Quiropraxia alivia dores na coluna

Método considerado eficaz vem sendo cada vez mais procurado por gestantes e famílias preocupadas em preservar a saúde da coluna de crianças e adolescentes

por Valéria Mendes 27/06/2016 13:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Cristina Horta/EM/D.A Press
O quiropraxista Bernard Mattei (foto) afirma que o mau uso da coluna inicia-se ainda na infância com as quedas naturais da aprendizagem do caminhar (foto: Cristina Horta/EM/D.A Press)
A dor nas costas é um problema que, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), 80% das pessoas vão experimentar pelo menos um episódio durante a vida. O que pouca gente sabe é que o mau uso da coluna vertebral pode começar ainda na infância, mas como ela é uma estrutura muito resistente, os sintomas demoram entre 20 a 40 anos para aparecer. Assim, o processo degenerativo vai avançando silenciosamente e o mais comum é procurar atendimento especializado quando o quadro já está agravado. No entanto, a quiropraxia é uma área da saúde que vem ganhando espaço no Brasil justamente pelo diferencial da abordagem precoce com o objetivo de preservar a saúde da coluna vertebral e evitar problemas graves. Segundo a Associação Brasileira de Quiropraxia (ABQ), o país já tem 1000 profissionais graduados.

O quiropraxista Bernard Mattei, graduado pela Universidade Feevale, no Rio Grande do Sul, e com especialização na Palmer College of Chiropractic, nos Estados Unidos, explica que por mais que passem desapercebidos durante muitos anos, os problemas de coluna se manifestam desde muito cedo. “Na maior parte dos casos, o mau uso da coluna inicia-se ainda na infância com as quedas naturais da aprendizagem do caminhar. Estima-se que uma criança tenha mais de 400 quedas até os 5 anos. De forma geral, posturas erradas em casa ou na escola, uso de mochila de forma incorreta e a prática de esportes podem gerar danos na coluna muito precocemente. Além da dor, dificuldade de movimento, desalinhamento dos ombros e o encurvamento de regiões da coluna são sinais que ela está precisando de atenção urgentemente”, salienta.

O especialista explica que esse mau uso rotineiro da coluna vertebral gera o que a quiropraxia chama de subluxações vertebrais. “O nome científico é usado para identificar as vértebras da coluna que perdem a sua posição normal ou a relação articular normal entre elas. Essa última é a principal causa de todos os processos degenerativos da coluna - como artrose e hérnia de disco -, alterações posturais (escoliose) e pinçamentos sobre os delicados nervos da coluna vertebral, causa de mais de 90% das dores nas costas”, explica.

Ortopedista e membro da Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia Regional Minas Gerais, Leonardo Fernandes Aguiar afirma que a ciência reconhece a quiropraxia para melhorar a dor e a função de lombalgias inespecíficas. No entanto, a terapia alternativa não serve para todo tipo de dor e, por isso, é importante sempre procurar um médico para descartar casos como infecção, déficits neurológicos, câncer, compressão da medula e trauma. “Grande parte das dores lombares vão desaparecer espontaneamente, mas é preciso estar atento a alguns sinais de alerta que indicam a necessidade de procurar um médico. Se a dor dura mais de quinze dias, se o paciente tem dor noturna, febre, fraqueza muscular, formigamento ou dormência, todos esses sintomas requerem uma avaliação médica”, alerta. Para ele, apesar de as evidências científicas mostrarem os benefícios da quiropraxia o recomendado é sempre procurar um médico antes de optar pela terapia alternativa.

A dor é o que motiva pacientes a buscarem atendimento especializado, mas na perspectiva de um quiropraxista, é importante que pessoas de todas as idades consultem um especialista com o objetivo de manter a coluna saudável e evitar o surgimento de problemas nessa região. Para Bernard Mattei, o grande diferencial da quiropraxia em relação a métodos já bem difundidos e conhecidos da população brasileira é o fato de essa área de atuação da saúde “tratar a causa do problema e não os sintomas”. “Mais de 90% deles obtém recuperação extremamente satisfatória. Quando tratamos a causa da dor nas costas, o organismo volta a funcionar corretamente e assim restaura a saúde. Uma vez tratada a subluxação vertebral, a função articular volta ao normal, a postura melhora e eliminamos os pinçamentos sobre os nervos”, diz.

Benefícios na gestação
A empresária Thaís Scofield, 36 anos, afirma que depois de passar por inúmeras consultas médicas e as dores na coluna da primeira gestação persistirem, encontrou alívio na quiropraxia. Ela é mãe de Marina, 2 anos, e está no sexto mês de gestação de Lucas. “Eu sempre tive muitas dores nas costas, mas na gravidez da Marina piorou. Passei por sessões de fisioterapia e consultas a ortopedistas. Até então, nada que eu fazia adiantava. Foi quando uma amiga me falou da quiropraxia e comecei o tratamento”, recorda-se.

Segundo ela, a experiência da segunda gravidez está sendo mais tranquila nesse aspecto. “Na sessão de quiropraxia, a gente sente um alívio imediato”, diz. Mas não é passe de mágica como pode parecer. “O efeito vai se prolongando à medida que o tratamento evolui e a expectativa é pela solução. Quando comecei, fazia três vezes por semana durante um mês. Hoje, as minhas sessões são quinzenais”, conta.

Thaís Scofield afirma que a ginecologista responsável pelo pré-natal do Lucas liberou que ela fizesse o tratamento que, simplificadamente, consiste em realinhar a coluna. Para isso, o especialista faz ajustes quiropráticos, procedimento que consiste na correção do desalinhamento dos ossos da coluna vertebral e pode ser feito com as mãos ou com o auxílio de um aparelho chamado activator. O acompanhamento da evolução do quadro, segundo a empresária, é feito pela comparação de raio X que é solicitado na primeira consulta e que vai sendo repetido ao longo do tratamento. “As pessoas ainda se assustam com terapias alternativas, mas o que eu percebo de forma geral e também no meu caso, é que, quem faz o tratamento, fica satisfeito”, salienta.

Bernard Mattei salienta que a gestação é o principal fator que faz com que, estatisticamente, as mulheres sofram mais de problemas de coluna que os homens. “Esse é um período de muitas mudanças. O ganho de peso muda o centro de gravidade do corpo, principalmente da região lombar da coluna, o que sobrecarrega os discos, ligamentos, nervos espinhais e músculos, todos importantes para a função da coluna vertebral”, observa.

Segundo ele, outro fator que auxilia o aparecimento de problemas na coluna durante
a gestação é a ação da relaxina, hormônio responsável por relaxar os ligamentos e criar espaço entre as articulações da pelve para acomodar o bebê. “Esse hormônio acaba atuando sobre todas as articulações, aumenta o movimento articular e favorece também o aparecimento de subluxações vertebrais e desvios na coluna. Além disso, hábitos posturais viciosos, relacionados à nova fase de vida, durante e após a gestação, contribuem para o agravamento da condição”, enumera.

O especialista afirma que a quiropraxia pode ajudar nesse processo, tanto a mãe quanto o bebê, com dois focos específicos. “Durante a gestação, o quadril começa a mudar de posição e se alargar para acomodar o bebê. E é justamente nesse ponto que entra o trabalho do quiropraxista. Mantendo o quadril alinhado, vamos prover sempre o maior espaço possível dentro da pelve para permitir que o bebê se desenvolva tranquilamente. Outro fator muito importante é que manter a coluna e o quadril em perfeita posição vai facilitar a movimentação e o posicionamento do bebê, gerando um parto mais rápido, seguro e menos doloroso. Tudo isso comprovado por estudos científicos”, garante.

Arquivo Pessoal
"No primeiro mês de tratamento, senti uma melhora muito rápida comparada com todos os outros métodos que já havia tentado" - Ana Cristina, servidora pública e grávida de três meses (foto: Arquivo Pessoal )
ALÍVIO A servidora pública Ana Cristina de Oliveira Borges Landau, 35 anos, já havia passado pelo tratamento de quiropraxia antes da gravidez. Ela está no terceiro mês e faz as sessões com o objetivo de prevenção. “Em junho do ano passado, comecei a sentir, de repente, muitas dores na lombar. Eu fazia atividade física regularmente e cheguei a pensar que pudesse ser uma execução errada de um exercício. Procurei um médico, fiz um raio X, ressonância e descobri que além de uma lordose eu tinha uma tendência a hérnia de disco. Com o resultado em mãos, o médico me disse que eu era muito nova para já ter esses sintomas e que era inevitável que eu tivesse um problema de coluna. Ele não me apresentou nenhuma solução”, relembra.

Foi então que ela resolveu fazer fisioterapia e tentou o método Mckenzie. “Sou um pouco impaciente e como não vi resultado imediato, não continuei”, diz. Em setembro daquele ano, ela descobriu a primeira gestação e ficou ainda mais preocupada em agravar o quadro de dor. A gravidez não foi para frente - a servidora pública passou por um aborto natural. “Como eu já estava sentindo dor há muito tempo e pretendia engravidar de novo, recebi a recomendação de uma e fui tentar a quiropraxia”, conta.

No último trimestre do ano passado, Ana Cristina marcou uma consulta. “Nesse encontro, o especialista fez uma análise profunda de acontecimentos da minha vida que pudessem ter contribuído para um problema precoce na coluna. Eu já caí de bicicleta, já quebrei a perna, passei por um acidente de carro grave e já tive microfissuras no ombro. Ou seja, já tinha passado por impactos fortes que poderiam ser a causa da minha dor. No primeiro mês de tratamento, senti uma melhora muito rápida comparada com todos os outros métodos que já havia tentado. De lá pra cá, continuo o tratamento com o objetivo de prevenir a dor com o ganho de peso da gestação”, explica.

Hammerhead/Divulgação
Giulia, de13 anos, é atleta profissional de natação do Minas e faz quiropraxia para tratar de uma escoliose (foto: Hammerhead/Divulgação)

Escoliose em crianças

A escoliose se inicia sempre na infância e é a principal alteração de coluna das crianças. No entanto, quem é pai ou mãe, sabe que atenção à coluna vertebral não é um assunto abordado com o pediatra em consultas de rotina. “A incidência de dor nas costas é alta justamente pelo fato de não termos uma cultura de educação e cuidados preventivos com a coluna vertebral, mas nossa saúde depende 100% do estado de funcionamento da nossa coluna vertebral”, observa Bernard Mattei.

ATLETA A experiência da empresária Alexania de Oliveira, 41 anos, e da filha Giulia, 13, com a quiropraxia também é motivo de alívio. Em novembro do ano passado, mãe e filha procuraram um especialista por indicação de um técnico de natação. A adolescente, que é atleta do Minas, começou a se queixar de dores nas costas. “A gente achando que era dor muscular... Ela fazia fisioterapia, massagem e às vezes melhorava, às vezes não. Um dia percebi que a coluna dela estava um pouco torna, o técnico suspeitou de uma escoliose e sugeriu que procurássemos um quiropraxista. Mesmo não conhecendo a abordagem, é da cultura da nossa família buscar tratamentos alternativos. Fazemos reike, massoterapia e acupuntura. Em três meses, a Giulia já sentiu uma grande melhora. Entre o raio X feito em novembro de 2015 e o último, em maio deste ano, o resultado é de 95% de melhora na curvatura da coluna e 70% da escoliose”, relata a mãe.

Hoje, Giulia continua na quiropraxia com o objetivo principal de prevenção de problemas. Como atleta de alto rendimento, o tratamento é focado na melhoria do funcionamento da coluna e na potencialização dos resultados da garota na piscina. O resultado alcançado pela filha, estimulou Alexania a fazer o mesmo. “Eu sinto muita dor. Desde que comecei a quiropraxia já alcancei 98% da correção que eu precisava apesar da fissura que tenho na coluna”, conta.

Tratamento
Na sequência da anamnese e história clinica com o objetivo de identificar o quadro do paciente, são solicitados exames de imagem para definir o tipo de problema, há quanto tempo ele existe e a presença das subluxações vertebrais. O plano de correção dura, em média, de 3 a 9 meses. “As sessões são baseadas no que chamamos de ajustes quiropráticos, que são movimentos rápidos, precisos e indolores em que o quiropraxista, através de aparelhos e macas especificas, realiza a correção da posição normal das vértebras, devolvendo a coluna à função normal. A quiropraxia ainda não está incluída nos planos de saúde e o preço de uma sessão está em torno de R$ 150.

CIÊNCIA O quiropraxista Bernard Mattei afirma que a existência das subluxações vertebrais já foram comprovadas por estudos científicos de várias universidades renomadas do mundo inteiro. Segundo ele, essa abordagem se baseia no fato de que o organismo em perfeito estado de funcionamento se encontra saudável. “Nosso corpo possui uma capacidade natural de cura. O exemplo disso é um corte, um resfriado ou até mesmo um tombo. Sozinho, nosso corpo cicatriza, se recupera de uma gripe e depois de uns dias nossos ossos se calcificam e cura a fratura. Essas são algumas das funções da inteligência inata - ou nosso ‘médico interno’ - que trabalha 24 horas por dia para nos manter vivos”, explica.

O cérebro, comandante de todo esse processo, se comunica com o corpo através da medula espinhal e da rede de nervos espinhais. Juntos, formam o nosso sistema nervoso. “A principal função da coluna e do crânio é justamente proteger esse sistema. Porém, a coluna - diferentemente do crânio -, não é um osso único e sim um conjunto de 24 ossos articulados entre si. Quando se movimentam anormalmente, exercem pinçamentos sobre os delicados nervos da medula espinhal e assim interferem no fluxo normal de comunicação entre o cérebro e corpo, causando dores na coluna e mal funcionamento do organismo”, observa o quiropraxista.

PARA SABER MAIS

A quiropraxia surgiu em 1895 nos Estados Unidos e está entre as três profissões da área de saúde que mais crescem no mundo. No Brasil, ainda é recente e, por ser uma novidade, existem profissionais que não são habilitados atendendo pacientes, o que é considerado um risco para a saúde da população. Por aqui, existem somente duas universidades que oferecem a graduação que tem duração de cinco anos, uma no Rio Grande do Sul e outra em São Paulo. Sempre que procurar um quiropraxista, exija o registro da Associação Brasileira de Quiropraxia (ABQ).




VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SAÚDE PLENA