'Mate-me por favor' utiliza narrativa estilizada para abordar a violência entre jovens

Longa de Anita Rocha da Silveira estreia em dois horários no Cine Belas Artes

por Mariana Peixoto 15/09/2016 09:43

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.

A partir de um ambiente convencional – grupo de adolescentes que vive nos confins da Barra da Tijuca –, o filme busca ampliar seu leque, mas sem nunca dizer exatamente a que veio.

 

Não se encaixa em nenhum gênero. No início – e reforçado pelo título – Mate-me por favor anuncia-se como um thriller. Na primeira cena, uma longa tomada num terreno baldio, vemos uma jovem pronta para a balada sendo perseguida. Acompanhando o seu perseguidor, nunca vemos quem a atingiu.

Bananeira Filmes/Divulgação
Valentina Herszage é Bia, adolescente que oscila entre a descoberta sexual e a fascinação pela morte (foto: Bananeira Filmes/Divulgação)

No dia seguinte, a notícia do estupro e morte da tal jovem impacta sobremaneira a vida de quatro amigas da Barra. No grupo, o destaque é para Bia (Valentina Herszage, eleita melhor atriz no Festival do Rio), que se parece bastante com a jovem assassinada.

Este tom de suspense vai esmorecendo ao longo da narrativa. A discussão se amplia. A morte da garota – seguida de outras, sempre no mesmo local – vai acarretando mudanças no grupo de adolescentes.

Há a explosão sexual de Bia, que transa com o namorado católico mesmo que ele acredite não estar fazendo o certo.

 

Há a fascinação pela morte, com as amigas estudando os detalhes de cada um dos assassinatos. E as máscaras são colocadas abaixo, com cada uma das quatro revelando o seu pior.

A forma como a narrativa vai sendo apresentada é bastante estilizada, fugindo do naturalismo de produções com adolescentes. Com o funk melody como trilha sonora, os jovens vivem num ambiente sem adultos (não há qualquer um deles no filme).

A religião é também um ponto de destaque. Um tanto estranha é a inclusão de uma “bispa” adolescente, que prega num cenário roxo e pink.

Neste universo quase distópico, as situações vão se sucedendo. Com o embate entre os adolescentes, saber quem é o criminoso (ou se é mais de um) deixa de importar. Cabe ao próprio espectador fazer sua própria leitura da narrativa.

Trabalhando com um elenco jovem, sem experiência, a diretora não consegue um resultado dramático esperado. À exceção de Valentina Herszage, as outras atrizes (Dora Freind, Mariana Oliveira e Júlia Roliz) não fazem muito além de caras e bocas. Os diálogos, fracos, tampouco ajudam.

O estranhamento de Mate-me por favor é seu ponto forte. Mas sua narrativa, cheia de pontas soltas, faz com que o filme seja melhor na ideia do que na própria realização.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE CINEMA