Alexandre Frota não descarta defender pautas do metiê pornô: 'sou um conservador com cabeça liberal'

Filiado ao PSL tradicional de Bolsonaro, deputado federal e ex-galã de filmes eróticos afirma que ainda não foi procurado pelo setor, mas que "até os atenderia'. Parlamentar também diz ter sugerido nomes para o Ministério da Cultura

por Cecília Emiliana 31/10/2018 07:00
Mateus Bonomi/AGIF
(foto: Mateus Bonomi/AGIF)
Escolhido por 155.522 eleitores para representar São Paulo na Câmara dos Deputados, Alexandre Frota protagoniza um script que não surpreende pelo ineditismo. Já vimos esse filme com a ex-atriz pornô Cicciolina, nome artístico de Elena Anna Staller, que em 1987 entrou para o parlamento italiano com a segunda maior votação daquele ano. A novidade da versão brasileira é a pegada “familiar”.

Famoso pela paradigmática atuação no longa erótico A boneca da casa (Brasileirinhas, 2004), Frota é filiado ao PSL, sigla conservadora que tem entre seus principais valores a defesa da família cis-heteronormativa brasileira. Os pesselistas inclusive ensaiam uma aproximação com o DEM, que, no fim de 2016, ganhou as manchetes com o Projeto de Lei nº 6.449/2016, apelidado de “antimasturbação”. De autoria do deputado federal Marcelo Aguiar (hoje, do PSB), a medida visa proibir o acesso a sites pornográficos no Brasil

A nova tribo parece confortável ao carioca de 55 anos. “Descobri que sou um conservador com uma cabeça bem liberal”, diz Alexandre, casado há 6 anos com Fabi Frota, grávida de 7 meses de uma menina. O primogênito é Mayã Frota, de 20 anos, fruto de um relacionamento casual com Samantha Lima Gondim. A conturbada relação entre pai e filho recentemente teve alguns capítulos publicados no Twitter .“Construí uma família, e aí passei a entender a vida de uma outra perspectiva. Fui dependente químico durante 20 anos e estou há 12 completamente limpo. Não bebo, não fumo, não cheiro. Então, quando entrei para o PSL, convidado pelo próprio Jair Bolsonaro, eu já estava alinhado com o os valores do partido”, conta. 

Frota é categórico ao afirmar que a carreira artística (iniciada em 1984 na Globo) está definitivamente encerrada em todos os meios pelos quais passou - TV, cinema convencional  e entretenimento pornô. O parlamentar, contudo, não faz planos de virar as costas para este último metiê, em que trabalhou por 6 anos. Questionado sobre seu interesse em trazer ao Congresso pautas relativas ao entretenimento adulto (discussão que já acontece entre congressistas da Califórnia, por exemplo), ele afirma que a possibilidade não está descartada. “Olha só, esse segmento, até hoje, não me procurou. Se me procurassem, eu até atenderia. Não tenho absolutamente nada contra a indústria pornográfica. A gente vive num país muito hipócrita, cheia de falsos moralistas. Muita gente que me critica pelo meu passado também consome esses produtos”, comenta.

O político assume um tom levemente ressentido quando se lembra como os antigos colegas se posicionaram em relação à sua candidatura. “Ninguém me procurou nem para me apoiar. Eu fui muito massacrado, muito apedrejado virtualmente. Se eu não fosse um cara que tem estrutura ou estômago, teria desistido de tudo, porque bateram forte em mim usando isso (seu passado como ator de filmes adultos). Pra não dizer que ninguém se manifestou, pouco tempo atrás, houve uma espécie de premiação do cinema pornô. Os participantes da cerimônia foram questionados por um site sobre o que eles achavam do fato do Alexandre Frota ter entrado para a política com a votação expressiva que eu tive. Cinquenta por cento deles me apoiaram, cinquenta por cento me criticaram”, relembra.

Soldado do capitão
Em março deste ano, o então pré-candidato à presidência Jair Bolsonaro disse, em tom de brincadeira, que “gostaria de ver Alexandre Frota como Ministro da Cultura (importante frisar que nunca houve um convite oficial). O deputado afirma que, ainda que fosse indicado, não tem interesse na pasta. “Eu sou um soldado do Jair Bolsonaro. Fui eleito para ser deputado federal, e vou lutar para ser, senão o melhor, pelo menos um dos três melhores do Congresso. Eu até já sugeri alguns nomes para o Ministério da Cultura e tenho propostas para a área cultural, mas prefiro não tocar nesse assunto agora”.

A reportagem insiste: “Não poderia revelar ao menos um nome e um dos seus projetos?”.
 “Não, não vou te passar nada”, responde o político

['__class__', '__cmp__', '__contains__', '__delattr__', '__delitem__', '__dict__', '__doc__', '__eq__', '__format__', '__ge__', '__getattribute__', '__getitem__', '__gt__', '__hash__', '__init__', '__iter__', '__le__', '__len__', '__lt__', '__module__', '__ne__', '__new__', '__reduce__', '__reduce_ex__', '__repr__', '__setattr__', '__setitem__', '__sizeof__', '__str__', '__subclasshook__', '__weakref__', 'clear', 'copy', 'fromkeys', 'get', 'has_key', 'items', 'iteritems', 'iterkeys', 'itervalues', 'keys', 'pop', 'popitem', 'request', 'setdefault', 'update', 'values', 'viewitems', 'viewkeys', 'viewvalues']

MAIS SOBRE E-MAIS