Exames simples podem identificar câncer no coração com boas chances de cura

Tumores cardíacos são raros e, muitas vezes, assintomáticos

por Carolina Samorano 05/02/2014 15:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Câncer e doenças cardíacas respondem pelas maiores causas de morte no Brasil, mas são males que quase nunca aparecem relacionados. Embora pouco conhecidos, os tumores cardíacos existem e quase sempre passam despercebidos até que o primeiro ecocardiograma de rotina os denuncie. “Cerca de um quinto das pessoas que morrem de câncer já tem algum tipo de comprometimento metastático no coração”, afirma o cardiologista Ricardo Corso, do Hospital do Coração do Brasil em Brasília. Os tumores de coração podem ser primários, quando a origem é no próprio tecido do coração, ou secundários, quando resultam de metástase de algum outro câncer pré-existente — caso mencionado pelo especialista.

“Mas o coração não é o alvo mais frequente de metástases”, complementa Noedir Antônio Groppo Stolf, cirurgião cardiovascular do Hospital Beneficência Portuguesa de São Paulo e professor emérito da Faculdade de Medicina da USP. “Pode acontecer em alguns casos em que a doença está mais avançada ou de alguns cânceres no rim e nos órgãos genitais, em que ele cresce pela veia cava”, continua. Diferentemente de outras cardiopatias, o tumor cardíaco não escolhe suas vítimas de acordo com a idade ou com os hábitos de vida. “Os metastáticos ocorrem mais em idosos. Mas os primários podem acometer qualquer pessoa, especialmente adultos jovens”, constata Stolf.

O que não necessariamente é motivo de pânico: se o tumor for benigno e tiver localização fácil, como acontece na maioria dos casos, uma cirurgia quase sempre é suficiente para corrigir o problema sem deixar sequelas. “O procedimento é curativo na maioria dos casos e uma recidiva não é comum. Se o tumor for maligno e recidir, às vezes, é necessário quimioterapia e radioterapia, mas o resultado não costuma ser bom”, diz o especialista. Os sintomas podem variar de falta de ar e perda da capacidade física até uma embolia ou um derrame, causados por um fragmento do tumor solto na circulação. Mas casos assintomáticos não são raros. O diagnóstico é feito por exames de imagem de rotina, pedidos normalmente em checapes, como o ecocardiograma e a tomografia.

CB/D.A Press
Clique na imagem para ampliá-la e saiba mais (foto: CB/D.A Press)

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SAÚDE PLENA