Estudo destaca que correr pouco é mais benéfico do que se pensava

Corredores têm uma expectativa de vida três anos maior que a média dos sedentários. Os benefícios de correr seriam os mesmos tanto para quem corre muito quanto para quem corre pouco, seja rápida ou lentamente

por AFP - Agence France-Presse 29/07/2014 10:09

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Marcelo Ferreira/CB/D.A Press
Pesquisa acompanhou 55.000 adultos com idade média de 44 anos ao longo de 15 anos (foto: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)
Fazer uma corrida curta diariamente pode ser tão eficaz quanto correr prolongadamente para viver mais, destaca um estudo publicado nesta segunda-feira. Correr até 5 a 10 minutos por dia pode reduzir significativamente o risco de doenças cardíacas e morte precoce, segundo as conclusões da pesquisa que foi publicada no periódico Journal of the American College of Cardiology.

As pessoas que correm para se exercitar apresentam um risco 30% menor de morrer e 45% menor de morrer por doença cardiovascular do que os que nunca correm. Além disso, os corredores têm uma expectativa de vida três anos maior que a média dos sedentários.

Os benefícios de correr seriam os mesmos tanto para quem corre muito quanto para quem corre pouco, seja rápida ou lentamente, acrescentou o estudo. A pesquisa não detectou diferenças estatísticas significativas entre quem corre 50 minutos ou 180 minutos por semana. Os resultados também não diferiram quando a corrida se manteve abaixo dos 10 km por hora. Quem corre em ritmo lento ou caminha também têm resultados melhores do que os que não praticam atividade física.

"Visto que o tempo é um dos maiores obstáculos para se fazer uma atividade física, o estudo pode motivar mais gente começar a correr", disse o principal autor do estudo, Duck-chul Lee, professor assistente do Departamento de Cinesiologia da Universidade Estadual do Iowa (cento dos EUA).

O estudo se baseou no acompanhamento de mais de 55.000 adultos com idade média de 44 anos no Texas, ao longo de 15 anos. A maioria era de brancos e um quarto do total era de mulheres.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SAÚDE PLENA