Games como Tomb Raider e GTA formam adolescentes machistas, diz estudo

Pesquisa da Universidade do Iowa usou uma afirmação simples para medir o sexismo entre os mais de 13 mil jogadores entrevistados: 'a mulher foi feita para ter filhos e cuidar deles?'

por Liliane Corrêa 29/03/2017 22:39

Videogames como Tomb Raider e Grand Theft Auto (GTA) estão formando adolescentes sexistas, na medida em que retratam a mulher sob uma perspectiva negativa. Pesquisadores encontraram um link entre a exposição dos jovens aos games e o machismo, em um estudo realizado com mais de 13 mil adolescentes. As informações são do jornal britânico Daily Mail.
Aqueles que jogavam games em que as figuras femininas aparecem mais sugestivamente sensualizadas mostraram tendência a ver as mulheres, de modo geral, da mesma forma.
Para o coordenador da pesquisa, Douglas Gentile, que é professor do Departamento de Psicologia da Universidade de Iowa, é clara a influência de games como o GTA na forma como os adolescentes constroem a percepção do feminino em suas próprias vidas.

Reprodução/Internet
Para o pesquisador Douglas Gentile, a forma como Grand Thieft Auto (GTA) retrata as mulheres é degradante (foto: Reprodução/Internet)

Uma das franquias de jogos mais famosas do mundo, o GTA  também é o mais polêmico deles. Os jogadores assumem personagens em uma cidade grande e avançam no jogo roubando carros e fugindo da polícia.

Lançado inicialmente em 1997, o jogo já teve pelo menos 10 atualizações, sendo a mais recente chamada de Grand Theft Auto 5.
Desde o lançamento, o jogo gera discussões acaloradas sobre as ações violentas e sexistas que retrata e encoraja e acaba se beneficiando da publicidade causada pela própria polêmica.
O estudo do Iowa diz que games como Lara Croft: Tomb Raider, em que a protagonista é extremamente sexualizada, leva os jogadores a acreditar que todas as mulheres deveriam se vestir daquela forma. 

No estudo, 13.250 adolescentes de 11 a 19 anos foram questionados sobre seus hábitos como jogadores e a frequência com que jogavam mais de duas horas por dia. Os pesquisadores não mediram o nível de sexismo nos games, mas estudos preliminares apontavam que 80% das personagens femininos nos games apareciam sexualizadas ou minimamente vestidas.
Para medir o sexismo, pesquisadores pediram aos participantes que classificar como verdadeira ou falsa a seguinte afirmação: “Uma mulher é feita, principalmente, para procriar e criar seus filhos”. O estudo mostrou que aqueles que jogavam mais videogames tenderam mais a concordar com a afirmação.
“Se você pratica repetidamente várias decisões ou escolhas nos games, essa prática pode influenciar suas atitudes e comportamentos fora dele”, defende o professor Gentile.

O Grand Theft Auto provocou a ira de muita gente, no passado, quando, em uma cena, jogadores faziam sexo com uma prostituta e viam tudo do ponto de vista do personagem. 


Reprodução/Internet
Sensualização excessiva de Lara Croft, de Tomb Raider, segundo o pesquisador, induz a um comportamento sexista (foto: Reprodução/Internet)

NOVA ABORDAGEM 

O game Tomb Raider virou filme estrelado por Angelina Jolie e um remake está sendo filmado com Alicia Vikander. As primeiras fotos do novo set mostram a protagonista usando calça comprida e camiseta, ao contrário da Lara Croft de Jolie, que usava uma roupa colante, de lycra.
“Muitos aspectos diferentes da vida podem incentivar atitudes sexistas”, diz o professor Gentile. “Foi surpreendente encontrar um pequeno, mas significativo elo entre os videogames e o sexismo. Os jogos não têm a intenção de ensinar posturas machistas, mas a maioria das pessoas não percebem como eles influenciam a vida real. Grande parte do nosso aprendizado não é consciente e aprendemos com sugestões sutis, sem perceber”, completa o pesquisador.
A pesquisa foi publicada pela revista especializada Frontiers in Psychology

 


VÍDEOS RECOMENDADOS