Grife investe em estampas para diferenciar produção

A marca Nana Kokaev, que utiliza prints como principal recurso para desenvolver as suas coleções, fala sobre contos de fadas nesta temporada com ideias leves e divertidas

31/10/2017 14:07

Gustavo Marx/divulgação
(foto: Gustavo Marx/divulgação)

 Os temas não servem apenas para inspirar a coleção. A estilista Ana Kokaev encara com tanta seriedade a história a ser contada em cada temporada que a transporta para cada detalhe da roupa. “Desenvolvemos modelagens, estampas, botões e outros detalhes dentro do tema que vamos trabalhar. Por isso, não compramos desenhos prontos, eles são sempre bem autorais”, informa a criadora da marca Nana Kokaev, reconhecida pelo trabalho com prints exclusivas. Na coleção intitulada Fée (fada em francês), inspirada nos antigos contos de fadas, as estampas que passam dos florais aos geométricos, do colorido ao preto e branco nos levam a um mundo encantado.

 

A estilista investe em desenhos aquarelados para lembrar as ilustrações dos livros infantis. “Existe uma tendência forte, que vai persistir no inverno, de estampas com folhagens e florais. Desta vez, fizemos uma inspirada nos bosques dos contos de fadas, com todas as frutas típicas, como amora, morango e a maçã da Branca de Neve. Ficou colorida e ao mesmo tempo muito delicada”, define. Os pássaros, sempre presentes nas coleções, se juntam a borboletas e libélulas para deixar as roupas ainda mais vivas. A Branca de Neve também aparece em forma de matrioska (boneca russa) em um divertido desenho. As referências aos contos de fadas ainda são reveladas em uma estampa que remete ao mármore dos castelos e outra que relembra as porcelanas daquela época.

 

Para que as roupas sejam exclusivas, a marca desenvolve as estampas em cima da modelagem. Ou seja, cada desenho é pensado para uma parte da roupa. “É um trabalho muito árduo e delicado, quase artesanal, mas conseguimos ter o controle de onde a estampa vai ficar e chegamos ao efeito visual desejado. O resultado disso são peças muito diferenciadas, que encantam as clientes”, avalia. A técnica permite, por exemplo, que a Branca de Neve estilizada pareça ter saído do bolso de um colete, ou a pantacourt tenha uma flor na frente e uma borboleta atrás. Da mesma forma, a saia de babados tem listras apenas nas barras e o listrado em preto e branco de outra saia se mantém reto.

Gustavo Marx/divulgação
(foto: Gustavo Marx/divulgação)

Os desenhos feitos a mão não ficam restritos às estampas. Quase sempre eles são reproduzidos em bordados. O pássaro aparece em versão de pedraria colorida em uma saia, enquanto as flores ganham volume e vão parar nos ombros de uma jaqueta, ou na alça de um vestido. A ideia é que sejam apenas um detalhe, para traduzir a delicadeza valorizada pela marca. Mesmo na linha festa, Ana não exagera nos bordados. Aliás, ela aposta em estampas geométricas para a noite. “É algo que traz frescor e novidade para a moda festa, porque sai da estampa convencional e do bordado”, opina. Para quem tem resistência a estampados, a estilista sugere uma saia preta com barra branca e maxiflores (tendência do verão). Não é uma roupa lisa, mas também não é cheia de estampas.

PRINCESAS Indispensáveis nas coleções da Nana Kokaev, as saias chegam ao verão em várias versões: midi, curtas, longas, acinturadas e amplas. Os macacões também estão entre as apostas da marca para a temporada de calor, assim como as assimetrias (nas barras ou nos ombros). Babados, plissados, shapes fluidos e mangas bufantes remetem ao universo das princesas e heroínas dos contos de fadas. Pelo mesmo motivo, a estilista abusou de tules, rendas, musseline, seda pura, linho e alguns crepes com textura. O algodão vem forte para os looks casuais, como o conjunto azul com estampa de flores e frutos. Por outro lado, o cetim duchese domina quando se fala em roupas de festa.

Gustavo Marx/divulgação
(foto: Gustavo Marx/divulgação)

Desde que começou, há quase 14 anos, Ana segue com a proposta de oferecer roupas casuais que podem se transformar em um compromisso mais formal. A estilista pensa nessa mesma versatilidade na hora de desenvolver a linha resort. “Fazemos saídas que não têm aquela cara de piscina ou praia, são roupa mesmo. Então, a mulher compra uma camisa bacana que pode usar para trabalhar e também com um biquíni por baixo”, destaca. Como exemplo, um cafetâ de seda pura que é vendido com uma combinação por baixo, mas nada impede de ser vestido como saída de praia. Já para o inverno, a expectativa é lançar jaquetas com bordado no forro que podem ser usadas dos dois lados, e blusas com golas altas que saem de acordo com a vontade da cliente.

VÍDEOS RECOMENDADOS