Jovem de 27 anos desenvolve creme para remover tatuagem

Método do canadense Alec Falkenham é indolor, mas ainda não está no mercado

18/02/2015 14:22

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Bruce Bottomley/Dalhousie University/Reprodução CBC News
Alec Falkenham (foto: Bruce Bottomley/Dalhousie University/Reprodução CBC News)
Quem não se lembra da declaração de amor registrada na pele de Bárbara Evans para sua mãe? Pouco tempo depois, a filha de Monique Evans decidiu remover a frase 'Mãe minha rainha' acompanhada de um desenho de uma coroa que, segundo ela, poderia dificultar alguns trabalhos como modelo. O caso de repercussão nacional em sites de celebridades e que virou até meme nas redes sociais é apenas um exemplo para os motivos que fazem com que muitas pessoas queiram apagar o que foi desenhado e/ou escrito no corpo. Uma solução simples, entretanto, parece estar bem próxima da realidade e saiu das mãos de um jovem canadense de 27 anos, Alec Falkenham.

Pesquisa desenvolvida pelo estudante na Universidade Dalhousie, em Halifax, promete apagar as tatuagens de uma maneira indolor. Em entrevista à CBC News, Falkenham explica que desenvolveu um creme que deve ser passado na pele para fazer a tatuagem desaparecer.

O inventor diz ainda que não sabe quantas aplicações serão necessárias e que vai variar de pessoa para pessoa. O jovem PhD estima que o creme custe US$ 4,5 (cerca de R$ 13) e seja suficiente para fazer desaparecer 10 centímetros de tatuagem. O pesquisador já está em busca do licenciamento para liberar o produto para comercialização, mas não existe ainda previsão para o início das vendas.

A nova solução será uma alternativa à remoção a laser, que é dolorosa, cara e deixa cicatriz.
Reprodução Instagram
(foto: Reprodução Instagram )

Como funciona
Quando uma tatuagem é feita, a tinta é depositada na derme, que não sofre renovação como a epiderme (camada mais externa da pele). Cada picada da agulha é uma ferida. Com a reação do corpo ao processo inflamatório, células do sistema imune são enviadas para o local da ferida e, a partir daí, os macrófagos tentam limpar essa inflamação que seria como "comer a tinta". Com o tempo, os macrófagos passam a atuar lentamente ou simplesmente param de agir.

O creme desenvolvido por Alec Falkenham cria novos macrófagos para substituir os 'antigos' que estão cheios de tinta. A pesquisa do canadense ainda não está completa, mas ele garante que o produto vai funcionar bem, especialmente em tatuagens com dois anos ou mais.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SAÚDE PLENA