Pets com necessidades especiais são lição diária de vida e merecem uma chance

Eles também são dignos de atenção e muito carinho. A adoção pode evitar que sejam sacrificados

por Revista do CB 19/04/2014 12:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Zuleika de Souza/CB/D.A Press
João e Maria nasceram sem as patas dianteiras. A veterinária Rafaela os adotou, salvando-os da eutanásia (foto: Zuleika de Souza/CB/D.A Press)
Animais portadores de deficiência física precisam ser amados, cuidados e respeitados. Pelo fato de não apresentarem um corpo perfeito, sofrem rejeição durante a vida. Para eles, a procura de um lar é sempre difícil, mesmo com ajuda das feiras de adoção. “A maior dificuldade está no preconceito e na falta de informação. As pessoas, geralmente, chegam mal-informadas sobre pets cadeirantes e idosos. Querem animais muito novos e em perfeitas condições”, explica Maria José Veloso, voluntária de um grupo que incentiva a adoção.

Alguns bichos já nascem sem um membro, outros sofreram uma mutilação em algum momento — atropelamento, maus-tratos e doenças são as principais causas. Ao contrário do que muitos pensam, animais deficientes podem ter qualidade de vida. Felizmente, existem tratamentos que os beneficiam, como fisioterapia e acupuntura.

Rafaela Magrini, 28 anos, veterinária e dona dos vira-latas João e Maria, já emocionou muita gente com a história de superação dos dois. Os animais foram deixados na rua junto com seis irmãos. Apenas os dois nasceram sem os membros da frente. Os animais foram recolhidos e entregues à veterinária. A princípio, a pessoa queria sacrificá-los. A veterinária, revoltada com essa decisão, preferiu recolher o dinheiro da eutanásia para cuidar dos animais. “No dia em que a pessoa chegou aqui, querendo a eutanásia dos cachorros, eu fui muito grosseira com ela. Mas depois, eu compreendi que não é todo mundo que está preparado para ver um cachorro sem patas.”

Blog Furry Tail
Dogi é um vira-lata de 5 anos. Ele é cadeirante e ficou quatro anos à procura de um lar (foto: Blog Furry Tail)
Foram seis meses cuidando, amamentando e tratando da adaptação dos animais. Os pets foram para a adoção, só que a história teve outra reviravolta quando a veterinária decidiu ficar com os irmãos. “Quando eles fizeram 6 meses e estavam aptos a serem adotados, eu não tive coragem, já estava apegada”, conta a veterinária, que, além da dupla, tem mais três cachorros e seis gatos.

João e Maria estão com 3 anos, são supersaudáveis e um sucesso no Facebook, com várias curtidas. Rafaela conta que a internet serviu para incentivar a luta contra o preconceito. Segundo ela, a campanha na web é para mostrar que, apesar de serem deficientes, eles podem ter uma vida normal. É claro que adotante e adotado precisam de um tempo para se adaptarem. Os irmãos, por exemplo, chegaram a experimentar cadeiras de rodas. Não deu certo, eles se sentiam presos e levavam tombos com o aparelho. Hoje, Maria prefere andar com peito apoiado no chão, enquanto João se equilibra nas patas traseiras, a um palmo de distância do solo. Os animais são muito dóceis, alegres e saudáveis. A única preocupação da veterinária é que eles desenvolvam algum problema de coluna no futuro.

Dogi é um vira-lata de 5 anos. Ele é cadeirante e ficou quatro anos à procura de um lar. O cãozinho foi atropelado e perdeu o movimento das pernas. Durante esses quatro anos, ficou alojado em hotéis e abrigos temporários. A secretária Bárbara Freitas, 25 anos, e o analista de marketing Marcos Campos, 26, o adotaram por meio do Facebook. Para Bárbara, foi amor à primeira vista.

Mesmo sem conhecer o animal, ela ficou comovida pelo fato de ele ser deficiente físico e estar há muito tempo sem dono. “Escolhemos ele primeiro pela doçura e, depois, por ser cadeirante. Dificilmente, as pessoas adotam animais idosos ou especiais, e decidimos dar essa oportunidade. Hoje, não conseguimos imaginar nossa casa sem ele”, conta Bárbara.

Zuleika de Souza/CB/D.A Press
Ao contrário do que muitos pensam, animais deficientes podem ter qualidade de vida. Felizmente, existem tratamentos que os beneficiam, como fisioterapia e acupuntura (foto: Zuleika de Souza/CB/D.A Press)
Apesar de todas as limitações, o cachorro é muito feliz e adaptado à rotina da casa. Ele precisa usar fraldas, e os donos têm cuidado de aplicar pomada para assadura e sempre observar as patas traseiras dele, já que elas arrastam no chão o tempo inteiro. “O uso da cadeirinha de rodas é muito importante, pois só dessa forma ele consegue brincar e passear na rua sem machucar as patinhas, aliás, quando ele está na cadeirinha, corre mais que todos, é muito ativo”, diz a secretária. O tratamento de Dogi é completado com sessões de fisioterapia e acupuntura. Bárbara e Marcos têm ainda outros dois cães, três calopsitas e um peixe beta. Todos convivem em perfeita harmonia.

Cadeira de rodas caseira
A química Dani Navarro, 28 anos, fabrica cadeira de rodas para animais. Ela e o marido começaram a produção depois que o cachorro da vizinha foi atropelado. Montaram essa primeira cadeira com PVC e deu certo — a alegria do animal os encheu de orgulho.

O objeto sai por cerca de R$ 40. Dani diz que a construção é bem simples e que chegou a receber encomendas até de fora do país — duas dos EUA e diversas de Portugal. Neste momento, porém, ela não está mais aceitando pedidos, mas envia o passo a passo da montagem. “É emocionante vê-los correndo de novo. Sei que, de uma forma ou de outra, estou ajudando, dentro das minhas possibilidades”, afirma.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SAÚDE PLENA