Jaloo aplaude união das artes no Meca Inhotim

O artista apresenta o repertório do disco #1, uma ode eletrônica do brega ao cool

por Ana Clara Brant 04/11/2016 12:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.

Junior Franch/divulgação
Jaloo destaca o bom momento da música paraense (foto: Junior Franch/divulgação)

Para um artista independente, performático e imagético, nada mais apropriado do que participar de um festival como o Meca Inhotim, evento indie multicultural que mescla shows, palestras, workshops e exposições. Amanhã e depois, a programação chega a Brumadinho.

 

O cantor e compositor Jaloo, de 29 anos, considerado uma das surpresas da música eletrônica brasileira, apresenta-se no domingo. “Já participei do Meca anteriormente, em Porto Alegre, mas nunca estive em Inhotim. Feliz por estar em um acontecimento que incentiva a música independente, minha expectativa é ainda maior por tocar num espaço que valoriza as artes e as imagens, pois também tenho esse apelo estético bem forte”, ressalta.

 

Nomes importantes de diferentes gerações estão entre as atrações, a começar por Caetano Veloso, que estreia no Meca e vai cantar à meia-noite de amanhã. Também subirão ao palco Mahmundi, Dônica, Lei Di Dai, Liniker, Serge Erege, Opala e Selvagem.

 


Jaloo (junção do nome e do sobrenome de Jaime Melo) vai mostrar o repertório do disco #1, que faz uma ode eletrônica do brega ao cool. “Lancei o álbum em 2015. Depois de um ano tocando, acredito que as músicas estão mais maduras e a execução bem acertada. Como é o final da turnê, Inhotim vai conferir o melhor momento desse trabalho”, ressalta.
Paraense de Castanhal, Jaloo destaca o bom momento da música de seu estado – Gaby Amarantos, Felipe Cordeiro e Dona Onete são exemplos disso. Para ele, foi uma feliz coincidência reunir tanta gente talentosa em um mesmo período de tempo. “Durante alguns anos, a gente ficou sem muitas novidades. Mas já houve outras explosões musicais no Pará, como nas épocas de Beto Barbosa, da Fafá de Belém e, mais recentemente, do Pinduca”, explica.

PROGRAMAÇÃO

» Amanhã
19h45: Lei Di Dai
21h: Mahmundi
22h30: Dônica
Meia-noite: Caetano Veloso

» Domingo

14h15: Banda Senhor do Bonfim
15h30: Serge Erege
16h30: Opala
17h30: Jaloo
19h: Liniker

POLÊMICA

O Meca foi criado há sete anos, no Sul do Brasil, como festival de música. Atualmente, conta com edições em São Paulo, Rio de Janeiro, Porto Alegre e Brumadinho (Inhotim). Definindo-se como “a maior menor plataforma cultural do mundo”, deixou de se dedicar apenas à música para abraçar outras linguagens. Quando a edição de Inhotim foi anunciada, no mês passado, muita gente reclamou do preço das entradas (de R$ 125 a R$ 490). Rodrigo Santanna, organizador do evento, alegou que os valores estão abaixo do ideal, considerando-se os custos do evento.

MECA INHOTIM
Amanhã, a partir das 9h30; domingo, a partir das 7h. Instituto Inhotim, Rua B, 20, Brumadinho. Ingressos: de R$ 125 a R$ 490, incluindo shows, palestras e workshops, além de acesso a pavilhões e jardins. Informações: www.inhotim.org.br e meca.love/meca-inhotim

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE MÚSICA