Volta às academias deve ser feita com cuidado e moderação

Passada a temporada de comer delícias natalinas, na festa de réveillon e nas férias, quando muita gente ganha peso, é tempo de voltar à rotina de exercícios. Quem está parado pode aproveitar o incentivo do começo do novo ano

por Luciane Evans 12/01/2014 07:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Euler Junior/EM/D.A Press
Karina Cardoso, de 36 anos, curtiu as férias, mas não ficou parada. Ela praticou corrida e caminhadas e agora vai se dedicar ao boxe (foto: Euler Junior/EM/D.A Press)

Salpicão, chester, arroz com lentilha, peru, leitão e, para acompanhar, uma cerveja bem gelada. Desse cardápio muitos já não querem se lembrar. Como efeito dos excessos de fim de ano, falar em comida pesada ficou lá no ano passado e se tornou até pecado para muitos que começaram 2014 com aquela sensação de culpa. E, para se livrar dela, as academias são encaradas agora como a salvação. E assim, muita gente está dando adeus à temporada de comilança para começar a queimar os quilinhos ganhos. O objetivo, vale lembrar, vai além do estético: praticar atividades físicas é fundamental para manter o equilíbrio mental, a saúde dos órgãos e a longevidade. Pesquisas têm mostrado, cada vez mais, que exercícios regulares fazem bem ao coração, afastam a hipertensão, o diabetes e outras várias doenças quando aliados a uma alimentação saudável e a uma boa rotina de sono.

No entanto, especialistas alertam: é preciso cuidado e moderação na prática de exercícios, para não sofrer lesões ou problemas mais graves. Quem ficou parado muitos dias ou está sedentário há algum tempo tem que voltar gradativamente. O tempo máximo de intervalo de prática para uma atividade física é de 48 horas, avisa o cardiologista e presidente da Sociedade Mineira de Medicina do Exercício e do Esporte, Marconi Gomes da Silva. Segundo ele, se uma pessoa dá uma descansada maior ela perde a oportunidade de tornar os efeitos dos exercícios mais contínuos e positivos. Por isso, ter enganado a academia em dezembro, ou ter fugido dela há anos, faz com que todos os praticantes, sejam eles sedentários ou não, comecem, agora, da estaca zero.

“Aquele que estava bem condicionado, mas que não é um atleta, tende a perder esse condicionamento em duas semanas. Por isso vemos muitas pessoas correrem até mesmo debaixo de chuva. O objetivo é não perder o que se conquistou”, comenta Marconi. De acordo com o médico, as pessoas ativas que, agora, retomam à rotina não podem pecar na imprudência. “Agora é a hora de fazer um treino de pré-temporada, mais leve do que se fazia antes, para que a musculatura não sofra tantos impactos”, diz. A mesma cautela serve para quem fazia uma atividade mais leve. “Essas pessoas voltarão sentindo menos impacto, já que não mantinham uma rotina pesada de atividades. Mas, se quer correr atrás dos quilinhos ganhos e da ausência na academia ou da prática física, tem que ter cuidado com os exercícios mais fortes e intensos.” Para todos que, com o fim de ano, ganharam uns quilos a mais, Marconi aconselha, antes da academia, a ida a um nutricionista para uma reeducação alimentar.

Esse é o caminho que o assessor parlamentar Vítor Castro Martins, de 31 anos, trilhou. Na primeira semana deste mês ele se matriculou na academia. Depois de seis meses afastado de uma atividade física regular, Vítor diz ter exagerado nas comilanças e bebedeiras de dezembro e quer, agora, qualidade de vida. “Não estava totalmente parado. Jogava futebol e praticava jetsurf. Agora, quero ter essa rotina diária. A atividade me deixa mais bem disposto e com condicionamento físico. É o que quero conquistar em seis meses”, afirma. Ele optou por musculação, lutas e atividades aeróbicas. “Vou buscar também uma nutricionista para uma reeducação alimentar. Será uma mudança de vida completa”, revela.

Euler Junior/EM/D.A Press
Vítor Martins, de 31 anos, está parado há tempos e decidiu recomeçar a se movimentar no primerio mês do ano, com estabelecimento de metas a cumprir (foto: Euler Junior/EM/D.A Press)
De acordo com o gerente da Academia Companhia Atlética e professor de educação física, Diogo Fiorini, janeiro é tradicionalmente um período de alta nas academias, o que se tornou um movimento cultural no país. “Aquela ideia de ano novo vida nova é encarada a ferro e fogo por muitos. Tem o fato também de estarmos no verão, estação que acaba sendo motivadora”, pontua. Diogo ressalta que, nesse cenário, muitas pessoas acabam acreditando em milagres. “Há aqueles que querem emagrecer em dois meses, e isso não existe. É preciso começar devagar. Os resultados virão com o que o corpo vai entregar”, afirma, dizendo que o maior risco de quem busca alcançar metas de forma ligeira são as lesões. E os problemas, segundo ele, podem surgir tanto na pessoa sedentária quanto na ativa. “Aquela história de memória muscular é historinha. A volta à atividade é gradual para todos”, defende.

DE FÉRIAS, MAS SE EXERCITANDO

Sempre praticando atividade física, a fonoaudióloga Karina Cardoso Gesualdi, de 36, viajou em dezembro, mas sem deixar de se movimentar. “Foram 15 dias de férias e eu procurei me exercitar. Fui para o Sul do país e lá fiz séries de exercícios que não precisam de aparelhos. Depois, fui para praia e lá pratiquei corrida e fiz caminhadas”, conta. Mas Karina reconhece que cometeu exageros. “Gosto de beber, de tomar uma cerveja e, no fim do ano, não me poupei em plena praia. Mas busquei compensar. A questão é que a alimentação sai do controle mesmo”, reconhece. E, para consertar os possíveis estragos, a fonoaudióloga voltou na semana passada à academia fazendo boxe, musculação e kiai (arte marcial) . “O corpo sente essa parada. Mas a minha meta é continuar no meu ritmo. E não parar nunca. Quero, este ano, variar as modalidades.”

Essa busca por variações nas atividades, segundo o cardiologista Marconi Gomes, é alternativa para as atividades não ficarem monótonas. “O principal benefício de uma academia é reunir em um espaço único exercícios de força e os aeróbicos. Muitas estão inovando nos serviços e oferecem variadas modalidades. A questão é que os alunos nem sempre têm tempo para fazer tudo isso. Se as pessoas pudessem variar suas atividades não cairiam na monotonia, um dos malefícios das academias”, observa Marconi. Ele aconselha as pessoas a experimentarem as novidades. “É o momento dos 3M: motivação, movimento e meta. Se você tem uma meta, vai ter motivação. E movimento é importante e deve ser colocado no seu dia a dia. Opte pela escada em vez do elevador, por exemplo. Movimente-se.”

Atestado médico é segurança para aluno e empresa
Em Belo Horizonte, quem quiser se matricular em qualquer espaço que ofereça atividades físicas terá de apresentar um atestado médico. Desde 2012, está em vigor no município a Lei 10.444/12, que exige a apresentação do atestado para a prática de atividade física nas academias, sob pena de multa de R$ 2 mil ao estabelecimento. Em outras cidades há outras exigências. Em São Paulo, há uma nova legislação que desobriga as academias a fazerem exames médicos para admitir frequentadores com idade entre 15 e 69 anos e, depois, têm que repetir o teste a cada seis meses. Atualmente, apenas alunos fora dessa faixa etária têm que passar por avaliação e apresentar atestado médico que autorize a prática na modalidade escolhida.

“A lei se tornou uma segurança para nós e para os clientes. Pelo menos na Bodytech não houve baixa de alunos”, comenta o coordenador e professor da academia Bodytech, em Belo Horizonte, Igor Ravaiani. Com ou sem exigência, a recomendação dos especialistas é que a pessoa procure um médico antes de se matricular. “É uma forma de descartar qualquer tipo de problema. As pessoas com idade acima de 40 anos, com doenças prévias, com histórico familiar de problemas cardíacos ou diabetes, devem ficar atentas”, avisa o educador físico Diogo Fiorini.

Uma avaliação física é outro passo importante para quem quer começar ou voltar à academia. “Como você sabe para onde vai, se não sabe como está? A avaliação revela o que você precisa, se você tem outras necessidades. Não existe uma receita de bolo, cada pessoa é diferente e vai ter uma resposta diferente aos exercícios”, acrescenta Diogo, ressaltando que não há mágica. “O problema não é o que se come do Natal ao réveillon, mas, sim, do réveillon ao Natal. Por isso o exercício tem que ser contínuo”, recomenda.

Promessa de ano-novo
Fundado em julho de 2004, o site Minha vida, voltado para saúde e bem-estar, entrevistou 962 mulheres e 256 homens, entre 18 anos ou mais, e descobriu que emagrecer é a principal promessa de ano-novo feita por internautas do Brasil. A preocupação com a silhueta está em primeiro lugar, de acordo com 43,7% dos entrevistados. Para 39,06% dos homens, a saúde é prioridade nas promessas. Ainda segundo o levantamento, as mulheres cumprem menos suas promessas do que os homens: 38,9% das entrevistadas contra 26,9% dos entrevistados.

• Muito além da musculação
Dentro de uma academia há diversas modalidades de atividades físicas oferecidas. Conheça algumas delas:


» Natação: esporte que trabalha todos os grupamentos musculares, ajuda a reduzir a gordura corporal, alivia as tensões do dia a dia e ajuda a recuperar lesões. O risco de lesões é pequeno porque a água amortece
os impactos.

» Pilates:
fortalece e alonga os músculos, aumenta a mobilidade das articulações. Movimentos fluentes são feitos sem pressa e com muito controle para evitar estresse. O alinhamento postural é importante em cada exercício, ajudando na melhora da postura global do indivíduo.

» Lutas: são atividades aeróbicas
que ajudam na queima de calorias e na tonificação dos músculos. Entre as modalidades há o boxe, o MMA, jiu-jítsu, muay thai, entre outras.

» Spinning:
é uma atividade aeróbica que auxilia no emagrecimento e no ganho de condicionamento físico. É indicado para quem quer diminuir seu percentual de gordura e melhorar a qualidade de vida. Esta modalidade é bastante praticada nas academias por se tratar de uma aula animada, sempre com a motivação e desafios desenvolvidos pelos professores, que elaboram um planejamento dos treinos.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SAÚDE PLENA