Filme Domingo ganha novo sentido em meio à disputa eleitoral

Longa de Fellipe Barbosa e Clara Linhart, que está sendo apresentado na França, faz sátira amarga da burguesia brasileira no dia da posse do presidente Lula, em 2003

por 10/10/2018 09:00


ArtHouse/Divulgação
Ítala Nandi interpreta matriarca que teme perder privilégios com governo petista (foto: ArtHouse/Divulgação)
Depois de Casa grande (2014) e Gabriel e a montanha (2017), o diretor Fellipe Barbosa realizou outro projeto que aborda questões políticas e sociais do Brasil. No entanto, a realidade da família burguesa e as relações sociais abordadas em Domingo, seu novo longa, ganham outro sentido e dimensão por causa da atual polarização política do país. Codirigido por Clara Linhart, o filme está sendo apresentado esta semana em Paris, depois de ser exibido em Veneza e abrir o Festival de Brasília.

Quando Lucas Paraizo escreveu o roteiro desta comédia satírica, em 2005, não poderia prever o avanço de Jair Bolsonaro na corrida eleitoral. O filme reflete, por meio de uma família abastada e de seus empregados domésticos, a tensão entre as classes sociais quando Luiz Inácio Lula da Silva chegou ao poder, provocando desconfiança entre os primeiros e esperança entre os últimos. O filme se passa em 1º de janeiro de 2003, dia da posse de Lula, e trechos do discurso do ex-presidente pontuam a narrativa. A conjuntura hoje é exatamente oposta, desde que o candidato do PSL à Presidência obteve 46,03% dos votos no primeiro turno de domingo e Lula está preso em Curitiba.

Na França, Fellipe Barbosa afirmou que os artistas brasileiros sentem medo diante a possibilidade de que o candidato de extrema-direita vença o segundo turno das eleições. “Agora é a esquerda quem teme”, disse o diretor, referindo-se ao temor da família rica apresentada em Domingo. E os artistas, muitos deles já mobilizados contra o governo do conservador Michel Temer, acusado de dar as costas à cultura, também “sentem medo”. “Porque Bolsonaro nos vê como inimigos do Estado, vagabundos que não fazem nada”, explica o cineasta. Bolsonaro já defendeu que o Ministério da Cultura deverá, em um eventual governo seu, ser rebaixado para a categoria de secretaria.

Em entrevista à revista Variety, a diretora Clara Linhart declarou que, naquela época, havia o receio da classe alta de que o país se tornaria um regime comunista, o que não se provou correto. “O governo de Lula foi muito bom para as classes mais altas. Ele foi conciliador e o Brasil experimentou um grande crescimento econômico durante seu governo.

Para Fellipe, o triunfo da extrema-direita no domingo se deve em parte ao desejo de “vingança da burguesia” em relação aos governos de Lula e Dilma Rousseff e aos escândalos de corrupção. “No Brasil, há um ódio entre as classes e um dos seus motores é a vingança”, afirmou Fellipe. “Isso nos remete a uma época muito sinistra”, acrescenta, aludindo ao regime militar (1964-1985). Quando questionado sobre sua vida, já que nasceu em uma família rica, ele diz que a burguesia brasileira precisa ser retratada e ao mesmo tempo é uma necessidade de se confrontar. “É, de certa forma, um exercício de culpa”, explicou.

['__class__', '__cmp__', '__contains__', '__delattr__', '__delitem__', '__dict__', '__doc__', '__eq__', '__format__', '__ge__', '__getattribute__', '__getitem__', '__gt__', '__hash__', '__init__', '__iter__', '__le__', '__len__', '__lt__', '__module__', '__ne__', '__new__', '__reduce__', '__reduce_ex__', '__repr__', '__setattr__', '__setitem__', '__sizeof__', '__str__', '__subclasshook__', '__weakref__', 'clear', 'copy', 'fromkeys', 'get', 'has_key', 'items', 'iteritems', 'iterkeys', 'itervalues', 'keys', 'pop', 'popitem', 'request', 'setdefault', 'update', 'values', 'viewitems', 'viewkeys', 'viewvalues']

MAIS SOBRE CINEMA