Orelha

por 24/01/2015 00:13
JOHN MACDOUGAL/AFP
JOHN MACDOUGAL/AFP (foto: JOHN MACDOUGAL/AFP)


Umberto Eco e o
mau jornalismo

O escritor e ensaísta italiano Umberto Eco, que anunciou seu novo romance, Número zero, esta semana, mira no mau jornalismo e nas redações de jornal. A ficção é ambientada em 1992, ano marcado por escândalos de corrupção e pela investigação Mãos Limpas, que arrasou com boa parte da classe política italiana.

***
O jornal fictício criado por Eco se especializou em desinformar, difamar adversários, chantagear e elaborar dossiês. O romance foi considerado pelo jornalista Roberto Saviano, que tem se batido contra a máfia italiana, “um manual da comunicação de nossos dias”. Eco declarou que seu objetivo é provocar reflexão sobre os limites da informação e “os mecanismos da máquina de denegrir”.

Perguntas difáceis


Hoje de manhã, o músico Miguel Javaral lança o livro Formas totalitárias e o livro-objeto 100 perguntas difáceis ou o triângulo amoroso. Esse último, uma “edição-baralho”, é definido pelo autor como um “antioráculo de incertezas”. Ambos são produtos artesanais, com 50 exemplares cada. O projeto gráfico é assinado por Clarice Lacerda e Preto Matheus. No universo de Javaral, nonsense, concretismo e dadaísmo se mesclam à música e à arte conceitual. A manhã de autógrafos começa às 11h, na Livraria Quixote (Rua Fernandes Tourinho, 274, Savassi).

Professor Angelo



Em 8 de fevereiro, no foyer do Sesc Palladium, o professor Angelo Machado (foto), de 80 anos, vai ganhar festa. Ele autografará o livro O rei careca, adaptado para os palcos e um dos espetáculos em cartaz na Campanha de Popularização do Teatro de da Dança. Médico, entomologista e autor de divertidos livros infantis, ele já ganhou o Prêmio Jabuti. Machado é um dos autores mais encenados em Minas Gerais.

Vale do Paraopeba



O fotógrafo Pedro Gravatá registrou com suas lentes as manifestações, o povo e as tradições do Vale do Paraopeba, em Minas Gerais. As imagens (foto) vieram de Casa Branca, Piedade do Paraopeba, Belo Vale e Moeda. A exposição Verdade! será realizada hoje, a partir das 14h, no Verde Folhas (Alameda do Jacarandá, 170, Casa Branca). Informações: (31) 3575-3129 e www.verdefolhas.com.br

Deu no NYT

Lançado em 2012, o livro Barba ensopada de sangue, do gaúcho Daniel Galera, editado em inglês pela Penguin Press, ganhou elogios do jornal americano The New York Times. O romance, passado em Garopaba, no litoral catarinense, foi considerado divertido e com um “final formidável” pelo NYT.

Diáspora


De 31 de março a 2 abril, o Instituto de Artes da Unesp, em São Paulo, sediará o Colóquio Internacional O Afrocontemporâneo nas Artes Cênicas – Perspectivas Teóricas, Poéticas e Pedagógicas. O objetivo do evento é discutir fazeres e saberes vinculados à diáspora africana. De acordo com o professor Evandro Passos, um dos propósitos do colóquio é analisar e investigar poéticas para dança, teatro e performance, bem como suas abordagens educacionais. Os especialistas estrangeiros Patrick Acogny, Brenda Gottschild e Thomas DeFrantz virão ao Brasil. Informações: http://coloquioafrocontemporaneo.blogspot.com.br.

Museu e folia

Em Juiz de Fora, a escola Mocidade Alegre vai invadir o Museu Mariano Procópio. Amanhã, às 16h, passistas, mestre-sala e porta-bandeira apresentarão o samba de autoria de Edinho Leal, Betinho Moraes e Edynel, que homenageia a família fundadora da instituição. Até 1º de março, o museu exibirá a mostra Arte no samba, com croquis das fantasias. Em 8 de fevereiro, a agremiação juiz-forana vai defender na avenida o enredo “A família Mariano Procópio cai no samba e se encanta com sua própria história”.

MAIS SOBRE PENSAR