Pesquisadores conseguem explicar por que as interrupções atrapalham o raciocínio

Cientistas encontraram evidências de que o mesmo sistema cerebral envolvido em parar o movimento corporal - como quando você está caminhando e se depara com um buraco à sua frente - também é responsável por interromper o pensamento

por Correio Braziliense 20/04/2016 13:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Nathalie Benanger / Divulgação
Cérebro de voluntários é monitorado durante estudo: informações podem ajudar a entender sintomas do Parkinson (foto: Nathalie Benanger / Divulgação )
Você muito provavelmente já passou por isto: no meio de um raciocínio, algum barulho o interrompe, como um telefone tocando. Pronto. O que você ia dizer a seguir desaparece por completo da mente, e, por alguns instantes, não há nada que o ajude a se lembrar. Um estudo publicado na revista Nature Communications desta semana fornece uma nova explicação de por que isso acontece.

Liderada pelo neurocientista Jan Wessel, com participação de pesquisadores da Universidade da Califórnia em San Diego (EUA) e da Universidade de Oxford (Inglaterra), a pesquisa encontrou evidências de que o mesmo sistema cerebral envolvido em parar o movimento corporal — como quando você está caminhando e se depara com um buraco à sua frente — também é responsável por interromper o pensamento.

Em outras palavras, o mesmo grupo de neurônios que o ajuda a não cair no buraco, o faz parar de falar para prestar atenção ao telefone que toca. E, quando isso acontece com habilidades cognitivas, é como se o trem do pensamento se descarrilasse, precisando de tempo para voltar aos trilhos.

Parkinson
Segundo os cientistas, os achados podem ajudar a compreender melhor o mal de Parkinson. A doença pode causar tanto tremores musculares e movimentos faciais mais lentos, quanto o “oposto da distração”, um fluxo de pensamentos tão estável que parece ser difícil interromper. A pesquisa, portanto, traz pistas de onde no cérebro a origem desses sintomas do Parkinson.

Em estudos anteriores, a mesma equipe envolvida no novo trabalho mostrou que uma área do cérebro chamada núcleo subtalâmico, a mesma em que implantes elétricos são colocados para aliviar sintomas do Parkinson — está envolvida na “parada ampla”, em que todo o corpo precisa se imobilizar subitamente. Agora, os especialistas analisaram sinais cerebrais de 20 participantes saudáveis e de sete pacientes com o mal degenerativo enquanto participavam de um teste de memória.

O teste consistia em memorizar um conjunto de letras. Pouco antes de dizerem quais eram as letras, os voluntários ouviam um som que lembrava o de um toque único de celular. Os resultados mostraram que essa segunda interrupção gerava uma reação cerebral igual à de quando o corpo precisa executar uma parada ampla. E, nesses casos, a memória também falhava, com os voluntários se recordando de menos letras.

“Por ora, mostramos que eventos inesperados ou surpreendentes ativam o mesmo sistema cerebral que usamos quando agimos para interromper nossas ações e afetam o desenrolar de nossos pensamentos”, afirma Wessel em um comunicado. “Um evento surpreendente parece limpar o que você estava pensando”, completa Adam Aron, orientador e coautor da pesquisa.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SAÚDE PLENA