Fazer exercícios intensos regularmente pode reduzir o risco de AVC

Ser inativo foi associado a um aumento de 20% na chance de acidente vascular cerebral

por AFP / Relaxnews 20/07/2013 15:39

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Diego Cervo/shutterstock.com
O exercício intenso, feito na maioria dos dias da semana, pode reduzir o risco de acidente vascular cerebral (foto: Diego Cervo/shutterstock.com )
O exercício vigoroso durante a maioria dos dias da semana pode reduzir o risco de acidente vascular cerebral, sugere um novo estudo realizado nos EUA. Os pesquisadores da Universidade do Alabama analisaram dados de 27 mil adultos a partir dos 45 anos, na pesquisa 'Reasons for Geographic and Racial Differences in Stroke' (REGARDS).

Os indivíduos foram classificados como inativos (sem praticar exercícios), moderadamente ativos (que fazem exercícios de uma a três vezes por semana), ou vigorosamente ativos (aqueles que se exercitam mais de quatro vezes por semana). Todos foram acompanhados por uma média de 5,7 anos.

Ser inativo foi associado com um aumento de 20% na chance de acidente vascular cerebral, enquanto que aqueles que se exercitavam vigorosamente eram menos propensos a sofrer um AVC ou mini-AVC, disseram os pesquisadores.

Os resultados foram especialmente evidentes nos homens. Nas, mulheres a relação entre a frequência do exercício e o risco era menos clara. "Houve algumas pesquisas que sugerem que as mulheres talvez se beneficiam de exercícios menos intensos, como caminhar. Mas como não fizemos essa pergunta em nosso estudo, realmente não podemos especular mais do que isso", disse ao site HealthDay Michelle McDonnell, principal autora do estudo.

Pesquisas anteriores já descobriram que o exercício pode reduzir diretamente o risco de acidente vascular cerebral, melhorando a saúde dos vasos sanguíneos e, indiretamente, causando a melhoria dos riscos relacionados, como pressão alta e obesidade, relata o HealthDay. Mas este estudo é o único que acompanha uma população diversificada de pessoas ao longo de um período longo. "O efeito protetor da atividade física intensa pode se dar através de seu impacto sobre os fatores de risco tradicionais, como hipertensão e diabetes", explicou Virginia Howard, professora de epidemiologia e autora sênior do estudo.

"Esses resultados confirmam estudos feitos em apenas homens ou apenas mulheres, em áreas geográficas limitadas," disse ela. "Ao usar o REGARDS, nosso trabalho foi capaz de utilizar uma população mais diversificada e mostrar que a participação em atividade física regular está associada a um menor risco de AVC". Os resultados foram publicados no períodico online Stroke.
Erro ao renderizar o portlet: 0000 - Main - Vitrine

Erro: