Inaugurado recentemente, o Jângal não tem clima de boteco nem de bar sofisticado

Casa no bairro Cruzeiro já abrigou os bares Abarcateiro e O Pulo do Gato. Novo espaço mantém agenda cultural durante a semana

por Eduardo Tristão Girão 22/11/2013 09:10

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
André Hauck/Esp. EM/D. A Press
O Jângal, nova casa do Bairro Cruzeiro, mantém agenda cultural durante a semana (foto: André Hauck/Esp. EM/D. A Press)
Era para ter sido nas Ilhas Fiji, mas o bar acabou aberto em Belo Horizonte. Inaugurado há menos de um mês, o Jângal tem entre seus seis sócios os irmãos André e Marco Sassen Panerai, que moraram em países da Europa e Oceania antes de retornar a capital mineira. Para o imóvel que antes abrigou os bares Abarcateiro e O Pulo do Gato, eles trouxeram referências variadas, resultando em ambiente informal, descolado e diferente do habitual. O cardápio é baseado em petiscos variados e cervejas mineiras.


Com capacidade para 200 pessoas, a casa é decorada com plantas, grafites e material reciclado/reaproveitado, como botinas, garrafas de vidro e paletes. Há um pequeno palco que abriga DJs às quartas, Chico Amaral Quarteto às quintas, bandas de rock ou blues às sextas e sábados e samba aos domingos – cobra-se R$ 10 de entrada (exceto às quartas, quando a entrada é franca).

Para evitar reclamações da vizinhança, foi feito tratamento acústico com manta asfáltica e forro especial no telhado. Além disso, a intenção é que os shows não terminem depois das 22h. “Belo Horizonte tem muitos bares nos quais as pessoas ficam cada uma na sua mesa, sem interagir. Aqui dá para vir sozinho. Além dos bancos ao redor do balcão, às vezes a gente diminui a quantidade de mesas para ficar mais gente em pé”, afirma João Paulo Brant, outro sócio da casa.

A seção de petiscos teve consultoria do chef Mateus Lima e mescla petiscos conhecidos do público belo-horizontino. Vai do joelho de porco ao molho de cerveja pale ale com batatas bolinha (R$ 38) ao filé de sol com mandioca na manteiga (R$ 33,90), passando pela costelinha ao molho de goiaba picante com batata ao queijo roquefort (R$ 33,90) e pelo fish and chips (iscas de tilápia empanadas e batata frita; R$ 34). Há também dois hambúrgueres feitos na casa, sendo um vegetariano (cada um a R$ 17,80, com batatas fritas)

MOLHOS

 

Para fugir da overdose de batata e mandioca, opção é escolher as porções da seção “espertinhos”, que inclui pedidas como bolinho de abóbora com carne seca e requeijão (R$ 15,80, 15 unidades), falafel (R$ 18) e linguiça com farofa de ovo e vinagrete (R$ 15,80). Para acompanhar cada pedida dessa, é possível escolher um entre nove molhos: mediterrâneo (aliche, maionese e pimenta caiena), indiano (amendoim, pasta de tamarindo e nam pla) e grego (tahine, iogurte, limão e hortelã) são alguns deles.

Áustria, Cerveja do Monge, Falke Bier, Küd, Peripécia, Trovense e Wäls são as cervejarias mineiras com rótulos na carta do bar. São quase 30 opções, com preços variando entre R$ 8,20 (pilsen da Áustria, 600ml) e R$ 16,20 (russian imperial stout Petroleum da Wäls, R$ 375ml). A Trovense fornece os chopes pilsen e pale ale (R$ 5,20, cada).

Drinques somam cerca de 40 opções, sendo o que leva o nome da casa feito com vodca, gengibre, tomate cereja e hortelã (R$ 15) – há, ainda, mojitos de hortelã, tangerina, morango, maçã, manga e maracujá (R$ 14, cada). Vinhos somam 17 rótulos (R$ 65, em média, cada).

Jângal
Rua Outono, 523, Cruzeiro. (31) 3653-8947. Aberto de terça a quinta, das 18h à 0h; sexta, das 18h à 0h30; sábado, das 16h à 0h30; domingo, das 16h às 21h.

 

Leia mais sobre gastronomia no Blog do Girão

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE GASTRONOMIA