Eclipse lunar mais longo do século acontece nesta sexta

Fenômeno terá, ao todo, quase quatro horas de duração

por Luiz Augusto Barros* 26/07/2018 18:43

Robyn Beck/AFP
(foto: Robyn Beck/AFP)
No fim da tarde desta sexta-feira, o eclipse lunar mais longo do século 21 poderá ser visto do Brasil. A visão do fenômeno será privilegiada para aqueles que estão no litoral brasileiro, com destaque para Recife (PE). Na parte oeste do país, será visto apenas parcialmente.

O eclipse ocorrerá entre 15h24 e 19h19, com sua fase total das 16h30 às 18h13, horário de Brasília. A fase total, com 1h43min de duração, poderá ser acompanhada em sua plenitude na África e Europa.


Mas a apreciação do fenômeno não será exclusividade dos moradores dessas regiões. Em Belo Horizonte também será possível assistir ao eclipse lunar, a partir das 17h34, a olho nu. O fenômeno acontece quando a Terra, o Sol e a Lua se alinham, e o planeta intercepta o caminho da luz solar, que é desviada pela atmosfera terrestre, criando uma sombra sobre o satélite natural. A “Lua de Sangue”, como é chamada, ocorre pois ela não desaparece totalmente no horizonte, ganhando uma cor avermelhada.

De acordo com Délcio Almeida, professor e pesquisador em Processos e Estratégias de Divulgação da Ciência, com foco em Astronomia, a atmosfera da Terra funciona como um filtro que permite que algumas faixas de onda a atravessem. Segundo ele, “a explicação para a cor avermelhada da Lua é que a luz do Sol é branca, composta por todas as ondas luminosas. Quanto mais perto da cor violeta, mais espalhada a onda fica, e é por isso que enxergamos o céu azul. Quando está mais próxima do vermelho, menor é a refração e nossos olhos irão captar apenas essas faixas de luz”, disse.

Um binóculo ou uma luneta ajudam a visualizar melhor a “Lua de Sangue”. Lugares abertos, que tenham o horizonte livre e pouca luz, são os mais indicados para apreciar a beleza do eclipse lunar. Uma boa câmera fotográfica também é bem-vinda e ajudará a registrar boas imagens. Segundo Délcio, para desfrutar de uma experiência mais completa do fenômeno, o ideal é procurar lugares mais distantes das luzes da cidade, como a Serra do Rola-Moça e a da Piedade, o que pode ser um bom programa para o final da tarde desta sexta-feira.
 
Lembre-se: assistir ao eclipse lunar, em pleno pôr do sol de inverno em BH, merece, no mínimo, uma visita a um dos mirantes da cidade ou mesmo ao terraço do prédio da empresa em que você trabalha. 

Também será possível observar outro fenômeno no mesmo dia, quando ocorre a maior aproximação de Marte do planeta Terra em 15 anos.
 
*Estagiário sob supervisão da sub editora Ellen Cristie 

['__class__', '__cmp__', '__contains__', '__delattr__', '__delitem__', '__dict__', '__doc__', '__eq__', '__format__', '__ge__', '__getattribute__', '__getitem__', '__gt__', '__hash__', '__init__', '__iter__', '__le__', '__len__', '__lt__', '__module__', '__ne__', '__new__', '__reduce__', '__reduce_ex__', '__repr__', '__setattr__', '__setitem__', '__sizeof__', '__str__', '__subclasshook__', '__weakref__', 'clear', 'copy', 'fromkeys', 'get', 'has_key', 'items', 'iteritems', 'iterkeys', 'itervalues', 'keys', 'pop', 'popitem', 'request', 'setdefault', 'update', 'values', 'viewitems', 'viewkeys', 'viewvalues']