Isotônicos e os energéticos têm diferenças nutricionais; saiba como e quando usá-los

Com uma enorme variedade de opções no mercado de bebidas e suplementos nutricionais, produtos acabam causando confusão no consumidor, que, muitas vezes, não tem as informações sobre o uso correto

por Revista do CB 21/11/2014 09:30

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Zuleika de Souza/CB/D.A Press
Para repor os sais perdidos, Maurício Padilha costuma tomar isotônicos durante e depois da malhação (foto: Zuleika de Souza/CB/D.A Press)
Qualquer pessoa que pratica algum exercício perde líquidos e sais minerais por meio do suor. A reposição desses sais, geralmente, é suprida com energéticos e isotônicos. Eles são ingeridos para repor os líquidos do corpo e dão um plus na atividade física. Com uma enorme variedade de opções no mercado de bebidas e suplementos nutricionais, porém, esses produtos acabam causando confusão no consumidor, que, muitas vezes, não tem as informações sobre o uso correto.

A maior dúvida está entre a ingestão de isotônicos e a de energéticos. As duas bebidas são desenvolvidas para melhorar o desempenho esportivo, mas têm diferenças na composição nutricional. O energético age como estimulante para o corpo. Como contém cafeína e taurina — o que deixa a pessoa em estado de alerta e pode causar dependência —, deve ser ingerido moderadamente. O uso de cafeína em doses muito altas, por parte dos atletas, era inclusive, até 2004, considerado dopping.

Já os isotônicos são recomendados em caso de exercícios de longa duração e, assim como os energéticos, devem ter consumo regrado. “Há muito sódio na composição. Também pode ter muita caloria e açúcar”, explica a empresária e personal trainer Renata Costa. “O isotônico é recomendado para atividades com duração de mais de uma hora. Maratonas, ciclismo e exercícios aeróbicos são os mais indicados para esse tipo de bebida”, explica o personal Marcos Prazeres. Ainda segundo o professor de educação física, o ideal é procurar um nutricionista para orientar o uso correto desses produtos.

A hora certa de tomar é outro ponto importante. Energéticos devem ser ingeridos antes de atividades físicas. O isotônico, durante ou depois da malhação. Antes do exercício, pode acumular calorias, pois a bebida tem um alto teor de carboidrato.

O professor Maurício Padilha, 47 anos, prefere o isotônico ao energético. Ele fez triatlo durante 20 anos. Depois de um bom tempo sem treinar, resolveu retornar aos exercícios com a intenção de perder peso. “Eu prefiro isotônicos, pois estou voltando a uma rotina de exercícios mais intensa”, conta o professor. Há quatro anos, Padilha treina corrida de moto com o filho, mas não considera um esporte adequado. “Eu engordei e quero perder peso. Então estou investindo em outras atividades.” Ele ainda pratica corrida, ciclismo e natação. Sempre com ajuda dos isotônicos durante e após a atividade.

Crianças não podem tomar energéticos. Os componentes, como cafeína e taurinas, não são recomendados para o organismo infantil. No caso de isotônicos, somente se a criança for atleta e sempre consultando um pediatra para saber das indicações. Quem prefere evitar esse tipo de bebida pode apostar em alimentos naturais. A água de coco, por exemplo, age como um repositor de minerais e hidratante para o corpo. Sucos naturais e frutas também fornecem açúcar para dar energia e hidratação necessárias.

Para escolher o isotônico ou o energético correto, primeiramente, deve-se procurar um nutricionista. Ele saberá avaliar a necessidade e a indicação para cada pessoa. É importante lembrar que a bebida depende muito do tipo de atividade que é praticada. O energético também não deve ser ingerido com álcool. O líquido retarda os efeitos da embriaguez, fazendo com que a pessoa consuma uma quantidade maior de bebida alcoólica.

Quem não pode tomar?

Energéticos
Pessoas com problemas cardíacos
Gestantes
Crianças
Pessoas com insônia
Pessoas com hiperatividade

Isotônicos
Pessoas com insuficiência cardíaca
Hipertensão arterial
Doenças renais

Consumo excessivo de cafeína pode causar
Insônia
Transtorno de ansiedade
Gastrite
Dor de cabeça
Arritmia cardíaca
Intoxicação
Tremores

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SAÚDE PLENA