UAI

Filhas de Palmirinha brigam na Justiça por herança milionária

As filhas mais velhas acusam a caçula de ocultar dados e lucro do patrimônio das empresas da mãe

Filhas de Palmirinha brigam na Justiça por herança milionária; saiba detalhes Divulgação/Reprodução/Instagram
Douglas Lima - Especial para o Uai clock 13/01/2024 20:58
compartilhe icone facebook icone twitter icone whatsapp SIGA NO google-news

A briga pela herança milionária de Palmirinha Onofre (1931-2023) veio à tona quase um ano depois da morte da apresentadora. As filhas Sandra Bucci, Tania Rosa e Nanci Balan, entraram na Justiça por conta do espólio deixada pela mãe, que morreu aos 91 anos, vítima de complicações renais.

Leia Mais

De acordo com informações da coluna Poder SP, da revista Veja, a disputa judicial começou duas semanas após a morte da comunicadora. O conflito familiar ocorreu depois das irmãs mais velhas acusarem a caçula de ocultar dados e lucro do patrimônio das empresas.

 

Sandra é a inventariante da herança, que também está sendo acusada por Tania e Nanci de não realizar o pagamento de um empréstimo no valor de R$ 1,5 milhão que pegou com a matriarca em 2014, para a compra de um apartamento. Elas também contestam a maneira que a irmã mais nova informou ao juiz os bens deixados pela cozinheira.

 

A declaração feita pela caçula aponta a conta bancária com saldo de R$ 8,13 e cotas da empresa Artes Culinária Palmirinha LTDA, com total de R$ R$ 5.100. Além disso, Tania e Nasci informam que não viram a prestação de contas e contratos desde a morte de Palmirinha. As herdeiras também afirmam que não receberam nenhum valor financeiro da empresa.

 

"Sandra não menciona direitos autorais e de imagem, assim como venda de livros, temperos e alimentos, além de direitos de uso de marca, royalties e monetarização de redes sociais (…) o que causa estranheza", diz o processo. 

 

A inventariante, por outro lado, se defendeu alegando que nunca recebeu o tal empréstimo milionário, diz que o valor foi de R$ 300 mil e alegou que ela foi a responsável por cuidar da mãe nos últimos anos de vida dela. Também destacou que teria feito o pagamento de R$ 165 mil para cada uma, o que quitaria o valor do empréstimo com acréscimo de juros e correção monetária, mas as irmãs "estranhamente omitiram" a informação.

 

Por fim, a filha alegou que as irmãs nunca se interessaram pelos negócios de Palmirinha. A caçula também informou na Justiça que as três dividiram R$ 5 milhões em aplicações financeiras nos últimos meses. Em outubro de 2023, as três tentaram um acordo, mas sem sucesso. O processo corre no Tribunal da Justiça de São Paulo.

compartilhe icone facebook icone twitter icone whatsapp