Novo medicamento promete reduzir repetição das infecções por herpes labial

Apenas 10% das pessoas no mundo estão livres de carregar vírus do herpes labial. As demais podem, ou não, manifestar a doença, que não tem cura

por Gláucia Chaves 10/12/2015 15:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Valdo Virgo / CB / D.A Press
Clique na imagem para ampliá-la e saiba mais (foto: Valdo Virgo / CB / D.A Press )
A doença é muito mais comum do que se imagina. As estatísticas apontam que pelo menos 90% das pessoas têm o vírus HSV-1 incubado. Em alguns, eles seguem silenciosos. Em outros, se manifestam em forma de herpes labial. São lesões na boca que provocam dores, desconforto e problemas de autoestima. Se o mal é grave, pode até deformar a fisionomia. Pela facilidade de transmissão e a ausência de um medicamento que destrua definitivamente o vírus, a doença merece atenção.

Uma vez infectado, o paciente terá que conviver com o causador do herpes para sempre. O cuidado deve ser preventivo, para evitar que a doença não volte a se manifestar. Há pacientes que relatam que enfrentam até seis episódios da doença por ano, o que leva a incômodo e a constrangimento social.

Além das medicações antivirais já disponíveis, acaba de ser aprovado pela Anvisa uma droga oral que é um aminoácido, a lisina, cuja função é impedir a ação de outro aminoácido, a arginina. Esse último seria facilitador da replicação do vírus, aumentando o risco de recidiva da doença. Entenda como se prevenir e tratar esse mal.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SAÚDE PLENA