Armazém Parmeggiano aposta em receitas à parmegiana, do filé ao avestruz

Restaurante recém inaugurado é comandado pelo chef Ronaldo Rates

por Eduardo Tristão Girão 16/05/2014 06:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
André Hauck/Esp. EM/D.A Press
Chef Alemão mostra uma de suas parmegianas, que podem ser de filé, peixe, frango e até de avestruz (foto: André Hauck/Esp. EM/D.A Press)
Aparentemente, a recente inauguração do Armazém Parmeggiano é um tremendo tiro bem dado, comercialmente falando. O restaurante, comandado pelo chef Ronaldo Rates (conhecido como Alemão) numa rua pacata do Bairro Cruzeiro, é especializado em receitas à parmegiana: do filé mignon ao peixe, passando por lombo de porco, frango, avestruz e berinjela. Entretanto, como toda opção por segmentação, há algum risco envolvido.

Leia mais sobre gastronomia no Blog do Girão


Além de o cardápio estar restrito basicamente aos parmegianas (há alguns petiscos), Alemão segue receita um pouco diferente do habitual. Em vez da “barragem” de purê de batata que represa filé atolado em molho de tomate, ele serve versão mais delicada, com filé empanado em mistura de farinha de rosca e féculas de batata e arroz, dourado na frigideira com pouco óleo e coberto com molho de tomate, presunto cozido e muçarela.

“Há anos o parmegiana me acompanha. Na época em que o Major Lock foi aberto, me chamaram para desenvolver uma receita que não fosse tão molhada e que não viesse com tanto purê. Fez o maior sucesso, foram vendidas 80 unidades só no dia da inauguração”, conta o chef. Muito antes de criar os famosos hambúrgueres do Duke’n’Duke (casa da qual não é mais sócio) e de abrir o Der Famous (especializado em sanduíches de linguiças especiais), ele servia parmegiana no bar que tinha em seu sítio, em Casa Branca.

Na nova casa, os parmegianas podem ser de filé mignon, frango, avestruz, lombo de porco, linguado e berinjela, cada um com preço entre R$ 42 e R$ 72 (para duas pessoas) e servido com um acompanhamento à escolha do freguês, podendo ser arroz, batatas fritas (frescas e não congeladas, feitas como às do Duke), salada e purê de batata ou de moranga. A receita do parmegiano de lombo é a que foge ao padrão, feita com molho de pimenta biquinho e queijo canastra tostado com maçarico.

CHOPEIRAS Para abrir o apetite, há três opções de tira-gosto. A primeira delas é toscamente apelidada de “Mickey Mouse”: uma rodela de provolone na chapa, ornada com duas “orelhas” de abacaxi (R$ 29). As outras pedidas são as porções de de batatas fritas (R$ 17) e de lagarto ao molho de vinho, bacon e ameixa seca (R$ 36), esta última acompanhada por minipães franceses. Para sobremesa, duas versões de rocambole de chocolate recheado com Nutela (com pistache ou sorvete de suspiro de limão; R$ 18, cada).

A carta de bebidas ainda está sendo finalizada (embora já existam algumas opções de cachaças e vinhos), sendo que o forte da casa são as cervejas. Destaque para os chopes da Taberna do Vale, produzidos em Nova Lima e disponíveis nas versões pale ale (R$ 8,40) e dry stout (R$ 9,90), ambas com 300ml. Outros rótulos, mas em garrafa, completam a seção cervejeira, entre eles quatro da cervejaria catarinense Schornstein (500ml; cerca de R$ 23, cada).

A casa, que comporta apenas 25 pessoas, é decorada com peças antigas, remetendo a um armazém: vale a pena olhar de perto as duas velhas chopeiras reabilitadas sobre o balcão de madeira, que em nada lembram as modernas “najas” de inox. Latões de leite, moedores de café e de cana, ferro de brasa e balança completam o clima. Mês que vem, a casa abrirá para almoço.

Armazém Parmeggiano
Rua Senhora das Graças, 16, Cruzeiro. (31) 9943-1414. Aberto de quarta a domingo, das 18h à 0h.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE GASTRONOMIA