Semana de Moda em Paris aposta em looks futuristas, coloridos e chamativos

Com 102 grifes desfilando, Paris Fashion Week encerrou na semana passada a temporada internacional de lançamentos para o outono-inverno 2017/2018

por Laura Valente 13/03/2017 19:21

PATRICK KOVARICK/AFP
Com direito a um foguete no cenário do Grand Palais, a Chanel de Karl Lagerfeld apresenta coleção inspirada no espaço (foto: PATRICK KOVARICK/AFP)


Hors-concours na Semana de Moda de Paris temporada após temporada, Karl Lagerfeld antecipou o futuro intergalático da humanidade na coleção Chanel read- to- wear outono-inverno’2017/18. Com direito a foguete no cenário e looks futuristas na maior parte dos 92 modelos desfilados, até parece que ao criar o kaiser já sabia da descoberta do sistema solar Trappist-1, revelada pela Nasa no último mês de fevereiro. Teria ele informações privilegiadas da agência espacial?


Pois enquanto os cientistas buscam descobrir novas fronteiras intergaláticas, por aqui o estilista da grife referência mundial em moda desde o reinado de Gabrielle propõe um guarda-roupa que revisita o passado, mas caminha para o futuro. Sim, os clássicos estão todos ali (embora repaginados), incluindo modelos de tweed, os vários padrões de xadrez, o tailleur, as pedrarias e plumas em propostas de festa. Mas os casacos foram alongados, a saia típica do conjunto deu lugar a bermudinhas, o macacão de calça cropped surge no lugar da tradicional calça comprida e os vestidos na silhueta A, embora façam alusão direta aos anos 1960, são renovados com as golas astronauta (enrijecidas e afastadas do pescoço). Também os pés, com botas de cano alto cobertas de glitter prata e biqueira preta, apontam para a exploração espacial, assim como as estampas de planetas e de astronautas, as peças salpicadas de brilho (imitando estrelas), as capas de matelassê metálicos e as meias-calças carregadas de pontos de luz. Chamam a atenção ainda os muitos detalhes presentes na coleção, a exemplo das tiaras usadas na base de um cabelo volumoso (em referência à falta de gravidade no espaço), as luvas vazadas nos dedos, as já citadas golas, entre outros.

 

Bertrand GUAY/AFP
Louis Vuitton - Pela primeira vez, o museu do Louvre abriu as portas para o desfile de uma grife de moda. (foto: Bertrand GUAY/AFP )

Também merece destaque a locação da Louis Vuitton, que desfilou em um dos pontos turísticos mais emblemáticos de Paris, o Louvre. Nesta primeira vez, que o museu abriu as portas para o desfile de uma grife de moda, o designer francês Nicolas Ghesquière apresentou coleção também inspirada na temática fronteiras, porém de forma sutil, já que a questão esteve bem representada pelo espaço, que recebe anualmente em média 7 milhões de turistas, visitantes com origem no mundo todo. Entre os modelos, o couro de efeito polido, desgastado e lustroso é a principal matéria-prima, e aparece em propostas atualizadas por fendas, volumes e comprimento mídi. Destaque ainda para o jeans que não é jeans, mas sim uma lã tratada com efeito pátina. Tudo refinado pela modelagem alfaiataria e pela mistura com delicados vestidos de cetim (muitos na estética sleep dress), coletes feitos de patchwork de pelo, golas ponteira superdimensionadas ou a tradicional rulê. A cintura é marcada em praticamente todos os looks, com cinto cuja extensão sobra e pende. Babados, correntes, assimetrias, capas peludas e aplicação de rendas foram os detalhes escolhidos pelo designer para enriquecer ainda mais a coleção.

 

 

Aurora Boreal

ALAIN JOCARD/AFP
A aurora boreal é retratada por Issey Miyake na trama de lã (foto: ALAIN JOCARD/AFP)

 

 Estrangeiro acolhido há muito em Paris – reduto mundial de designers não franceses, Issey Miyake apostou em técnicas especiais para criar tecidos multicoloridos, cujos movimentos revelam nuances de um fenômeno da natureza de beleza quase indescritível, a aurora boreal. Para tanto, usou recursos como lã tingida em cinco cores e penteada em cinco fios distintos, que passearam entre tons de púrpura, azul, verde, amarelo, laranja e preto. Também linhas onduladas marcaram as criações, bem como plissados multicores, modelagem contumaz na grife.

 

PATRICK KOVARICK/AFP
Valentino ousa em estampas divertidas e patchwork (foto: PATRICK KOVARICK/AFP)

Outra forasteira que conquistou lugar de destaque na semana de moda mais famosa do mundo, a Valentino apostou na fantasia e no romance em coleção que mesclou a estética vitoriana ao movimento Memphis (fortalecido na década de 1980 e reconhecido pelo uso de cores fortes e pela “libertação do design”) para envolver a mulher em uma atmosfera ao mesmo tempo delicada e forte, com destaque para vestidos. Mangas longas, silhueta afastada do corpo e o colo totalmente coberto representam a cliente que gosta de um luxo requintado, sem qualquer sombra de vulgaridade.


Por falar em períodos históricos, a Balmain de Olivier Rousteing parece ter buscado inspiração em mulheres guerreiras da era medieval (ou em seriados de realismo fantástico como Game of thrones) para criar peças fortes e femininas, no estilo selvagem e com pegada étnica. Dá-lhe couro e camurça, recortes, vazados (inclusive no top, quase revelando o desenho dos seios), franjas, muita aplicação de tachas e spikes, pelos, sobreposições, coletes, cintura marcada, volumes e botas crussard. Detalhes marcantes por conta das assimetrias, do tingimento tie-dye, e da beleza com olhos carregados, cabelo preso trançado e bocas metalizadas – olha a pegada futurista aí.


Nem tanto na grife que leva seu nome , com estética mais contida, mas na Maison Margiela o sempre incensado John Galliano aprontou de tudo usando como referência ícones do lifestyle norte-americano desconstruídos e redimensionados como em uma colorida colcha de retalhos. Marcaram presença Marylin Monroe, a Estátua da Liberdade, as muitas religiões da América (e do mundo) e ainda ídolos do esporte como o jogador de beisebol Joe DiMaggio. Tudo junto e misturado, em modelos talhados como esqueletos de roupas, linhas soltas de tricô, trabalhos manuais. Entre os looks mais comerciais, trench-coat com o decote em formato de coração e a calça jeans de cintura alta prometem virar hit. Nas fotos, confira outros detalhes destacados pelos estilistas que desfilaram em Paris e no quadro algumas das principais apostas da temporada.

 
Para esquentar o visual

 

 

Metalizados, volumes, mangas poderosas e outros hits prometem renovar modelos clássicos na temporada outono-inverno ‘2017/18. A seguir, propostas recorrentes em Paris e nos demais desfiles de lançamento na gringa.


Golas rulê volumosas, afastadas do corpo, inclusive avulsas
Assimetrias, recortes, decotes desenhados e deslocados
Brilho total, tanto em looks metalizados quanto em acessórios e em detalhes
Abuse das luvas trabalhadas (com dedos vazados, estampadas, com aplicações de elementos diversos)
Sobreposições diversas, inclusive de lingerie sobre o vestuário
Cintura marcada, de preferência deixando um pedaço do cinto solto e pendente
Estampas galáticas: planetas, estrelas, cometas, Lua, astronautas. Jogue-se no espaço.
Mangas poderosas, pontudas, como nos anos 1980, bufantes, trabalhadas
Comprimento mídi, parece que para sempre os tornozelos ficarão expostos
Bermudas no lugar das saias compondo um tipo de tailleur

 

 

 

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE FEMININO