'Meu Professor Abusador': em uma semana, página reúne mais de 750 relatos de agressão moral e assédio sexual

Os relatos publicados seguem algumas regras: nome do agressor não pode ser revelado e a autora tem o anonimato garantido

por Agência Brasil 18/02/2016 10:21

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
SXC.hu
A página 'Meu Professor Abusador' foi criada no dia 9 de fevereiro (foto: SXC.hu)
Em pouco mais de uma semana, alunas de escolas e universidades de todo o país enviaram para uma página do Facebook mais de 750 relatos de agressão moral e sexual que sofreram de seus professores. Dos depoimentos recebidos, mais de 500 foram publicados, ultrapassando 16 mil “curtidas” na rede social em apenas sete dias.

A página Meu Professor Abusador foi criada no dia 9 de fevereiro por quatro jovens mulheres de Porto Alegre, que concluíram recentemente o Ensino Médio, depois que uma delas descobriu um caso de assédio na escola que frequentou.

Os relatos publicados pela página precisam seguir algumas regras. O nome do agressor não pode ser revelado, mas algumas características que o tornem identificável são autorizadas. O nome da instituição de ensino em que o fato aconteceu também é permitido. A autora tem o anonimato garantido pelas moderadoras.

#532 ''#MeuProfessorAbusador d ponto para as alunas que vo de legging porque mais apertado que cala jeans. Fez uma...

Publicado por Meu Professor Abusador em Quarta, 17 de fevereiro de 2016


#509 "Oi preciso desabafar, no sou menina, mas peo o espao de vocs pra falar. quando estava na quarta srie ou...

Publicado por Meu Professor Abusador em Terça, 16 de fevereiro de 2016


#498 ''Comeou com o meu orientador do doutorado me elogiando, falando como estava bonita e tal, depois comeou a me...

Publicado por Meu Professor Abusador em Segunda, 15 de fevereiro de 2016


#492 ''Eu poderia citar vrios professores. Do Ensino Mdio, do Ensino Superior, mas um do Ensino Fundamental foi o mais...

Publicado por Meu Professor Abusador em Segunda, 15 de fevereiro de 2016


Uma das criadoras da página concordou em dar entrevista pelo bate-papo da rede social. Ela pediu, no entanto, que não fosse identificada por questões de segurança. “Esse projeto mexe com homens que detêm muito mais poder social e monetário do que nós”, explicou a moderadora escolhida para a entrevista. Ela revelou que o grupo buscou auxílio jurídico com advogadas para se proteger de possíveis ameaças e processos.

Mesmo assim, a entrevistada garantiu que a página está aberta a críticas construtivas. “Estamos acostumadas, por militarmos no movimento feminista. Há, também, os discursos de ódio, que ignoramos”.

Uma das críticas mais frequentes diz respeito à dificuldade de comprovar a veracidade dos relatos anônimos. “Sempre respondemos que sim, alguns poderiam [ser falsos]. Mesmo assim, temos como segurança as mais de 16 mil “curtidas” que comprovam que casos de abuso em sala de aula não são exceções, mas uma realidade”.

Algumas vezes, os depoimentos enviados para Meu Professor Abusador são, também, pedidos de socorro de vítimas atuais de assédio. Nesses casos, as moderadoras costumam ajudar a autora a denunciar o agressor.

“Há um caso em particular, mais grave, em que estamos colocando a vítima em contato com uma advogada”, revelou a entrevistada. Ela conta que chorou algumas vezes ao ler os textos enviados para a página, especialmente quando foi possível conversar com a autora através do bate-papo do Facebook.

“Essa oportunidade de abrir portas para que vítimas de abuso se libertem do medo que as aprisiona é incrivelmente engrandecedora e emocionante”, disse a militante.

O crescimento rápido de Meu Professor Abusador na rede social superou as expectativas das jovens, que agora planejam produzir um guia para incentivar e facilitar o processo de denúncias formais.

“Todos os depoimentos estão sendo arquivados, e a possibilidade de autorizar o acesso a esse banco de dados para acadêmicos e pesquisadores simpáticos à causa não está descartada, adiantou a moderadora.

Com pouco mais de uma semana de dedicação ao projeto, é difícil para as criadoras da página vislumbrarem o futuro desse espaço virtual. Por enquanto, elas preferem comemorar os resultados dos primeiros passos dessa caminhada.

“Colocamos as cartas na mesa, sabemos que professores abusam, e queremos fazer parte da construção de um futuro em que isso não aconteça mais. Agora, esse assunto não pode mais ser ignorado”, disse a entrevistada.

Bons e maus profissionais
O presidente da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE), Roberto Leão, disse que a entidade condena todo e qualquer tipo de abuso cometido contra os alunos, mas lembrou que em todas as profissões existem bons e maus profissionais. "No magistério, isso não é exceção. Posso lhe afirmar que a imensa maioria dos professores são pessoas dedicadas ao serviço e que se esforçam diuturnamente para oferecer uma educação de qualidade", afirmou.

Para que casos de abusos sejam evitados em sala de aula, Leão reforça a importância de professores e trabalhadores em educação estarem sempre atentos ao tipo de relação que desenvolvem com os alunos. "Tomar cuidado com o que fala, com as palavras que dizem, com a maneira como conversam com os alunos. Por mais que a distância entre o professor e o aluno esteja encurtada, é sempre necessário que se tenha cuidado ao se relacionar com os alunos. Respeito é sempre fundamental", alertou.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SAÚDE PLENA