BH sedia seminário para discutir estratégias de gestão e conservação de bens modernos

Um ano após reconhecimento do conjunto moderno da Pampulha pela Unesco a capital recebe o o seminário internacional Desafios da Gestão do Patrimônio Cultural Moderno

por Estado de Minas 11/08/2017 13:03
Ramon Lisboa/EM/D.A Press
(foto: Ramon Lisboa/EM/D.A Press )

A palavra patrimônio, geralmente, remete a obras, bens ou edificações antigas e carregadas de história. A associação, porém, não é inteiramente precisa. O movimento moderno, em suas diversas expressões, representou uma ruptura com a tradição e trouxe inovações em todos os campos, projetando ideais de um novo homem e sua relação com o mundo.

Na arquitetura, a criação para atender ao espírito do homem moderno trouxe novidades técnicas e se traduzia em construções radicalmente distintas dos modelos vigentes. A importância desse legado foi, ao longo do século 20, ganhando reconhecimento institucional. O Brasil foi pioneiro na valorização de construções do movimento moderno, como explica o professor Hugo Segawa, da Universidade de São Paulo, em seu artigo, que servirá de base para sua palestra no seminário.

Um ano depois de o conjunto moderno da Pampulha ter sido reconhecido pelo Comitê do Patrimônio Mundial, órgão da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), Belo Horizonte sedia, na próxima semana, o seminário internacional Desafios da Gestão do Patrimônio Cultural Moderno. O evento é promovido pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) por ocasião dos 80 anos de sua fundação e celebra também os 30 anos do reconhecimento do conjunto urbanístico de Brasília como patrimônio mundial.

O evento, voltado para especialistas, será realizado no Museu de Arte da Pampulha, entre 16 e 19, por ocasião do Dia do Patrimônio Nacional, comemorado no dia 17. O encontro pretende discutir a conservação e a manutenção de bens culturais, trocando experiências de gestão com representantes de outros países. Critérios de intervenção, métodos de preservação, o emprego de tecnologias e o uso turístico da arquitetura do início do século 20 serão temas de debates e conferências. Participam do seminário representantes de quatro importantes conjuntos arquitetônicos também reconhecidos pela Unesco: da Cidade Branca de Tel-Aviv (Israel), de Le Havre (França), do Câmpus Central da Cidade Universitária Nacional Autônoma do México – Unam (México), e do Complexo do Capitólio de Chandigarh (Índia). O Brasil tem 46 bens representativos do movimento modernista tombados pelo Iphan e a troca de informações e experiências com casos semelhantes contribuem para a preservação do patrimônio nacional.

• Seminário Internacional Desafios da Gestão do Patrimônio Cultural Moderno, promovido pelo Iphan. Museu da Pampulha, de 16 a 19 de agosto. Mais informações: iphan.gov.br.

['__class__', '__cmp__', '__contains__', '__delattr__', '__delitem__', '__dict__', '__doc__', '__eq__', '__format__', '__ge__', '__getattribute__', '__getitem__', '__gt__', '__hash__', '__init__', '__iter__', '__le__', '__len__', '__lt__', '__module__', '__ne__', '__new__', '__reduce__', '__reduce_ex__', '__repr__', '__setattr__', '__setitem__', '__sizeof__', '__str__', '__subclasshook__', '__weakref__', 'clear', 'copy', 'fromkeys', 'get', 'has_key', 'items', 'iteritems', 'iterkeys', 'itervalues', 'keys', 'pop', 'popitem', 'request', 'setdefault', 'update', 'values', 'viewitems', 'viewkeys', 'viewvalues']