Bar e restaurante Contos mantém a tradição de reunir amigos

Meio boteco, meio restaurante, Contos matém espaço para quem gosta de contar casos

por Ana Clara Brant 09/12/2016 08:00
FOTOS: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press
Depois de anos à frente do Bar Brasil e da Cervejaria Brasil, Álvaro Fererira Rodrigues atendeu aos pedidos dos clientes e abriu o Contos (foto: FOTOS: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press)

Desde os 17 anos no ramo de bares e restaurantes, Álvaro Rodrigues, de 53, tem muita história para contar sobre esse universo. Ao longo desse tempo, trabalhou ao lado do irmão Tadeu Rodrigues na tradicional Cervejaria Brasil e nos já extintos Bar Brasil e Cabaré Mineiro e ajudou a criar os pratos e petiscos que fizeram fama nesses estabelecimentos.

Durante um período, atuou em assessorias na área gastronômica e, sempre que esbarrava com algum de seus antigos clientes, era “cobrado” para abrir algum negócio. “Todo mundo sempre teve um carinho enorme pela Cervejaria, pelo Bar Brasil. E muita gente sentia falta de ter um local para reencontrar, como era antigamente, rever os velhos amigos. Então, finalmente, decidimos criar o Contos, na Francisco Deslandes, no Anchieta”, relata Álvaro.

O nome do bar e restaurante é uma alusão aos vários “causos” que ouviu e presenciou no decorrer de sua vida nos botecos. A ideia é pegar vários desses contos e imprimi-los em jogos americanos para adornar as mesas do espaço, aberto há pouco menos de um mês. “Sempre gostei muito de histórias e, principalmente, das de botequim, que são bem espirituosas. Escrevi e guardei várias delas. Muitas pessoas me perguntavam se eu não ia ter um bar de novo porque se sentiam órfãs de um ponto de referência de encontros”, comenta.

BOCA A BOCA Assim que a notícia de que estava montando o Contos se espalhou, muitas pessoas começaram a pedir pelos tira-gostos criados por ele e pelo irmão. “Quando fui abrir, o cardápio estava praticamente pronto. O bolinho de arroz com queijo, o de mandioca com carne e o arroz à piamontese foram algumas das sugestões dos clientes, porque eles sempre gostaram dessas comidas. Por isso não podiam faltar. Afinal, o freguês tem sempre razão”, salienta.


A porção de bolinho de mandioca com seis unidades custa R$ 18; a de bolinho de arroz com queijo, com 10 unidades, R$ 16, e a de língua ao vinho, R$ 28,50. Entre os pratos, as opções mantêm a tradição de seus antigos estabelecimentos: a picanha é oferecida em cortes de 250g (R$ 34,50) ou 400g (R$ 56,50), e pode ser acompanhada pelo arroz à piamontese (R$ 22). O proprietário garante que a cerveja é servida sempre gelada. “Sempre foi uma tradição do meu trabalho. Até desenvolvi uma caixa para conservar a temperatura da cerveja”, frisa. O cardápio traz as mais tradicionais – Original (R$ 9,80), Brahma e Skol (R$ 8,80) –, além das especiais, como Estrella Galícia e Paulistânia (R$ 10,80). “O bacana é que, mesmo com pouco tempo de funcionamento, já estamos tendo um movimento bom e tem quem está até reservando para as confraternizações de fim de ano”, avisa.

BAR E RESTAURANTE CONTOS
Avenida Francisco Deslandes, 446, Anchieta, (31) 99956-5715.
Aberto de terça a sexta-feira,
das 16h à 0h; sábado, das 10h às 22h; e domingo, das 10h às 18h.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE GASTRONOMIA