Ícone do rock, Aerosmith se apresenta nesta segunda-feira, na Esplanada do Mineirão

Show marca abertura brasileira da turnê Aero-Vederci Baby. Nos 47 anos de estrada da banda, é sua primeira vinda a BH

por Mariana Peixoto 17/09/2017 08:00
NILS MEILVANG
Vocalista Steven Tyler vem a Minas pela primeira vez com sua banda (foto: NILS MEILVANG)
O Aerosmith não inventou o rock’n’roll. Mas vem conseguindo, ao longo de 47 anos, fazer dele sua praia. É o mais puro hard rock, ora com uma pegada pop, ora num flerte com metal e até mesmo com o rhythm’n’blues. Música bem executada que, a despeito da passagem do tempo, consegue seu lugar no pódio dos grandes.

Grandes e pirotécnicos também são os shows da banda – Steven Tyler (voz), Joe Perry e Brad Whitford (guitarras), Tom Hamilton (baixo) e Joey Kramer (bateria), a formação clássica – que, desde 1994, já veio seis vezes ao Brasil. A sétima turnê terá início em Belo Horizonte. Amanhã, o grupo estreia na cidade, na Esplanada do Mineirão. Será o primeiro de quatro shows – Rock in Rio na quinta; domingo em São Paulo e, na quarta, 27, em Curitiba.

Com tanto tempo de carreira e um material extenso (são 15 álbuns de estúdio, fora o material em vídeo e ao vivo), é natural que a banda venha pisando no freio na produção (e não nos shows). O disco autoral mais recente, Music from another dimension!, já tem cinco anos.

A turnê que chega nesta semana ao Brasil tem cara de despedida. Leva o nome de Aero-Vederci Baby a série de shows que tiveram início em maio, em Israel. A despeito disso, Perry já afirmou que não há plano imediato de aposentadoria. O guitarrista inclusive deu a entender que há planos de um novo registro. O que se sabe é que, há alguns meses, em meio à parte europeia da turnê, a banda começou a trabalhar numa nova música em Londres.

Para os fãs, por ora, o que importa é que o show vai reler a carreira. O repertório traz o obrigatório do Aerosmith: Cryin, Livin’ on the edge, Crazy, I don’t want to miss a thing, Janie’s got a gun, Dream on, Walk this way.

A história do Aerosmith teve início no fim da década de 1960. Steven Tallarico comandava a Chain Reaction, banda que teve como momento alto abrir quatro shows do Yardbirds. Tallarico conheceu Perry numa lanchonete em New Hampshire. O guitarrista tinha uma banda, Jam Band, que, coincidentemente, tocaria no mesmo lugar que o Chain Reaction. Não foi difícil os dois grupos se unirem para formar o Aerosmith, que nasceu na cidade de Boston.

Tallarico também não demorou a ganhar o sobrenome artístico de Tyler. O bocão à la Mick Jagger – no início da carreira, ele teria sido confundido por fãs dos Rolling Stones em Nova York, numa data que a banda inglesa se apresentaria na cidade – e a fusão bem azeitada de rock e blues logo fizeram as comparações ganharem força. Mas o Aerosmith trazia, nos primeiros tempos, uma sujeira no som que os aproximava de formações como os New York Dolls.

SUCESSO

Ainda que Dream on seja do álbum de estreia (homônimo ao grupo, de 1973), o sucesso de fato só despontou em 1975, quando a banda passou a fazer shows em grandes estádios. Nessa época foram lançados os dois álbuns mais importantes do Aerosmith, Toys in the attic (1975) e Rocks (1976).

Terminaram a primeira década consagrados. Os anos 1980 se anunciaram sombrios, com excessos (álcool e drogas; Tyler quase sucumbiu à heroína) que desaguaram em desavenças – Perry e Whitford deixaram o grupo por alguns anos. Quando a formação voltou à ativa, voltaram também os bons trabalhos. Pump (1989) revelou o Aerosmith em sua melhor forma.

Os anos 1990, por sinal, foram extremamente generosos com o Aerosmith. Com o prestígio recuperado e a casa em ordem, a banda aproveitou como ninguém a explosão da MTV pelo mundo. É a época dos clipes com historinhas e garotas levadas, como Alicia Silverstone (em Cryin) e Crazy (que uniu a loirinha a Liv Tyler, filha de Steven). Os clipes acabaram apresentando a banda a um novo público.

O Aerosmith vem, desde então, surfando na fama. Neste século, o lançamento de material original ficou mais escasso (somente três álbuns). Mas as turnês compensam tudo. Para a noite desta segunda é esperar os velhos hits, muita pirotecnia de palco, algumas surpresas (sempre tiram da manga algum lado B) e frases de efeito de Tyler. No mais, é correr para o abraço, pois muito provavelmente será a primeira e última vez que o Aerosmith virá a Belo Horizonte.

AEROSMITH

Show amanhã (18/9), às 22h, na Esplanada do Mineirão, Avenida Antônio Abraão Caram, 1.001, Pampulha. Abertura dos portões: 18h. Abertura com a DJ Karine Larré. Capacidade: 18 mil pessoas. Classificação etária: 12 anos (dos 12 aos 15 somente acompanhado dos pais ou responsável). Ingressos: Pista premium – R$ 580 (1º lote); pista – R$ 280 (1º lote). Venda sem taxa de conveniência: Bilheteria Sul do Mineirão, Avenida Coronel Oscar Pascoal; venda on-line com taxa no www.ingressorapido.com.br

RESUMO DA ÓPERA

47
anos de carreira

150
milhões de álbuns vendidos

4
Grammys

15
álbuns de estúdio

9
DVDs

['__class__', '__cmp__', '__contains__', '__delattr__', '__delitem__', '__dict__', '__doc__', '__eq__', '__format__', '__ge__', '__getattribute__', '__getitem__', '__gt__', '__hash__', '__init__', '__iter__', '__le__', '__len__', '__lt__', '__module__', '__ne__', '__new__', '__reduce__', '__reduce_ex__', '__repr__', '__setattr__', '__setitem__', '__sizeof__', '__str__', '__subclasshook__', '__weakref__', 'clear', 'copy', 'fromkeys', 'get', 'has_key', 'items', 'iteritems', 'iterkeys', 'itervalues', 'keys', 'pop', 'popitem', 'request', 'setdefault', 'update', 'values', 'viewitems', 'viewkeys', 'viewvalues']

MAIS SOBRE MUSICA