Diretores e produtores repercutem carta de francesas contra o 'puritanismo'

Em artigo sobre assédio em Hollywood, Catherine Deneuve e outras 99 mulheres defendem o direito dos homens 'importunarem'

por Pedro Antunes/Estadão Conteúdo Mariana Peixoto 11/01/2018 08:13

ANNE CHRISTINE POUJOULAT
ANNE CHRISTINE POUJOULAT (foto: ANNE CHRISTINE POUJOULAT)
A resposta veio da França. Com Catherine Deneuve encabeçando a lista, um texto assinado por 100 mulheres, entre atrizes, escritoras e jornalistas, publicado pelo jornal Le Monde na forma de artigo defende a liberdade dos homens de “importunar” e de “se opor” à “campanha de denúncias” que surgiu após o escândalo protagonizado pelo produtor Harvey Weinstein, acusado por dezenas de mulheres de assédio e estupro.

O estupro é um crime. Mas cortejar de forma insistente ou desajeitada não é um delito, assim como o galanteio não é uma agressão machista”, foi uma das frases de maior efeito da carta, uma resposta ao movimento Time’s Up (o tempo acabou), lançado por aproximadamente 300 mulheres de Hollywood como uma iniciativa para promover ações concretas contra a cultura do assédio e abuso de poder por parte dos homens.

Na noite de domingo (7), durante a cerimônia de entrega dos troféus do Globo de Ouro, o movimento teve seu grande momento. Praticamente todos os convidados da 75ª edição do prêmio promovido pela Associação de Correspondentes Estrangeiros de Hollywood vestiram-se de preto. Boa parte deles também empunhou, no peito, um bottom com o nome da campanha. Os discursos da noite, com destaque para o de Oprah Winfrey, também versaram sobre abuso, violência, desigualdade entre os gêneros e respaldaram o Time’s Up.

As francesas – outras personalidades, como as escritoras Catherine Millet e Peggy Sastre e a jornalista Abnousse Shalmani estão entre as signatárias – afirmaram ainda não se reconhecer “neste feminismo”. Consideram, ainda, “legítima” a “conscientização sobre a violência sexual exercida contra as mulheres, sobretudo no âmbito profissional”. Mas, afirmam, “esta libertação do discurso se transforma hoje no contrário: somos intimadas a falar como se deve, a silenciar o que irrita, e aqueles que se recusam a cumprir tais injunções são considerados traidores, cúmplices!”

Segundo a visão das francesas, o movimento #MeToo, que incentivou mulheres a delatar episódios de assédio se aproxima de uma atuação própria do “puritanismo, que, pretensamente em nome do bem geral e com os argumentos de proteção e emancipação das mulheres, prende-as a um status de eternas vítimas e pobres coisinhas mantidas pelos demônios falocratas”.

Elas também argumentam que “essa febre de enviar os ‘porcos’ ao abatedouro, longe de ajudar as mulheres a ganhar autonomia, serve, na verdade, aos piores inimigos da liberdade sexual, aos extremistas religiosos e aos piores reacionários”.

Misoginia A resposta, desde a publicação, foi imediata. A atriz Asia Argento, uma das denunciantes de Weinstein, tuitou: “Deneuve e outras mulheres dizem ao mundo como sua misoginia interiorizada as tem lobotomizado até o ponto de não haver retorno”.

O debate, que rapidamente se tornou o principal tema das redes sociais, é delicado, como deixam claro diretores e produtores ouvidos pelo Estado de Minas.

“Acho o protesto do Globo de Ouro fundamental. Ele anunciou um novo tempo, como bem disse a Oprah”, afirma a diretora Elza Cataldo, a primeira mulher a dirigir um longa-metragem mineiro (Vinho de rosas, de 2005). “Mas há uma diferença entre sedução, conquista e assédio. A relação amorosa tem suas regras, sentimentos, e isto deve ser preservado. Hoje, temos que tomar cuidado para tratar deste assunto, porque a gente não pode levar (a questão) a um não entendimento, como se estivéssemos contra os homens. Não é isto, há que haver um ponto de harmonia.”

Marcella Jacques, produtora do longa Baronesa, de Juliana Antunes, também acentua a “diferença brutal” entre sedução e assédio. Mas discorda das francesas ao apontar “puritanismo” norte-americano. “Tenho grandes brigas com meus amigos machistas que vêm usando isso como uma arma de defesa, como uma manutenção do próprio machismo deles. Além da França ser um feudo do feminismo, são mulheres que estão menosprezando isso. É algo que me deixa muito triste. O que aconteceu no domingo no Globo de Ouro foi histórico. Temos que levantar mesmo essa bandeira”, afirma.

O cineasta Helvécio Ratton, que leu o artigo das francesas, comenta: “Minha primeira reação foi a de perceber uma relativização. Você tem que abrir o seu olhar para não começar a entender como se tudo fosse abuso sexual. Isto pode gerar uma exacerbação. Qualquer gesto ou dito pode ser entendido como abuso, o que é muito perigoso”, diz ele, que considera o assédio um dos temas mais importantes da atualidade – seu próximo trabalho vai girar em torno dele. “É óbvio que o assédio é inadmissível. E é muito ligado ao poder. No caso do cinema, se tornou muito evidente pela exposição das pessoas. E é importante que ele seja discutido em todos as esferas da sociedade”.

Thiago Macedo, produtor da Filmes de Plástico, diz que é complicado para ele, na condição de homem, opinar sobre o assunto e que cabe a cada mulher distinguir o que é assédio ou cantada. “A carta das francesas mostrou que as mulheres têm visões distintas sobre o assunto. É muito subjetivo. Acho importante as pessoas poderem expressar suas opiniões, reflexões, se posicionar.” (Colaborou Ana Clara Brant)

 

Wahlberg teria recebido salário 1,5 mil vezes maior do que Michelle Williams pelo mesmo filme 

Kevin Winter
Wahlberg, Charlie Plummer, Michelle Williams e Ridley Scott (foto: Kevin Winter)

 

Enquanto o debate sobre assédio no mundo do cinema ganhou mais um interlocutor com a manifestação das francesas, nos EUA, outra revelação envolvendo desigualdade de gênero veio à tona nesta semana. A atriz Michelle Williams, que concorreu ao Globo de Ouro por Todo o dinheiro do mundo, teria recebido menos de US$ 1 mil para refilmar as cenas no longa de Ridley Scott. Em contraponto, seu colega de elenco, Mark Wahlberg, recebeu US$ 1,5 milhão pela mesma função.


O longa, que chega ao Brasil em 1º de fevereiro, teve um orçamento de US$ 40 milhões. Após as denúncias de assédio sexual contra Kevin Spacey, Scott decidiu cortá-lo do filme. Para seu papel, foi chamado o veterano Christopher Plummer (também indicado ao Globo de Ouro). Na história, Plummer interpretou o magnata do petróleo J. Paul Getty, que na Itália em 1973 tem o neto sequestrado.

Para refilmar as cenas, a produção teve um gasto extra de US$ 10 milhões. De acordo com o USA Today, que publicou a notícia, os atores teriam concordado em refilmar as cenas com Plummer sem exigir grandes salários. Antes da publicação da enorme disparidade entre a remuneração dos dois atores, a atriz teria dito ao mesmo jornal que faria qualquer coisa pela produção. “Eles podem ter meu salário, meu feriado, tudo que precisam, pois aprecio o grande esforço que está sendo aplicado a essa situação.” Michelle Williams e Mark Wahlberg são representados pela mesma agência, William Morris Endeavor.

REAÇÃO A reação nas redes sociais foi imediata. Jessica Chastain, outra indicada ao Globo de Ouro, tuitou: “Por favor, veja a performance de Michelle em Todo o dinheiro do mundo. Ela é uma brilhante indicada ao Oscar (já concorreu quatro vezes) e vencedora do Globo de Ouro (Sete dias com Marilyn). Ela está nessa indústria há mais de 20 anos. Ela merece mais do que 1% do salário de seu colega homem.”

Quem também não sai das redes sociais é James Franco. Vencedor, no último domingo, do Globo de Ouro de melhor ator em comédia ou musical por Artista do desastre (que estreia no Brasil no dia 25) ele é o mais novo nome a entrar na lista dos acusados de assédio. Na cerimônia, Franco utilizou o broche Time’s Up.

Pouco após a entrega do prêmio, algumas atrizes foram para o Twitter denunciar o comportamento de Franco. A atriz Violet Paley fez o relato mais forte. “Lembra de quando você empurrou minha cabeça para o seu pênis exposto no carro? E aquela outra vez em que você falou para uma amiga minha ir até seu hotel quando ela tinha 17 anos?”

Franco participou na noite de terça do programa The late show, com Stephen Colbert. Sobre a polêmica, ele disse: “As coisas que ouvi que estavam no Twitter são imprecisas, mas apoio completamente as pessoas que estão falando e estão sendo ouvidas, porque elas não foram ouvidas por muito tempo...Se eu fiz algo errado, vou consertar. Tenho que fazer isso.”

O jornal The New York Times cancelou na terça um encontro com James Franco. Chamado de TimesTalk, o evento, no auditório do jornal, promove bate-papo entre personalidades e o público. “O evento pretendia ser uma discussão sobre a realização do filme O artista do desastre. Dada a controvérsia em torno de alegações recentes, não estamos mais à vontade para proceder nessa linha”, declarou o jornal à revista Variety

['__class__', '__cmp__', '__contains__', '__delattr__', '__delitem__', '__dict__', '__doc__', '__eq__', '__format__', '__ge__', '__getattribute__', '__getitem__', '__gt__', '__hash__', '__init__', '__iter__', '__le__', '__len__', '__lt__', '__module__', '__ne__', '__new__', '__reduce__', '__reduce_ex__', '__repr__', '__setattr__', '__setitem__', '__sizeof__', '__str__', '__subclasshook__', '__weakref__', 'clear', 'copy', 'fromkeys', 'get', 'has_key', 'items', 'iteritems', 'iterkeys', 'itervalues', 'keys', 'pop', 'popitem', 'request', 'setdefault', 'update', 'values', 'viewitems', 'viewkeys', 'viewvalues']

MAIS SOBRE E-MAIS