'Punição de Lula tem valor simbólico', diz diretor de série sobre Lava-Jato

Depois de 'Narcos', José Padilha lança segunda série para a Netflix. Com estreia no dia 23, 'O mecanismo' traz Selton Mello como delegado da PF

por Mariana Peixoto 16/03/2018 10:25
NETFLIX/DIVULGAÇÃO
Selton Mello é o delegado Marco Ruffo (foto: NETFLIX/DIVULGAÇÃO)
Rio de Janeiro – Em 17 de março de 2014, uma segunda-feira, a Polícia Federal iniciou uma operação para desarticular uma organização criminosa especializada em lavagem de dinheiro. Foi assim que a imprensa apresentou a então recém-batizada Lava-Jato, que se tornou a maior operação anticorrupção do país.

Já no terceiro episódio de O mecanismo, série criada por José Padilha para a Netflix que estreia mundialmente na próxima sexta-feira (23), assistimos ao que ocorreu com um dos personagens naquele dia. Na vida real, o doleiro Alberto Youssef foi preso pela PF em um hotel em São Luís (Maranhão). Na ficção, o doleiro Roberto Ibrahim (Enrique Diaz) é preso em um hotel de Brasília.

Acompanhar O mecanismo é um grande exercício – à imprensa só foram liberados os três primeiros dos oito episódios.  Dada a voracidade da operação real, os fatos narrados no início da série parecem mais distantes do que realmente são.

E como nos acostumamos a falar de Youssef, Paulo Roberto Costa (ex-diretor da Petrobras) e Odebrecht, por vezes é difícil tentar desvincular a imagem deles da dos personagens Ibrahim, João Pedro Rangel (Leonardo Medeiros), diretor da PetroBrasil, e a empreiteira Muller e Brecht. Na série, a ex-presidente Dilma Rousseff é Janete (Sura Berditchvsky). O nome foi tirado de uma entrevista na qual Dilma contou já chegou a fingir ser outra pessoa. “Às vezes sou a Janete.”

Personagens e empresas tiveram seus nomes trocados, mas a narrativa, inspirada no livro Lava-Jato, do jornalista Vladimir Netto, segue basicamente o que o país vem acompanhando nos últimos quatro anos. “Se olharmos para a política dos EUA, Alemanha, França, existem casos de corrupção. No Brasil a corrupção é a norma”, afirmou Padilha, em encontro com jornalistas ontem no Rio, para divulgar o lançamento da produção.

“Não sei se vai ter uma segunda temporada mas, se tiver, eles deverão estar na cadeia”, afirmou, referindo-se a Lula e outros políticos. A primeira temporada de O mecanismo termina com a prisão dos empreiteiros.“A punição do Lula tem um valor simbólico. Ele é populista e, claramente, operou o mecanismo. O Lula preso não derruba só o PT, mas dá uma baqueada no mecanismo. Prefiro que desmontem o PT, PSDB, PMDB a que se pegue um indivíduo ou outro”, disse Padilha.

A história de O mecanismo tem início em 2003, quando o delegado da PF (aqui chamada Polícia Federativa) Marco Ruffo (Selton Mello) dá início a uma investigação contra o doleiro Ibrahim, que conhece desde a infância. O personagem é inspirado em Gerson Machado, delegado da PF de Londrina responsável por um inquérito que, em 2008, reuniu informações de que o Posto da Torre, em Brasília, era usado para lavagem de dinheiro.

Hoje aposentado, Machado cuida de uma ONG. Na série, Ruffo também irá se aposentar. Por ora é o que se sabe, já que o personagem sofre um baque no segundo episódio e seu destino é mantido sob sigilo. O Ruffo de Selton Mello parece uma versão de Carrie Mathison, a agente da CIA de Homeland. Tal qual a personagem de Claire Danes, Ruffo é bipolar, tem uma vida pessoal catastrófica e é desacreditado no trabalho.

Um salto temporal leva a narrativa para 2013, no início da Lava-Jato. Aqui, quem comanda a ação é Verena Cardoni (Carol Abras, inspirada na delegada da PF Érika Marena), pupila de Ruffo.

A assinatura de Padilha (que dirige somente o episódio inicial; os demais são divididos entre Marcos e Felipe Prado e Daniel Rezende) está clara: narração em off, personagens em profusão e frases de efeito.

O que falta, ao menos até o episódio 3, é um grande protagonista.  Na defensiva, Padilha disse ao EM que “há grandes produções que não têm protagonistas, como Magnólia”, de Paul Thomas Anderson. Porém, seus dois projetos mais bem-sucedidos foram amparados em grandes personagens  –  Capitão Nascimento (Tropa de elite) e Pablo Escobar (Narcos).

A repórter viajou a convite da Netflix

['__class__', '__cmp__', '__contains__', '__delattr__', '__delitem__', '__dict__', '__doc__', '__eq__', '__format__', '__ge__', '__getattribute__', '__getitem__', '__gt__', '__hash__', '__init__', '__iter__', '__le__', '__len__', '__lt__', '__module__', '__ne__', '__new__', '__reduce__', '__reduce_ex__', '__repr__', '__setattr__', '__setitem__', '__sizeof__', '__str__', '__subclasshook__', '__weakref__', 'clear', 'copy', 'fromkeys', 'get', 'has_key', 'items', 'iteritems', 'iterkeys', 'itervalues', 'keys', 'pop', 'popitem', 'request', 'setdefault', 'update', 'values', 'viewitems', 'viewkeys', 'viewvalues']

MAIS SOBRE SERIES-E-TV