Alimentos ricos em antioxidantes ajudam no combate ao câncer de próstata

Nutróloga sugere para pacientes diagnosticados com a doença produtos à base de licopeno, selênio e vitamina C, que combatem os radicais livres e as células cancerígenas

por Ellen Cristie 22/11/2017 14:51
Freeimage.com/Alaina Cherup
(foto: Freeimage.com/Alaina Cherup)

Fui diagnosticado com câncer de próstata. E agora? Posso comer carne vermelha? E bebida alcoólica faz mal? Meu tumor vai crescer? E se eu tomar suco de folha de graviola? Disseram que o câncer desaparece. São inúmeras as perguntas e dúvidas que passam pela cabeça dos homens quando o tema é câncer de próstata e alimentação.

E não é para menos. Segundo dados divulgados em outubro pela Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica (SBOC), surgem a cada ano 61.200 pacientes com câncer de próstata, o que corresponde a 28,6% de todos os casos de câncer em homens no Brasil.

Diagnosticados, além de fazer o tratamento, que pode incluir sessões de radiologia e/ou quimioterapia ou ainda a cirurgia de
retirada da próstata, os pacientes geralmente começam a conhecer melhor a doença e a se preocupar com o que consomem.

Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press
Gisele Werneck, médica nutróloga: "Determinados alimentos evitam que o processo se acelere, tendo um efeito protetor" (foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press)

Segundo a médica nutróloga Gisele Werneck, formada pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), a pessoa com câncer já apresenta deficiência de substâncias antioxidantes, responsáveis por proteger o organismo de doenças. “Todo ser humano produz antioxidantes naturais. Com o câncer, eles se oxidam. As células cancerígenas, que precisam ser nutridas, passam a ‘roubar’ nutrientes do organismo. Por isso é que quanto mais grave o câncer, mais a pessoa emagrece”, comenta. No caso do câncer de próstata, isso não é diferente.

Entre os alimentos que devem integrar a dieta de um paciente com câncer de próstata, a especialista destaca o tomate (sempre cozido com azeite), frutas vermelhas (goiaba, acerola, pitanga, morango e romã), o limão, vegetais verdes (couve), castanhas, grãos, frutas em geral e chá verde. Na lista de substâncias, ela cita o licopeno, o selênio e a vitamina C, todos com função antioxidante.

RADICAIS LIVRES

A nutróloga explica que uma alimentação adequada, à base de antioxidantes, neutraliza o poder dos radicais livres, protegendo o organismo contra a destruição das células. Os radicais livres, em excesso, podem danificar células sadias, oxidando-as. “Não estamos falando de cura do câncer, mas esses alimentos evitam que esse processo se acelere, tendo um efeito protetor”, explica.

Por outro lado, alguns alimentos acabam por promover o estresse metabólico, aumentando a oxidação, que já ocorre em pacientes com câncer. É o caso do açúcar, ‘condenado’ pelos médicos e pesquisadores. “O açúcar estimula a inflamação do organismo”, comenta Gisele Werneck, que acrescenta aos doces as bebidas alcoólicas.

Quanto à carne vermelha, a nutróloga explica que não há um estudo que a proíba nos casos de câncer de próstata, sendo recomendado apenas 400 gramas de carne vermelha por semana, quantidade indicada para todas as pessoas.

Gisele não condena o suco de folhas de graviola. Rica em flavonoides, ela limita o crescimento das células cancerígenas, “mas os estudos ainda são incipientes por não abarcar uma grande quantidade de pessoas”.

Dormir bem, fazer atividade física e ter uma alimentação correta continuam sendo a tríade para a prevenção contra os diversos cânceres. “Ter um estilo de vida saudável impacta a prevenção contra o câncer em até 70% dos casos”, finaliza a nutróloga.

Paciente segue à risca prescrição médica

Arquivo Pessoal
José Gonçalves foi diagnosticado com câncer de próstata em julho deste ano e aderiu a uma alimentação à base de legumes, verduras e frutas (foto: Arquivo Pessoal)

Aos 81 anos, José Gonçalves da Silva Mendes é exemplo de determinação. Diagnosticado em julho deste ano com câncer de próstata, ele segue à risca a prescrição dos médicos e enfermeiras. Sem literalmente deixar a ‘peteca’ cair, já que ele não abandonou a peteca com os colegas - esporte que pratica três ou quatro vezes por semana - José Gonçalves faz radioterapia cinco vezes por semana.

E cuida muito da alimentação. A salada tem sempre cinco ou seis cores, com muitas folhosas, e o tomate é cozido. Ele também evita frituras e bebidas alcoólicas, e não come carboidrato à noite. “Reduzi a quantidade de carne vermelha, de doces (açúcar) e tomo limão todos os dias.”

Freeimage.com/Chris Johnson
(foto: Freeimage.com/Chris Johnson)
Ele também lê vários textos sobre o tema e, mesmo que alguns alimentos ainda sejam apenas objeto de estudo de médicos e pesquisadores, ele toma suco feito das folhas da graviola, come muita salsinha e um medicamento homeopático quatro vezes ao dia. Dos vários efeitos colaterais típicos do tratamento, ele destaca fadiga, irritabilidade e enfraquecimento dos ossos, mas não desanima. “O mais importante é evitar a depressão, é encontrar motivações, metas e ocupações. E, claro, a família sempre está em primeiro lugar. O apoio e a assistência familiar são fundamentais nessa hora.”

ASSINTOMÁTICO

Pai de três filhos e avô de quatro netos, ele admite que “vacilou” com relação à saúde. “Fiquei dois anos sem fazer o PSA (sigla para Antígeno Prostático Específico)”, um dos exames utilizados para detectar a doença, além do toque retal. “No meu caso, foi assintomático. Não sentia nada”, diz. Com tratamento feito no Hospital Luxemburgo, unidade ligada à Fundação Mário Penna, que presta atendimento oncológico pelo Sistema Único de Saúde (SUS), ele elogia o atendimento. “A equipe é extremamente atenciosa com todos os pacientes, o que é impressionante, porque só no meu horário tem cerca de 25 a 30 pessoas”, destaca.

Freeimage.com/Alaa Safei
(foto: Freeimage.com/Alaa Safei)

Das 37 sessões de radioterapia indicadas nesta primeira etapa, ele já venceu 22 e continua trabalhando e fazendo atividade física. “O segredo é enfrentar o câncer de frente e fazer o tratamento”, completa.

O que fazer?
Diferentes situações que podem ocorrer durante o tratamento de câncer

Falta de apetite:

» Coma alimentos de que você mais gosta
» Tente fazer refeições leves várias vezes ao dia, pelo menos de três em três horas
» Beba líquidos com o almoço e o jantar
» Prepare pratos coloridos e variados e inclua novos alimentos em seu cardápio
» Evite frituras e alimentos gordurosos
» Use temperos mais fortes na preparação dos alimentos, como o açafrão
» Tente consumir balas azedas, amargas ou gotas de limão para estimular o reaparecimento do paladar

Enjoos e vômitos:

» Evite frituras e alimentos gordurosos
» Fracione as refeições
» Procure não beber líquidos durante as refeições; deixe-os para os intervalos entre elas
» Chupar gelo pode ajudar a diminuir o enjoo
» Beba sucos, sopas frias ou chupe picolés de frutas cítricas, como limão, abacaxi, morango, acerola e kiwi
» Faça pequenas refeições em menores intervalos de tempo
» Evite bebidas alcoólicas, fumo, cafeína e condimentos fortes
» Não fique muito tempo sem comer; lembre-se: quanto mais tempo ficar de estômago vazio, mais enjoado vai ficar
» Não se alimente nos episódios de vômitos. Aguarde um tempo para voltar a se alimentar
» Não se deite logo após as refeições

Diarreias:

» Beba líquidos em temperatura ambiente entre as refeições
» Fracione as refeições
» Evite o uso de laxantes e alimentos como leite e derivados, frituras e ricos em açúcar
» Consuma alimentos obstipantes, como arroz branco, biscoito de polvilho, banana e vegetais cozidos

Gripes e resfriados:

» Aumente a ingestão de líquidos
» Consuma alimentos ricos em fibras, como aveia, alimentos integrais, mamão e ameixa
» Alho, cebola e frutas cítricas podem ajudar o sistema imune