Westvleteren - A melhor cerveja do mundo

As Westvleteren são produzidas na bélgica por monges trapistas. Mosteiro fica em Poperinge, na fronteira com a França

por Rodrigo Gini 31/08/2014 12:28

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Rodrigo Ferraz

Hoje, começo o artigo com a pergunta: qual é a melhor cerveja do mundo? Aposto que pensou em diversos rótulos. Entretanto, na busca pela resposta exata, você certamente esbarrará em um nome: westvleteren. As westvleteren são cervejas belgas, produzidas na Abadia de St. Sixtus de Westvleteren, em Poperinge, no Oeste da Bélgica, quase na fronteira com a França. A cidade possui menos de cinco mil habitantes e apenas cerca de 30 deles foram os responsáveis por dar fama à westvleteren. Estou falando dos monges da Ordem Trapista, os produtores de 492 mil litros dessa cerveja por ano. O curioso é que mesmo existindo 170 mosteiros dessa ordem no mundo, apenas sete têm licença para produzir as cervejas trapistas. Seis deles ficam na Bélgica (Rochefort, Westmalle, Westvleteren, Orval, Achel e Chimay) e um na Holanda (La Trappe). A fama da cerveja é tão grande que a fila para comprar a bebida chega a se estender por cinco quilômetros.

Divulgação
(foto: Divulgação)
Produzidas desde 1838, as Westvleteren contam com três derivações: Westvleteren 12, Westvleteren 8 e Westvleteren Blond. Independentemente da derivação, as garrafas sempre contêm 330ml, são de cor marrom e não tem rótulos. As tampinhas coloridas as diferenciam umas das outras.

A Westvleren 12 é a mais forte entre as três. É uma cerveja de cor marrom-escuro e com espuma de boa formação e persistência. Tanto no aroma quanto no sabor, as frutas secas – como a ameixa e uva-passa –, as frutas amarelas, as vermelhas e o caramelo são perceptíveis. A Westvleren 12 ocupa a primeira e segunda colocações nos renomados sites, Rate Beer e Beer Advocate, respectivamente. Já a Westvleteren 8, também uma cerveja marrom-escuro, é considerada uma bebida perigosa, pois não permite que a pessoa perceba os 8% de álcool em meio ao seu doce caramelo. E, considerada a mais leve delas, a Westvleteren Blond é ligeiramente cítrica, com amargor bem pronunciado e possui cor amarelo claro.

Os amantes de cervejas que ficaram com água na boca só de conhecer um pouco os três tipos da Westvleteren precisam ir com calma. Afinal, as cervejas Westvleteren são comercializadas em baixa escala. Na Bélgica, as Westvleteren são vendidas para pessoas físicas com dia e hora marcados, em uma quantidade máxima de 24 garrafas por pessoa. É preciso fazer a reserva com pelo menos um mês de antecedência, indicando inclusive a placa do carro que irá buscá-las. A comercialização da bebida não tem fins lucrativos, apenas garante o funcionamento do local e a realização de obras de caridade. Reza a lenda de alguns cervejeiros que se a pessoa perdesse a hora para comprar a cerveja tinha o nome incluso na lista negra dos monges e nunca mais poderia adquirir a bebida.

Mas não percam as esperanças. Atualmente, as cervejas Westvleteren também podem ser consumidas no bar-restaurante o In de Vrede, localizado em frente Abadia de St. Sixtus de Westvleteren (Poperinge/Oeste da Bélgica). E apesar de os monges não produzirem a bebida em escala e não distribuírem mundialmente, no Brasil, algumas cervejarias conseguiram unidades limitadas da considerada melhor cerveja do mundo. Elas têm agradado o paladar dos brasileiros privilegiados por conseguir uma garrafa.

Por fim, este artigo não tem o propósito de convencê-lo, leitor, de que a Westvleteren é a melhor cerveja do mundo. Os apreciadores de cerveja têm as suas preferências. No entanto, a magia em torno das Westvleteren – história, tradição e mítica – juntamente à inegável qualidade e as primeiras posições nos melhores sites de avaliação de cervejas, não me permitem negar e validar que elas têm os pré-requisitos para estar entre “as melhores cervejas do mundo.”

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE GASTRONOMIA