Série 'Atypical' mostra rotina de autista sem abrir mão do senso de humor

Produção da Netflix gira em torno de um rapaz autista de 18 anos, com toda a efervescência da idade

por Débora Anunciação* 21/09/2018 07:00


– Na semana passada, trouxe um adolescente para cá. Pensou que estava drogado, mas ele tinha autismo?
– Sim, isso foi estranho. Ele estava muito mal.

– Sim, mas... é o meu filho. O nome dele é Sam, tem 18 anos. Foi diagnosticado aos quatro anos. Ele é um bom garoto, tira notas altas, trabalha duro, é muito engraçado e mais esperto que jamais serei. Ele tem autismo, então fica muito desconfortável em situações novas. (…)

– Precisamos tomar decisões rápidas, Doug. Para evitar tragédias. Não é um sistema perfeito, mas funciona quase sempre.

– Mas dessa vez não funcionou. Se tivesse funcionado, saberia que ele não estava drogado, teria perguntado o nome dos pais, e teria ligado para nós. Então... não funcionou.
– Certo. Farei o seguinte. Coloque seu número aqui. Vou pendurar ali, para todo mundo ver. Na próxima, vamos saber, está bem? Na próxima, vamos lembrar e te ligar, está bem?

O diálogo entre pai e policial em Atypical exprime parte das dificuldades cotidianas enfrentadas por pessoas diagnosticadas dentro do espectro do autismo e por suas famílias. Na ocasião, o jovem Sam Gardner (Kier Gilchrist) acabava de ser apreendido por um guarda enquanto vagava sozinho de madrugada, após um surto, por não conseguir passar a noite fora de casa. Para Sam, dormir fora seria um treino para a futura rotina universitária longe da família. O foco da segunda temporada é a busca por independência do jovem, que sofre com a aproximação da formatura, momento que implica o fim do ciclo de rotinas cuidadosamente formulado ao longo da vida pelos pais protetores.

Em formato de comédia e com episódios curtos, a série aborda temas como preconceito, bullying, infidelidade e a descoberta da sexualidade. Zahid (Nik Dodani), o melhor amigo de Gardner, é responsável pela maior parte das sacadas cômicas. Sem papas na língua, deixa claro que não é preciso ‘pisar em ovos’ para se relacionar com pessoas dentro do espectro. A segunda temporada está disponível na Netflix.

(Débora Anunciação, estagiária sob supervisão de Silvana Arantes)
NETFLIX/REPRODUÇÃO
(foto: NETFLIX/REPRODUÇÃO)

['__class__', '__cmp__', '__contains__', '__delattr__', '__delitem__', '__dict__', '__doc__', '__eq__', '__format__', '__ge__', '__getattribute__', '__getitem__', '__gt__', '__hash__', '__init__', '__iter__', '__le__', '__len__', '__lt__', '__module__', '__ne__', '__new__', '__reduce__', '__reduce_ex__', '__repr__', '__setattr__', '__setitem__', '__sizeof__', '__str__', '__subclasshook__', '__weakref__', 'clear', 'copy', 'fromkeys', 'get', 'has_key', 'items', 'iteritems', 'iterkeys', 'itervalues', 'keys', 'pop', 'popitem', 'request', 'setdefault', 'update', 'values', 'viewitems', 'viewkeys', 'viewvalues']

MAIS SOBRE SERIES-E-TV