativa. Em setembro passado, a Academia Americana de Pediatria divulgou um documento no qual recomenda o uso do dispositivo e de implantes hormonais intradérmicos a garotas que já iniciaram a vida sexual como forma mais eficaz de prevenir uma gravidez indesejada. Alguns dias depois, a Universidade de Washington endossou a recomendação, divulgando resultados de uma pesquisa que, por três anos, incentivou 1,4 mil adolescentes a usarem métodos contraceptivos de longo prazo. A ideia central dessa recomendação é que, ao contrário da pílula anticoncepcional combinada, o DIU e o implante não exigem a disciplina de tomar o comprimido no mesmo horário todos os dias.

“Essa recomendação, que é recente, é baseada principalmente no estudo do comportamento das adolescentes. O início da vida sexual delas é cada vez mais precoce e desinformado, pois nem a família nem a escola conversam sobre o assunto. Muitas vezes, elas não sabem que existe um período fértil da mulher”, observa a médica pediatra Mariângela de Medeiros Barbosa, presidente do Departamento de Adolescência da Sociedade Brasileira de Pediatria. Assim, com a mobilização do Ministério da Saúde, que, segundo ela, ainda não preconiza o uso do DIU em mulheres jovens, e com a correta orientação dessas adolescentes, métodos como o DIU e o implante intradérmico (não disponível na rede pública) reduziriam drasticamente os números de gravidez precoce e indesejada.

“Se ficasse comprovado que, a longo prazo, esses métodos não trouxessem nenhum malefício, seria ótimo para essas meninas que vivem com a cabeça no mundo da lua e se esquecem de tomar a pílula ou que não sabem usá-la. Mas é importante salientar que, em todos os casos, o cuidado deve ser duplo: use também a camisinha, para prevenir DSTs”, sublinha Mariângela.

Valdo Virgo/CB/D.A Press
Clique na imagem para ampliá-la e saiba mais (foto: Valdo Virgo/CB/D.A Press)

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SAÚDE PLENA