Flores doces deixam bolos ainda mais belos e charmosos

Chinesa vem à capital mineira para mostrar, em curso inédito, técnicas e receitas que resultam em flores tão próximas da realidade na natureza que parecem ser verdadeiras

por Celina Aquino 24/06/2018 10:41
Leandro Couri/EM/D.A Press
(foto: Leandro Couri/EM/D.A Press )

Belo Horizonte recebeu nas últimas duas semanas um nome de peso da confeitaria: Wendy Law. Reconhecida internacionalmente pela arte das flores de açúcar, a chinesa, com ateliê em Hong Kong, desembarcou pela primeira no Brasil para um curso inédito. O trabalho dela encanta pela proximidade com o real. Ao fim das aulas, as alunas aprenderam a fazer arranjos com diferentes espécies.

Leandro Couri/EM/D.A Press
Wendy Law mostrou como trabalha com pasta de açúcar e de feijão-branco, que é a sua especialidade (foto: Leandro Couri/EM/D.A Press )

Wendy é especialista em pasta de feijão-branco, técnica relativamente nova na confeitaria, mas ela também ensinou a preparar a pasta de açúcar. Não que uma seja muito melhor que a outra, cada uma tem as suas vantagens. As flores feitas com pasta de açúcar secam mais rapidamente, só que derretem com a mesma facilidade quando o clima está quente. Por outro lado, as de feijão-branco ficam maleáveis por mais tempo, o que faz aumentar sua durabilidade e a similaridade com a natureza. “Mas não importa o material, nenhum deles faz mágica. O que vale é a técnica”, pontua.


E técnica Wendy tem de sobra. As flores da chinesa chamam a atenção pela riqueza de detalhes, que a deixam ainda mais naturais. O segredo? “Praticar, praticar, praticar”, ela ensina. “Cada espécie é diferente, então tenho que pesquisar muito. Costumo comprar flores reais para tocar as pétalas, analisar com cuidado cada uma das partes e ver como elas crescem”, destaca. A confeiteira se sente privilegiada porque, hoje em dia, consegue encontrar no mercado de Hong Kong espécies de toda parte do mundo, o ano inteiro, o que facilita bastante a sua pesquisa.


O trabalho começa pelo miolo das flores, sustentado por arame, única parte não açucarada. Depois vem a etapa mais demorada, que é modelar cada uma das pétalas. Em uma peônia, por exemplo, são 44. Primeiro, abre-se a pasta de açúcar ou feijão-branco para fazer o corte no formato desejado (existe no mercado um cortador para cada tipo de pétala). Em seguida, ela é prensada com um marcador de silicone para ganhar texturas. Na tentativa de se aproximar ao máximo do real, Wendy desenvolve os seus próprios marcadores, utilizando flores naturais como molde.


As mãos também devem dar movimento às flores, sempre respeitando a anatomia das espécies. Então, a chinesa mostra até mesmo para que lado fazer dobras, bem sutis, em cada uma das pétalas. Na hora da pintura, ela brinca que vai “maquiar” a flor. Parece mesmo maquiagem, já que os corantes são em pó e os pincéis lembram aqueles usados por maquiadores. “O lado de fora tem que ser mais claro que o de dentro”, alerta, apontando nuances de tonalidade. Por fim, as pétalas são coladas ao miolo, uma a uma, com cola comestível. É um trabalho muito delicado, que exige paciência.

CORES ÚNICAS Com destreza surpreendente, Wendy confessa que gosta especialmente das flores pequenas, porque são as mais complicadas. Em outro momento, ela revela uma paixão especial pela estrelítzia, espécie originária da África do Sul, conhecida na China como bird of paradise. “Por causa do formato e das cores são únicas, muito difíceis de reproduzir.”
Além das flores, a chinesa ensinou em duas semanas de curso a fazer folhas, botões e sementes. Na primeira etapa, as espécies escolhidas foram peônia, cravina (da mesma família do cravo), eryngium (com pequenos espinhos nas folhas), anêmona (com miolo preto), lisianto, clematis e calla (parente do copo-de-leite). Já a segunda turma aprendeu a fazer rosas, akebia (flor que tem cheiro de chocolate), gladíolo, ranúnculo, crisântemo e gardênia. Por fim, Wendy, conhecida por arranjos modernos, com combinações ousadas de cores, mostrou como agrupar as flores.

 

Leandro Couri/EM/D.A Press
(foto: Leandro Couri/EM/D.A Press )

Conhecimento multiplicado

 

O convite para vir a Belo Horizonte surgiu há dois anos, em Londres, durante curso do confeiteiro inglês Alan Dunn, referência internacional em arte em açúcar. Lá, Wendy Law conheceu duas brasileiras interessadas em aprimorar técnicas. Uma delas é a mineira Marília Peres, que logo se encantou pelas flores da chinesa, também com inspiração botânica, ou seja, o mais próximo possível do que se encontra na natureza. “Procuramos o tom certo, o tamanho certo, não inventamos nada. Por exemplo: não fazemos peônia roxa, porque não existe”, explica.


Além de Marília, outras três alunas especializadas em flores de açúcar vieram de São Paulo especialmente para o curso. Todas elogiaram a disponibilidade de Wendy para explicar, mesmo sem falar uma palavra em português, apenas inglês. Dessa forma, as confeiteiras conseguiram fazer flores raras no Brasil, como a peônia. “É fantástico reproduzir uma flor da natureza e deixar as pessoas na dúvida se ela é verdadeira ou de açúcar”, diz Lígia Hess. A chinesa confirmou que gosta de ensinar, tanto que já visitou a Inglaterra, Indonésia e Taiwan para dar aulas.


Uma das alunas do curso trabalha no ateliê The King Cake, em São Paulo, do confeiteiro Nelson Pantano, famoso pelos bolos enfeitados com flores. “Acho que todo bolo, principalmente de casamento, deve ter flores. São elas que deixam o trabalho maravilhoso”, opina Marli da Silva, que considera a rosa uma das mais difíceis de fazer. Por coincidência, é a espécie preferida de Vera Aguillar. “Amo rosas. Elas me trazem luz, paz e envolvem o meu coração. É puro amor”, justifica. De tudo o que aprendeu no curso, a confeiteira paulistana achou a cravina a mais desafiadora.

 

 

Bolo de limão
com flores de açúcar


Ingredientes


300g de ovos inteiros; 250g de açúcar refinado; 200ml de óleo vegetal; 120ml de leite; 250g de farinha de trigo; 10g de fermento em pó; raspas de limão; 1 lata de lei
te condensado; suco de 2 limões

Modo de fazer


Bata no liquidificador os ovos. Em seguida, acrescente o açúcar e bata até que a mistura aumente de volume. Adicione o óleo e o leite e bata por mais 1 minuto. Passe a mistura para um bowl e coloque os ingredientes secos (farinha de trigo e fermento). Misture com a ajuda de um fuê. Coloque a massa em uma assadeira retangular untada com papel-manteiga. Leve ao forno pré-aquecido a 180 graus. Tire do forno e deixe esfriar. Para a cobertura, misture o leite condensado e o suco de limão e leve à geladeira por aproximadamente 30 minutos. Espalhe a cobertura de limão por cima do bolo e corte-o em pequenos quadrados. Para finalizar, jogue raspas de limão por cima.

['__class__', '__cmp__', '__contains__', '__delattr__', '__delitem__', '__dict__', '__doc__', '__eq__', '__format__', '__ge__', '__getattribute__', '__getitem__', '__gt__', '__hash__', '__init__', '__iter__', '__le__', '__len__', '__lt__', '__module__', '__ne__', '__new__', '__reduce__', '__reduce_ex__', '__repr__', '__setattr__', '__setitem__', '__sizeof__', '__str__', '__subclasshook__', '__weakref__', 'clear', 'copy', 'fromkeys', 'get', 'has_key', 'items', 'iteritems', 'iterkeys', 'itervalues', 'keys', 'pop', 'popitem', 'request', 'setdefault', 'update', 'values', 'viewitems', 'viewkeys', 'viewvalues']

MAIS SOBRE GASTRONOMIA