'Perfeita é a mãe' tropeça em clichês ao abordar o modelo machista de mulher

Cansadas das cobranças para serem mães perfeitas, Amy, Carla e Kiki decidem dar uma banana às convenções impostas

por Helvécio Carlos 11/08/2016 10:36

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Diamond Filmes/Divulgação
(foto: Diamond Filmes/Divulgação)
A princípio, a ideia é boa. Três mulheres – Amy, Carla e Kiki –, cansadas das cobranças para serem mães perfeitas, decidem dar uma “banana” às convenções impostas pelo mundo machista, que exige tudo delas como mães, empresárias e donas de casa. Sem direito a erro. Jon Lucas e Scott Moore, autores do roteiro do divertidíssimo Se beber, não case, até tiveram boa intenção ao escrever e dirigir o longa Perfeita é a mãe, mas não funcionou.


Nos primeiros minutos do longa, Amy (Mila Kunis) pode ser facilmente identificada como tantas mulheres próximas a todos nós, obrigadas a se dividir para segurar a onda da casa, dos filhos e do emprego. A vida da jovem muda ao descobrir que o marido a trai com uma garota de programa em um site erótico. Amy não só dá o pontapé no marido, como manda para o ar todas as regras impostas à mulher perfeita.

Lucas e Moore defendem a liberdade feminina, mas não conseguem escapar dos clichês, surpreender e muito menos provocar gargalhadas. Esse besteirol passa longe de Se beber, não case. Como ocorre com Amy/Mila, Carla e Kiki são bem defendidas pelas atrizes Kathryn Hahn e Kristen Bell, respectivamente. O destaque é Kathryn, a mais desmioladas das três, que, com suas loucuras, consegue algumas situações mais engraçadinhas.

Christina Applegate interpreta Gwendolyn, a antagonista da história. Ela faz o papel da presidente durona de um grupo de mães que defende postura para lá de severa na educação dos filhos. Como a personagem não tem consistência, o final da história soa bobinho demais. O que não quer dizer que o tema não seja oportuno. Quem sabe um olhar feminino – no texto e na direção – possa fazer graça, mostrando que com mulher não se brinca?

 

PERFEITA É A MÃE
Filme de Jon Lucas e Scott Moore. Em cartaz no BH Shopping 7 (às 12h50, 15h15, 17h50 e 20h35), Boulevard 2 (às 16h30, 18h40 e 20h45), Cidade 3 (às 14h, 16h10, 18h20 e 20h25), Del Rey 7 (às 18h20 e 20h30), Estação 5 (às 18h45 e 21h15), Partage Shopping 5 (às 14h40, 17h05, 19h30 e 22h) e Pátio Savassi 8 (às 17h, 19h30 e 22h).

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE CINEMA