Infecção hospitalar. Entenda a origem do problema

É importante distinguir os fatores de risco para ocorrência de uma infecção relacionados ao paciente dos fatores relacionados à assistência

Falco/Pixabay
O hábito de higienizar corretamente as mãos é uma das formas de evitar a contaminação (foto: Falco/Pixabay )
Nas semanas anteriores, apresentamos um breve histórico das Infecções Hospitalares (IRAS-Infecções Relacionadas a Assistência). Esta semana aprofundaremos um pouco mais na origem desse problema que, numa visão superficial e imediatista, pode levar à atribuição de reponsabilidade pelo problema aos hospitais e quem neles trabalha. 

Nem tanto ao céu, nem tanto ao mar! Trata-se de um problema controlável? Sim, com certeza! Erradicável ? Não, com certeza!

Trata-se aqui, de se diferenciar os termos “controlável” de  “erradicável “. Dizemos que um problema de saúde pública foi erradicado quando nenhum caso da doença em questão tiver sido registrado durante um longo período de tempo. O exemplo clássico de uma doença erradicada é a varíola. O último caso diagnosticado dessa doença no mundo ocorreu em outubro de 1977. Em 1980, a Organização Mundial de Saúde declarou a varíola erradicada do planeta. A erradicação ocorreu pela imunização da população com a vacina antivariólica.

Dizemos que uma doença encontra-se controlada quando conseguimos reduzir a incidência da mesma a níveis mínimos possíveis com os recursos disponíveis.

É o caso das infecções hospitalares. Conseguimos reduzir as taxas de infecções cirúrgicas em cirurgias plásticas em níveis muito próximos de Zero, mas não podemos garantir que nenhum paciente submetido a esse tipo de cirurgia não terá uma complicação infecciosa. O motivo é que a ocorrência de uma infecção não depende apenas dos cuidados do cirurgião e equipe, mas depende também de fatores próprios do paciente.

Desta forma, temos que distinguir os fatores de risco para ocorrência de uma infecção relacionados ao paciente dos fatores relacionados à assistência.


São exemplos de pacientes mais susceptíveis às infecções:

– Pacientes desnutridos, diabéticos, obesos, tabagistas;
– Portadores de doenças que comprometem a imunidade, como lúpus, artrite reumatoide, principalmente se estiverem em uso de medicamentos que alteram a resposta imunológica (corticoides etc.);
–Portadores das diversas formas de câncer, principalmente se estiverem em uso de quimioterapia ou radioterapia;
-Pacientes nos extremos da vida, como recém-nascidos de baixo peso ao nascer, ou idosos portadores de múltiplas doenças subjacentes;
-Pacientes que já no momento da admissão têm um processo infeccioso que necessite antibióticoterapia;
-Pacientes com doenças que exijam longos períodos de internação.

Em síntese, quanto mais grave um paciente chega ao hospital, maior é o seu risco de desenvolver uma infeção. Esses pacientes exigem maiores esforços da equipe assistencial, assim como procedimentos para restituir-lhes a saúde. Tais procedimentos, apesar de necessários à recuperação, são, ao mesmo tempo, fatores de risco para ocorrência de outros eventos infecciosos.
 

Portanto, são fatores de risco relacionados à assistência:

– Múltiplos procedimentos invasivos (cateteres inseridos em veias, sondas uretrais, tubos para ventilação mecânica etc.);
– Uso abusivo de antibióticos, principalmente os de maior espectro de cobertura bacteriana;
– Hábito da equipe do hospital de higienizar as mãos;
– Esterilização inadequada de materiais usados na assistência aos pacientes;
– Inabilidade profissional para realização de procedimentos assistenciais;
– Ausência de rotinas institucionais para isolamento e adoção de precauções com pacientes portadores de doenças transmissíveis;
– Ausência de funcionários  em número e capacitação adequada às características dos pacientes.

Em resumo, as infecções hospitalares são problemas complexos cuja ocorrência depende  das características dos pacientes e das condições assistenciais de cada instituição.

As condições de risco inerentes aos pacientes podem ser modificáveis? Algumas sim, outras não. Por exemplo, podemos orientar os pacientes a interromper o hábito de fumar pelo menos 30 dias antes de uma cirurgia previamente programada, reduzir o peso, controlar melhor a glicose no sangue, se for diabético etc.

Já os fatores relacionados à assistência são da alçada da instituição. Existem normas sanitárias e boas práticas a serem seguidas que podem minimizar esses riscos. Cabe a direção dos hospitais implementá-las e aos Estado, fiscalizá-las.

Possuir alvará de funcionamento da Vigilância Sanitária é o mínimo que uma instituição deve ter para atender a população.

Hospitais que almejam atingir níveis de excelência na assistência se submetem a processos de certificação realizados por organizações independentes que os avalia periodicamente e os certifica quanto ao grau de segurança de seus processos assistenciais. 

É extremamente importante, que a população aprenda a identificar os hospitais que são certificados quanto ao seu grau de excelência assistencial. Geralmente, essas instituições apresentam esses certificados em seus sites, ou exibem os diplomas de certificação na porta de entrada do hospital. Outra forma de identifica-los é através do site da Organização Nacional de Acreditação – ONA (www.ona.org.br), que identifica os hospitais que passaram pelo crivo desse órgão. 

Como salientei na semana anterior, nenhum certificado é garantia de uma assistência perfeita e ausência de risco de infecção, mas uma boa pista para identificar instituições que procuram oferecer uma assistência de melhor qualidade.

Outro aspecto fundamental relacionado à origem das infecções hospitalares é conhecer quais são os principais agentes, a fonte desses microrganismos e maneira que eles chegam até os pacientes.

Cerca de 90% das infecções hospitalares são causadas por bactérias, 9% por fungos e 1% por vírus e protozoários. A grande maioria desses microrganismos estão presentes em nossa própria pele, intestino ou vias aéreas, sendo seres com os quais convivemos desde o nosso nascimento.

Em sua maioria são microrganismos fundamentais a nossa própria sobrevivência, que participam de processos de digestão de alimentos, estimulo imunológico e proteção do nosso organismo contra a invasão de bactérias que não são próprias da espécie humana.

Entretanto, ao sermos submetidos a um procedimento cirúrgico, por exemplo, as bactérias da nossa própria pele podem atingir tecidos mais profundos e causar infecções da ferida operatória. O mesmo pode ocorrer quando um cateter é inserido na veia, ou um tubo é colocado na traqueia para auxiliar a respiração.

Nessas situações, microrganismos podem ser levados para regiões onde geralmente não deveriam estar. Por exemplo, cateteres inseridos na veia para hidratação podem levar bactérias da pele para o interior da corrente sanguínea, causando quadros de septicemia. Da mesma forma, tubos inseridos na traqueia para auxiliar a respiração podem levar bactérias para os pulmões e provocar pneumonias.

Estes são exemplos das principais infecções que acometem pacientes dentro dos hospitais. Quanto mais frágeis são os pacientes, maior o risco de adquirirem infecções relacionadas a assistência.

Por outro lado, a qualidade com que esses procedimentos são indicados pelos médicos, realizados e mantidos nos pacientes é determinante para o maior ou menor risco de gerarem infecções. Neste sentido, a padronização da técnica de realização dos mesmos e o treinamento da equipe assistencial é crucial para prevenção dessas complicações infecciosas. 

Microrganismos podem chegar aos pacientes também através de contato direto pelas mãos contaminadas dos profissionais, ou acompanhantes, objetos contaminados, alimentos contaminados, sangue, soluções contaminadas e até mesmo germicidas contaminados. 

Todas essas formas de transmissão são controláveis através de processos e rotinas de controle de qualidade presentes nos programas de Controle de Infecções Hospitalares, os quais são obrigatórios nos hospitais, conforme comentamos nas semanas anteriores.

A base de atuação desses programas é a Vigilância Epidemiológica, a qual se destina a identificar de forma sistemática a ocorrência de infecções em todos os setores do hospital e estabelecer mecanismos de prevenção para evitá-las.

O SCIH – Serviço de Controle de Infecções Hospitalares é responsável pela elaboração, implantação e supervisão de rotinas em todos os setores da instituição com vistas à prevenção da ocorrência dessas infecções. Além disso, é responsável também pela implantação de uma política de uso de antibióticos no hospital, que evite a seleção de bactérias altamente resistentes, que podem dispersar entre pacientes provocando surtos de difícil controle.

Investigar situações dessa natureza é função precípua dos profissionais que trabalham nesses setores, os quais devem ser altamente treinados para executar essas funções.

Educar no sentido mais amplo desta palavra é a grande missão deste serviço nos hospitais. Uma das tarefas mais complexas é o desafio secular de educar os profissionais  a lavarem as mãos com a frequência necessária. 

Este será o nosso tema da próxima semana – O óbvio...por que as pessoas não fazem o óbvio??
 

Erro ao renderizar o portlet: 0000 - Main - Vitrine

Erro: